BrasilMundo

Brasil mostra bons sinais na estreia contra um Japão mal

A estreia da Copa das Confederações começou empolgante. Um golaço de Neymar logo a três minutos deu uma boa impressão. O Brasil não foi espetacular, mas fez uma partida correta e conseguiu marcar os gols que precisava, aproveitando um Japão que foi muito abaixo do seu normal.Os 3 a 0 foram conquistados com méritos e com tranquilidade. O Brasil mostrou um time, algo que faltava, mesmo com defeitos que precisam ser corrigidos. Não teve brilho, mas teve bons momentos.

O gol no início do jogo foi daqueles para ver, rever e admirar. Um chute de classe de Neymar.  A movimentação do Brasil foi ótima, com Oscar, Hulk e Neymar tentando confundir a marcação. Hulk foi o melhor deles, aparecendo muito, puxando a marcação e chutando a gol. Foi perigoso e mostrou, mais uma vez, que é importante para o time.

O Brasil teve posse de bola dominante no primeiro tempo, mas sentiu dificuldades em saber o que fazer com a bola. O time mostrou vontade, mas quando os jogadores brasileiros tinham a bola, pareciam pensar demais no jogo, procurar o companheiro, tudo de improviso. As jogadas não saiam naturalmente. O Japão, ao contrário, tinha pouco a bola e parecia consciente do que precisava fazer. Só não conseguia executar nada disso.

O Japão é um bom time, mas fez uma partida muito abaixo do que pode. O time mostrou muito desgaste físico, o que ficou evidente no segundo tempo. Perdendo por 2 a 0 e com mais de 40 minutos para jogar, o time não teve pernas para fazer pressão, tentar tomar a bola e partir para cima. Tanto que mal chegou ao ataque.

O Brasil tem o que comemorar. Fez uma partida interessante, que passou muito longe de ser brilhante, mas que mostrou uma movimentação dos jogadores importante, Paulinho conseguindo aparecer e Thiago Silva em ótima atuação, especialmente nas antecipações, e Luiz Gustavo fazendo uma boa partida.

Viu também algumas coisas que precisa corrigir, como a distância dos meias para Fred, ainda muito isolado na frente e sem movimentação, Neymar ainda um pouco tímido, embora muito perigoso com o golaço que fez e uma bola que deixou Fred na cara do gol, além dos espaços deixados por Daniel Alves. O Brasil deve ganhar corpo com o passar dos jogos. Para uma estreia, Brasil foi bem e venceu, algo fundamental para dar confiança.

Destaque do jogo

Atuação muito segura de Thiago Silva. Foram quatro interceptações e um posicionamento excelente. Mostrou a segurança que um zagueiro precisa ter.

Momento-chave

O golaço de Neymar foi importante para o Brasil manter o jogo sob o seu controle o tempo todo. Tanto que se as emoções do jogo fossem mostrados em um gráfico, seria muito estável. Poucos picos.

Neymar chuta para marcar um golaço (AP Photo/Eugene Hoshiko)
Neymar chuta para marcar um golaço (AP Photo/Eugene Hoshiko)
Os gols

3’/1T: GOL DO BRASIL!

Marcelo cruza da esquerda para Fred, que tentou dominar no peito, a bola escapou e Neymar pegou de primeira, no alto, acertando no ângulo. Golaço para abrir a competição!

3’/2T: GOL DO BRASIL!

Daniel Alves jogou para a área, Paulinho dominou e bateu rápido. O goleiro Kawashima não segurou: 2 a 0 Brasil.

47’/2T: GOL DO BRASIL!

Já nos acréscimos, Oscar puxou contra-ataque e tocou na frente para Jô finalizar bem e acabar com o jogo: 3 a 0.

Curiosidade

O Brasil mantém um completo domínio no confronto com o Japão. São oito vitórias do Brasil e nenhuma japonesa e dois empates. Se você lembrou das Olimpíadas de 1996, bom, Olimpíadas contam como categoria de base, não como seleção principal. Nessa, o Japão nunca venceu o Brasil.

Ficha técnica

BRASIL 3X0 JAPÃO

Brasil escudo Brasil
Júlio César; Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo; Luiz Gustavo e Paulinho; Hulk (Hernanes, 30’/2T), Oscar e Neymar (Lucas, 28’/2T); Fred (Jô, 36’/2T). Técnico: Luiz Felipe Scolari
Japão escudo Japão
Eiji Kawashima; Atsuto Uchida, Maya Yoshida, Yasuyuki Konno e Yuto Nagatomo; Makoto Hasebe e Yasuhito Endo (Hajime Hosogai, 33’/2T); Hiroshi Kiyotake (Ryoichi Maeda, 6’/2T), Keisuke Honda (Takashi Inui, 44’/2T) e Shinji Kagawa; Shinji Okazaki. Técnico: Alberto Zaccheroni
Local: Estádio Nacional Mané Garrincha (Brasília-BRA)
Árbitro: Pedro Proença (POR)
Gols: Neymar, 3’/1T, Paulinho, 3’/2T, Jô, 47’/2T (Brasil)
Cartões amarelos: Makoto Hasebe (Japão)
Cartões vermelhos: Nenhum

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo