Premier League

O Arsenal ia perdendo em casa para o Fulham, mas salvou ao menos o empate agonizante nos acréscimos

Gunners desperdiçaram boas chances, numa partida ainda marcada pelas intervenções decisivas do VAR

O Arsenal não consegue dar sossego à sua torcida. A semana vinha sendo ótima, depois da categórica classificação às semifinais da Liga Europa, goleando o Slavia Praga na República Tcheca. Neste domingo, porém, os Gunners tropeçaram na Premier League contra um oponente ameaçado pelo rebaixamento, o Fulham. Tudo bem que o time de Mikel Arteta vinha com modificações e desfalques, mas também poderia ter resolvido a parada antes, num jogo marcado pelas intervenções do VAR. E depois que os Cottagers abriram o placar, foi somente no último lance que o Arsenal arrancou o empate por 1 a 1, em mais um episódio da claudicante campanha na liga nacional.

O Arsenal teve ótimas condições de sair em vantagem no primeiro tempo. Gabriel Martinelli começou como titular e perdeu algumas das melhores chances. Aos dois minutos, o garoto foi lançado por Alexandre Lacazette e, pressionado por Alphonse Aréola, acabou batendo para fora. O goleiro logo faria uma defesaça aos seis minutos, segurando nova batida de Martinelli. Depois disso, o Fulham até se soltou mais e Josh Maja tirou tinta da trave aos 20. Mesmo que os Cottagers ganhassem confiança, os Gunners permaneciam com os principais lances. E foi assim que os anfitriões acabaram com um gol anulado aos 41, por um impedimento milimétrico de Bukayo Saka antes que Dani Ceballos marcasse. O VAR precisou intervir. Nos acréscimos, outro gol de Ceballos foi anulado, mas a marcação era mais fácil.

O segundo tempo pendia ao Arsenal durante os primeiros minutos, com Lacazette levando perigo num chute para fora e Saka triscando a trave. Porém, um pênalti de Gabriel Magalhães sobre Mario Lemina mudou a história do jogo. O VAR ainda precisou conferir se a posição do jogador do Fulham era legal, mas confirmou a penalidade. Maja cobrou e deslocou o goleiro Mat Ryan. A partir de então, o jogo se concentrou de um lado do campo, com os Gunners martelando pelo empate.

As oportunidades do Arsenal se seguiam e algumas foram boas. Héctor Bellerín cabeceou para fora, antes de um lance inacreditável aos 26. Martinelli fez a jogada pela linha de fundo e, com a saída de Aréola, cruzou para Nicolas Pépé do outro lado. O ponta cabeceou, mas o goleiro se recuperou e salvou em cima da linha. Para piorar, Lacazette se lesionou e precisou dar lugar a Eddie Nketiah. A insistência dos anfitriões se seguia, com Nketiah e Saka ficando muito próximos de marcar.

O abafa ficou ainda maior nos acréscimos. De novo Aréola frustrou Martinelli e a zaga fazia bloqueios cruciais. No entanto, o grito saiu da garganta saiu aos 52. Numa cobrança de escanteio em que até Mat Ryan estava na área, o goleiro desviou e Ceballos chutou no segundo pau. Aréola ainda fez a defesa parcial, mas Nketiah apareceu quase em cima da linha para se transformar em herói. Havia dúvidas se o lance foi legal, até a confirmação da arbitragem.

No geral, não foi uma boa partida do Arsenal, mas a perseverança ao menos evitou o pior. O empate deixa a equipe com 46 pontos, a nove de distância em relação ao G-4. Se anda difícil se aproximar das copas europeias, tal resultado atrapalha ainda mais as pretensões e aumenta a importância das semifinais da Liga Europa. Já o Fulham soma um ponto, chegando aos 27, mas sua missão se complicou na rodada. Com a vitória do Newcastle sobre o West Ham, os Cottagers aparecem a seis pontos de deixar o Z-3.

al

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo