Portugal

Benfica dá uma prova de força com seu novo pacote de reforços: Cebolinha, Vertonghen e Waldschmidt

A chegada de Jorge Jesus ao Benfica indicava o início de uma renovação profunda no Estádio da Luz. O clube deixaria de apostar em treinadores ascendentes, como foi com Rui Vitória e Bruno Lage, trazendo de volta o medalhão que os antecedeu. A passagem do Mister pelo Sporting incomodou parte da torcida encarnada, mas não se nega o seu enorme sucesso em seis anos à frente do Benfica, colecionando títulos e recuperando o prestígio do time. Revigorado pelo trabalho no Flamengo, JJ também precisaria de peças para iniciar sua reformulação. E o mercado benfiquista anima bastante, com os anúncios de Everton Cebolinha, Jan Vertonghen e Luca Waldschmidt de uma só vez.

O Benfica havia vivido um final de semana movimentado, entre apresentações e anúncios. Jorge Jesus deu sua primeira entrevista como treinador nesta nova passagem pelo Estádio da Luz. Além disso, o elenco se encorpava. Pedrinho e Helton Leite haviam sido contratados antes do acerto com o técnico e, ao que tudo indica, devem ser apenas peças extras na rotação. Já o lateral Gilberto veio do Fluminense com o carimbo do comandante – o primeiro de “nove ou dez reforços” previstos inicialmente por Jorge Jesus.

A transferência de Everton Cebolinha era iminente. Tanto o ponta quanto o treinador haviam dado o negócio como praticamente certo, restando apenas detalhes. A oficialização veio nesta sexta-feira, numa compra que custará €20 milhões ao Benfica, mais 20% de uma transferência futura repassados ao Grêmio – o que soa como uma pechincha, considerando que o mesmo valor foi pago a Pedrinho. Sua multa rescisória chegará aos €150 milhões, com o acordo válido até 2025. Outra solicitação direta do Mister, o ex-gremista oferece uma qualidade evidente para romper as defesas com seus dribles e desequilibrar partidas. Por seu sucesso com a Seleção, talvez o jovem até coubesse numa liga maior, mas o Campeonato Português ajudará na adaptação e no impacto inicial.

“Tive boas referências do Jorge Jesus, dos jogadores que trabalhavam com ele, disseram que era um excelente treinador. E consegui comprovar isso com a conversa que tive com ele, nada relacionado com o Gre-Nal, só para vir para este projeto. Ele teve importância na minha escolha. Quis experimentar o trabalho dele e tenho a certeza que vou crescer muito com Jesus. Realizo o sonho de jogar na Europa, num clube como o Benfica. E, como qualquer jogador que chega, quero fazer história e isso só vai acontecer com títulos. Fiz a escolha certa”, ressaltou Everton, em aspas reproduzidas pelo jornal A Bola.

Já nos últimos dias, a imprensa portuguesa passou a noticiar outros acertos. Destes, Jan Vertonghen sem dúvidas é o mais representativo. O zagueiro de 33 anos não tinha tanto espaço no Tottenham e sua queda física pode se tornar um entrave. Mas, por qualidade e por experiência, é um baita acréscimo ao Benfica – até por chegar sem custos, após o término de seu contrato com os Spurs. O belga representa também as ambições do clube nas competições europeias, podendo auxiliar por sua tarimba. Não deixa de ser um achado no mercado, dadas as condições da transferência. Terá vínculo até 2023.

“Joguei seis anos na equipe principal do Ajax, oito no Tottenham e acho que isso mostra a minha forma de estar no futebol. Gosto de estabilidade, continuidade e foi isso que o Benfica me ofereceu. Acabou por ser muito importante na minha escolha. Além disso, senti grande confiança dos responsáveis e quero recompensar isso dentro de campo. O Benfica tem a mesma ambição que eu e procura alcançar coisas importantes no campeonato e na Europa. Eu vim para ganhar troféus e estou no clube certo. Se olharem, percebem que o Benfica é uma grande equipe e temos já o objetivo de continuar a jogar na Liga dos Campeões. Acho que podemos conseguir”, declarou Vertonghen, em sua primeira entrevista, também presento no jornal A Bola.

Luca Waldschmidt é quem tem o currículo mais curto, mas não que deixe de ser uma boa aposta por isso. Formado pelo Eintracht Frankfurt e com passagem pelo Hamburgo, o camisa 10 foi o grande destaque da Alemanha no Europeu Sub-21 de 2019, terminando como artilheiro da competição. As expectativas eram altas sobre o que poderia fazer no Freiburg em 2019/20, depois de uma boa primeira temporada com o clube. Teve um problema no joelho que custou sua sequência, mas ainda assim somou sete gols e três assistências em 23 partidas pela Bundesliga. Atua em diferentes posições no ataque, sobretudo centralizado, e bate muito bem na bola, tanto nos lançamentos quanto nas finalizações. Aos 24 anos, chega por €15 milhões, com multa de €88 milhões.

“Estou muito feliz por estar aqui e quero ajudar o clube a atingir os objetivos que pretender. Vim para um grande clube e quero me tornar melhor jogador. Quero marcar gols e dar assistências aos meus companheiros. Queremos ter sucesso. O Benfica joga ofensivamente e eu jogo desse modo. Acho que é realmente bom. Conversei com Weigl e Seferovic e ambos falaram muito bem do clube. Acho que vai me ajudar muito ter aqui alguém que fale alemão e ajude na integração. Sei dizer ‘sim’ e ‘não’ em português, também falo espanhol, mas quero aprender o idioma”, declarou o alemão, conforme o jornal A Bola.

Considerando que o Benfica havia feito um excelente negócio com Julian Weigl em janeiro e que também se deu muito bem ao tirar Carlos Vinícius do Napoli, com o centroavante abocanhando a artilharia do último Campeonato Português, há uma impressão favorável quanto ao crescimento. Os encarnados, ainda assim, não pararão por aí e deverão contar com um elenco mais encorpado para disputar as diferentes competições. A ansiedade maior se reserva sobre Edinson Cavani, principal alvo do clube neste momento.

Um ponto primordial ao Benfica é fazer o potencial do time se transformar em resultados. Essa exigência se torna maior, especialmente quando a realidade financeira do futebol não permite tantas manobras. O clube possui uma dívida superior a €100 milhões que, embora o departamento financeiro avalie como pequena diante das receitas, pressupõe certa cautela quando os ganhos tendem a se reduzir nos próximos anos. Ao que tudo indica, os encarnados apostam suas fichas que tal investimento no futebol compensará as perdas. E, considerando os valores, todos os três novatos desta sexta chegam em condições favoráveis.

O objetivo básico do Benfica será reconquistar o Campeonato Português, após perder a coroa para o Porto na última temporada. Mais do que isso, a Champions League também ganha peso no planejamento. Os encarnados começarão na última etapa preliminar e não poderão falhar, com os milhões da fase de grupos se tornando vitais. A melhora no desempenho além das fronteiras, depois de participações decepcionantes nos últimos anos, passa por este projeto que se apresenta. É ver o impacto que Jorge Jesus causará neste retorno. Nomes para alavancar o nível benfiquista, ao menos, estão chegando.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo