Premier League

Prêmio reconhece a revolução que Van Dijk representou ao Liverpool

O Liverpool precisou de paciência para contratar Van Dijk. A primeira tentativa foi no mercado do verão europeu, antes da temporada 2017/18, mas o Southampton estava irredutível. Chegou a reclamar de aliciamento por parte dos Reds, e a Premier League ameaçou abrir uma investigação. Em vez de buscar outro alvo para a defesa, que precisava de reforços, Jürgen Klopp decidiu esperar, atraindo algumas críticas. E ele estava certo. Os seis meses valeram a pena. Van Dijk chegou a Anfield em janeiro de 2018 e revolucionou o sistema defensivo do time, o que acabou sendo reconhecido pelo prêmio de melhor jogador da temporada do Campeonato Inglês, anunciado pela Associação de Jogadores Profissionais (PFA) nesta segunda-feira.

[foo_related_posts]

Quando Van Dijk chegou, a defesa do Liverpool era uma peneira. O estilo muito expansivo de Klopp deixava zagueiros pouco talentosos expostos a uma série de falhas. A chegada de Van Dijk foi acompanhada por outras medidas que também melhoraram a retaguarda vermelha: especialmente, a mudança para um estilo mais controlado e a contratação de um goleiro de primeira linha. Mas foi notável a segurança que o holandês passou desde a sua primeira partida e ele rapidamente se tornou o líder do setor.

Klopp começou o seu trabalho em Anfield em outubro de 2015. Van Dijk fez seu primeiro jogo pelo clube na Premier League, no final de janeiro de 2018. Nesse período de pouco mais de dois anos, o Liverpool disputou 91 rodadas da liga inglesa, nas quais sofreu 110 gols, média de 1,2 por partida. Desde aquela derrota por 1 a 0 para o Swansea, foram 53 jogos, com apenas 30 gols sofridos. A média caiu pela metade, para 0,56 tentos a cada 90 minutos

Nesta temporada, Alisson tornou-se apenas o quinto goleiro da história da Premier League a passar 20 das 36 rodadas sem ser vazado. Caso faça o mesmo nas últimas duas partidas, ficará em segundo lugar, atrás de Petr Cech, pelo Chelsea, em 2004/05. Em Anfield, o Liverpool virou uma fortaleza. Com Van Dijk no elenco, são 25 partidas como mandante, nas quais o adversário saiu de campo sem comemorar um gol em 16. Foram apenas 13 tentos sofridos nesse período, e os únicos que conseguiram fazer mais de um foram o Tottenham, o Crystal Palace e o Burnley.

A chegada de Alisson ajudou nesses números, mas Van Dijk também passou segurança para zagueiros como Matip e Lovren se sentirem mais seguros, para os jovens laterias Alexander-Arnold e Robertson amadurecerem defensivamente. Tanto que, nesta Premier League, o Liverpool é o segundo time que menos permite finalizações contra a sua meta, média de 7,9 por jogo. Em 2016/17, temporada completa com Klopp, esse número era de 8,2. Na anterior, ainda com algumas partidas sob o comando de Brendan Rodgers, era 10.5.

Assim que assumiu o Liverpool, Klopp imprimiu seu estilo de futebol heavy metal. Conseguiu colocar o time em finais e o devolveu à Champions League, após anos de ausência. Foi protagonista de partidas de tirar o fôlego. O seu grande desafio sempre foi encontrar o equilíbrio entre ataque e defesa porque o principal objetivo é terminar o Campeonato Inglês com mais pontos que os outros times, o que os Reds não conseguem desde 1990. Para fazer isso, é essencial ter uma retaguarda sólida.

Esse processo começou antes de Van Dijk e continuou depois da sua chegada, mas o holandês foi a principal peça do quebra-cabeça, aquela que permitiu que todo o resto funcionasse melhor. Valeu cada centavo das £ 75 milhões, maior valor pago a um defensor na história. E foi reconhecido pelos seus colegas como o oitavo jogador de defesa a receber o prêmio desde a sua criação, em 1973, e o primeiro desde John Terry, em 2004/05.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo