Portugal

A internet ajudou e Quaresma pôde realizar o sonho desta pequena torcedora de Portugal

Que a carreira de Ricardo Quaresma não tenha atingido todo potencial que prometia, o talento do atacante não pode ser diminuído por isso. E nem mesmo a sua importância na seleção portuguesa. Sem ser titular absoluto, o veterano serve de referencia e liderança no elenco de Fernando Santos. Mais do que isso, é um ídolo, que sabe retribuir muito bem o carinho dos fãs. Mostra disso veio neste final de semana, com um grande gesto para alegrar uma torcedora especial.

Fã de Quaresma, Martinha se frustrou durante o último jogo da seleção em casa, quando os tugas golearam Gibraltar por 5 a 0. A menina, que realiza o tratamento de um câncer no Instituto Português de Oncologia do Porto, esteve nas arquibancadas do Estádio do Bessa com outros pacientes. A pequena torcedora levou um cartaz pedindo a camisa do atacante, mas acabou sem ser notada. Alguns jogadores do elenco até foram atender as crianças. Quaresma, porém, não estava entre eles, embora costume dar seu apoio nas campanhas de combate ao câncer realizadas pelo IPO-Porto.

Pois a internet, este mesmo lugar que serve como poço de fel, também tem espaço para o bem. A imagem de Martinha desapontada com a cartolina nas mãos se espalhou nos últimos dias, até chegar a Quaresma. E ele mandou o recado: “Podes ficar tranquila que eu vou realizar esse teu sonho com todo o prazer do mundo. Um grande beijo para ti e até já”.

Neste sábado, novas fotos de Martinha surgiu nas redes sociais. Não só ao lado de Ricardo Quaresma, mas também de outros jogadores de Portugal. A menina foi até Aveiro, onde a seleção venceu Andorra por 6 a 0, e conheceu o seu ídolo antes da partida. Ganhou a sonhada camisa 20, um ingresso para assistir ao jogo das tribunas e um sorriso imenso, que certamente vai demorar a sair do seu rosto. E que a ajudará na luta diária contra o câncer.

quare

martinha3

martinha1

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo