Por Guilherme Conte (@lindnerconte)

À primeira vista aquele era um sábado qualquer desses de pandemia, mas uma coisa o fazia diferente: a promessa de ir ao campo para ver um futebolzinho. Há meses que o simples ato de ir a um estádio de futebol era algo inacessível; depois de meses em total silêncio, vieram os jogos com portões fechados, torcedores de papelão e DJs de torcida em mp3. Aquele vinte e dois de agosto, portanto, tinha algo de expectativa.

Nada que tomasse conta da cidade, de forma nenhuma. Quando um dos dois clubes grandes de Berlim joga, os bairros no entorno e no caminho das canchas ganham cores: azul e branco dos Herthaner do lado oeste, vermelho dos Unioner a leste. Além do vai e vem dos visitantes na estação central Hauptbahnhof. Neste dia, porém, as primeiras camisas lilás foram aparecer só já na última baldeação, em Westkreuz. Foi ali, em meio às bandeirinhas de pequenos torcedores devidamente uniformizados da cabeça aos pés, que ficou claro que aquela era uma tarde de futebol: era dia de jogo do Tennis Borussia.

Motivos não faltavam para cercar aquela partida de interesse: era a estréia do TeBe (como o clube é carinhosamente chamado) em casa com seu público nas arquibancadas após o acesso à quarta divisão, a Regionalliga Nordost. O primeiro jogo com alguma normalidade desde que a pandemia forçou a parada do esporte mundo afora, já que a primeira rodada foi disputada com portões fechados. E frente a um rival com tradição, num duelo que por décadas não aconteceu por conta de um famigerado muro: o BSG Chemie Leipzig, um dos clubes mais importantes da Alemanha Oriental. De um lado um clube centenário — fundado em 1902 — e recordista de vitórias na Berliner Landespokal (a copa com as equipes da capital alemã), de outro os saxões e suas duas Oberliga (1950-51 e 1963-64) na prateleira de troféus.

Camisas de ambos os times desfilavam lado a lado na pequena floresta entre a estação e o Mommsenstadion, numa mistura de verde e lilás um tanto quanto incomum em canchas de futebol. Incomum também é o fato do homenageado com o batismo do local ser um historiador, o alemão Theodor Mommsen (1817-1903), especializado em Antiguidade Clássica e vencedor do Prêmio Nobel. Nada de bajulação a vereador local nem naming rights.

Construído nos anos 1930, é um simpático estádio, com uma pista de atletismo, uma tribuna com um estilão meio jockey club e uma cerquinha bem preguiçosa no lado que dá para os trilhos do trem, um convite para que os que não quiseram ou puderam comprar ingressos possam também assistir aos jogos sem muitos inconvenientes. Os trilhos correm junto dos fundos da imponente Messe, o maior pavilhão de exposições da cidade, e de tempos em tempos ouve-se o suave deslizar dos trens que vão e vêm do bairro de Spandau, ali perto.

O “Mommsenzão” é casa tanto do TeBe quanto do SC Charlottenburg, da sétima divisão. Entre os estereótipos mais comuns atribuídos aos alemães está o de serem organizados e gostarem de chegar cedo, fatos que se confirmaram nesta partida. Além dessa predisposição natural, o TeBe também pediu pelas redes sociais para que os torcedores chegassem com antecedência para evitar filas, já que os ingressos eram personalizados (para que todos possam ser avisados mais tarde, em caso de infecções) e a identidade seria checada (não foi) na entrada.

Logo chegando no cimento da arquibancada, chamavam a atenção centenas de tiras de fita adesiva coladas no chão, a 1,5 metro de distância entre si — esses eram os locais onde cada torcedor deveria estar na arquibancada, mantendo o distanciamento. Essa fora uma das regras de higiene anunciadas pelo clube na véspera, além de medidas como oferta de álcool em gel disponível em diversos locais e obrigatoriedade de máscaras (na entrada, saída, em movimento pelas áreas do estádio, nos banheiros e durante todo o tempo nas cadeiras cobertas).

Chamou a atenção também a rigorosa cautela da direção em relação ao número de entradas disponíveis. O Mommsenstadion tem capacidade para 15 mil pessoas, embora a DFB limite a 11.500 espectadores em competições oficiais. Para o jogo contra o Chemie foram colocados à venda apenas 850 bilhetes, que se esgotaram em menos de dois dias. A sensação, com isso, foi extremamente positiva: mesmo com “casa cheia”, foi possível manter uma distância segura em todos os momentos, sem qualquer dificuldade. Até comer uma salsicha e tomar uma cervejinha, com crianças batendo bola no cimentão atrás de um dos gols.

O mesmo comunicado do clube, na véspera, trazia por fim a recomendação mais curiosa: “Cantar e gritar fazem parte do futebol. No entanto, temos de dispensar ambos no momento — isso está estipulado pelo decreto de proteção contra infecções em vigor pelo Senado de Berlim. Estamos curiosos para saber quais formas de torcer vocês vão encontrar.” Uma partida de futebol sem cantar e gritar? Pode uma coisa dessas dar certo?

Bem, a julgar pelo TeBe x Chemie na volta das torcidas aos estádios berlinenses, a resposta é mais ou menos. Durante a maior parte do jogo o pedido foi de fato respeitado, mais pela torcida da casa que pelos visitantes: os verdes não se aguentaram e soltaram a voz em alguns momentos, sobretudo no começo e ao final. Embora não houvesse um setor visitante oficial, os Chemiker coparam o Mommsen e formaram uma massa mais ou menos densa e ruidosa junto a um dos gols, com talvez um quarto do total de torcedores no estádio.

Era algo meio cômico de se ver, que trouxe à mente o coro grego do filme “Poderosa Afrodite” (1995), de Woody Allen: se não cantavam, as barras reagiam com “aaahhh” e “uuuuhhh” aos fatos que se desenrolavam no campo. Vez ou outra pipocavam palmas ritmadas, sem que a coisa vingasse por muito tempo. O fato de o Chemie ter mandado na partida também fez com que seus torcedores fossem um tanto mais vocais, com direito até ao jocoso canto “ Lila, weiße / West-Berliner Scheiße ” (“Lilás e branco / Merda da Berlim Ocidental”), ecoando velhas feridas não totalmente cicatrizadas de um país dividido.

Enfim, como era de se esperar, é evidente que nem todas as pessoas seguiram todas as orientações a todo momento. Se em geral as arquibancadas e tribunas estavam bem vazias, com generosos espaços entre os torcedores, os dois grupos de barras estavam com gente mais próxima do que o recomendado, conversando sem máscaras, etc.

Se não foi 100% ideal, foi sem dúvida uma experiência positiva, que mostra que há caminhos possíveis para a vida retomar gradativamente um pouco de normalidade, passo a passo. Isso, evidentemente, em um cenário de pandemia bem controlada, como é o caso da capital alemã. E com regras claras e obedecidas, em nome do bem geral. A reportagem não testemunhou nenhum caso de gente se recusando a usar máscaras, desobedecendo instruções de funcionários ou criando problemas.

E o jogo? Bem, o roteiro foi o mesmo de tantas e tantas partidas disputadas em campos mais ou menos profissionais pelas décadas afora. Metade do primeiro tempo lá e cá, Chemie abre o placar e amplia pouco antes do intervalo. Times voltam, TeBe desconta aos dez, anima um pouco os populares, jogo não decola, Chemie liquida a fatura aos trinta e poucos. Terminada a partida, explosão total de alegria entre os visitantes, que recebem a equipe de braços abertos (com distanciamento) nos alambrados.

Que semana para o Chemie! Em sete dias derrotaram um rival histórico em casa (BFC Dynamo Berlin), viram dois rivais locais amargarem derrotas — o de verdade, 1. FC Lokomotiv, para o Hertha BSC II, pela mesa Regionalliga Nordost; e o de mentira, o RB Leipzig, para o PSG, na semi da Champions — e terminaram buscando três pontos contra o TeBe no coração da antiga Berlim Ocidental. Se tem alguém mais feliz do que os outros com futebol por esses dias, é sem dúvida a parte verde de Leipzig.

Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)
Tennis Borussia X Chemie Leipzig, 22/08/2020 (Foto: Guilherme Conte/Trivela)