Portugal

Campanha ruim e futebol fraco preocupam início de temporada do Benfica

A distância entre o futebol apresentado pelo Benfica na temporada passada, quando da conquista do tetracampeonato português, para a atual, está além dos cinco pontos de vantagem que separam hoje os encarnados dos rivais Porto e Sporting, na liderança do campeonato nacional – e ainda com o intruso Marítimo aparecendo na terceira colocação, dois pontos à frente do Benfica.

LEIA TAMBÉM: Ligas de Espanha e Portugal se aproximam para criar ‘Liga Ibérica’ ao final da temporada

O mau início de temporada ganhou contornos de crise na rodada passada, quando a invencibilidade benfiquista caiu na derrota para o Boavista por 2 a 1, fora de casa. Os gritos de “joguem à bola” (algo como o nosso “time sem vergonha”) vindo da arquibancada visitante do Bessa e a recepção nada amistosa do ônibus da delegação no estádio da Luz mostram como a torcida já está começando a perder a paciência com o futebol apresentado.

A qualidade do jogo, inclusive, preocupa mais os benfiquistas do que a posição na tabela. Em 2015/16, por exemplo, o time chegou a estar oito pontos atrás do líder e, ainda assim, obteve o título. O problema, agora, está nas poucas perspectivas mostradas pela equipe.

A derrota que veio contra o Boavista poderia, inclusive, ter acontecido antes. Na rodada anterior, o Benfica havia sofrido para ganhar do Portimonense em casa. Precisou de um sensacional gol André Almeida – que acertou um chute tão lindo quanto improvável aos 33 minutos do segundo tempo – para sair de campo com um sofrido 2 a 1 a seu favor. Antes, havia encerrado a série de 100% de aproveitamento ao empatar por 1 a 1 com o Rio Ave, num jogo em que o adversário foi melhor. Isso tudo somado à derrota caseira para o CSKA Moscou (2 a 1), na estreia na Liga dos Campeões.

Uma análise nos números revela fragilidade do sistema defensivo, que forte demais em 2016/17. Em apenas seis rodadas da competição atual, o time já sofreu 27,7% dos gols que tomou em todo o campeonato passado, no qual teve a melhor defesa. Ou, em outras palavras: a média de gols sofridos, que era de 0,5 por partida, agora é de 0,8 por jogo. O frango do goleiro Varela, que originou o gol da vitória do Boavista, pode ser incluído nesta conta.

Obviamente que não é só a defesa a culpada pelo mau momento – os homens do ataque, por exemplo, desperdiçaram diversas chances de gol no Bessa. Mas é do xerife da zaga que partiu o recado dos jogadores para a torcida. Com o status de capitão e ídolo, Luisão foi protagonista de vídeo institucional do clube, no qual afirma que o grupo já deu muitas provas de superação e que ele próprio assume a responsabilidade em nome do elenco. “De maneira nenhuma vamos desistir”, afirmou.

De fato, o Benfica passa por um momento em que superar-se é fundamental. As vitórias precisam voltar a acontecer, ainda que com futebol de qualidade duvidosa, para espantar uma crise que pode se tornar maior ainda. Mas, a continuar jogando do jeito que está, apenas superação não bastará.

Foto de Anderson Santos

Anderson Santos

Membro do Na Bancada, professor da Unidade Educacional Santana do Ipanema da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), doutorando em Comunicação na Universidade de Brasília (UnB) e autor do livro “Os direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro de Futebol” (Appris, 2019).
Botão Voltar ao topo