Premier League

Mata escreveu uma bonita carta para se despedir do Manchester United, após oito anos e meio no clube

Mata chegou ao final de seu contrato com o Manchester United e encerrará a trajetória iniciada em 2014

Depois de oito temporadas e meia, Juan Mata se despede do Manchester United. O veterano de 34 anos chega ao final de seu contrato com o clube e, em meio ao processo de reformulação encabeçado por Erik ten Hag, não renovará. A passagem do espanhol por Old Trafford teria conquistas limitadas a copas nacionais e uma Liga Europa, diante de todas as dificuldades de gestão dos Red Devils. Individualmente, porém, o meia deixou seu nome marcado em Manchester. Foi um jogador de inegável dedicação e também talento, com bons momentos até que os problemas físicos minassem seu espaço nos últimos anos. Ao todo, Mata disputou 285 partidas pelo United, com 51 gols e 47 assistências. E, com o adeus, o camisa 8 assinou uma bonita carta de despedida.

Mata chegou ao Manchester United em janeiro de 2014, valorizado após ótimos momentos com o Chelsea. O meia custou €46 milhões, naquela que era a contratação mais cara da história dos Red Devils. O espanhol não repetiria o auge vivido com os Blues, mas teria bons anos com o United em suas quatro primeiras temporadas. Era um nome frequente entre os titulares e tinha seu sucesso nas copas. Porém, a queda física custou bastante e o armador perdeu cada vez mais espaço na equipe. Contribuía como uma evidente liderança nos vestiários, mas não necessariamente como alguém capaz de fazer a diferença em campo. Seus minutos foram minguando, até que a última temporada oferecesse raras aparições ao veterano.

Ainda assim, Mata ganhou respeito em Manchester. Seu profissionalismo marcou a passagem, assim como o talento enquanto o físico permitiu. Até pela longevidade do espanhol com o United, seu lugar na história está garantido – se não na parte mais gloriosa, ao menos entre aqueles que honraram a instituição, em tempos nos quais isso não foi tão comum. Assim, leva o carinho de tanta gente, algo expresso em sua carta.

O destino de Mata para a próxima temporada não está definido. Além do trabalho nos gramados, o meia segue como responsável pelo projeto Common Goal, que reverte 1% dos salários de seus signatários a projetos sociais relacionados ao futebol. Até por essa consciência social, a torcida para que o espanhol tenha um final de carreira digno se torna maior.

Abaixo, o vídeo divulgado por Mata e a tradução da carta.


“Levei algum tempo para processar a mudança que está acontecendo na minha vida. Essa é uma mensagem que, por muitos momentos nos últimos anos, nunca pensei que escreveria. Mas, logicamente, todas as coisas boas chegam ao fim e meu tempo como jogador do Manchester United acaba de terminar”.

“Seria impossível para mim expressar neste texto todos os sentimentos que venho experimentando nas últimas semanas, mas, para resumir, gostaria de dizer que sou o homem mais orgulhoso do mundo por ter representado esse clube singular nas últimas oito temporadas e meia”.

“É algo que eu nunca teria sonhado quando pequeno, porque parecia muito distante para um menino da Espanha jogar um dia por um dos melhores clubes da história do futebol. Mas, algumas vezes, a realidade supera os sonhos”.

“Enquanto escrevo essas linhas, não poderia ser mais grato com aquilo que minha carreira trouxe para mim até agora, e estou tão empolgado quanto aquele menininho sobre o que o futuro pode trazer de agora em diante, já que a mesma paixão por jogar futebol daquele garoto permanece em mim”.

“Não é preciso dizer que quero agradecer a todos os funcionários do clube, que o tornam tão especial, cada treinador, cada companheiro com quem cruzei no caminho pelo Manchester United. Não experimentamos o melhor período na história do clube, mas tive algumas lembranças incríveis durante a caminhada, na forma de troféus e momentos especiais juntos que permanecerão para sempre na minha mente. Obrigado a todos. Sentirei falta de vocês”.

“Para vocês, nossos torcedores, eu realmente não encontro palavras para descrever quão grato sou e quão especial vocês me fizeram sentir. Eu me sinto muito amado e isso é algo que nem eu, nem minha família, podemos agradecer o suficiente. Manchester é, e sempre será, grande parte da minha vida, dentro e fora de campo. Eu realmente me sinto um mancuniano adotado, vivendo aqui e entendendo o que significa fazer parte desse lugar singular no mundo. A cultura daqui é algo realmente especial. Sinto pertencimento”

“Não desejo nada além do melhor ao clube e ao novo treinador. Eu realmente espero que seja o começo de uma nova era, cheia de grande futebol, troféus e diversão para vocês, nossos torcedores. Não é nada além do que vocês merecem e nada menos do que este clube de futebol deve ser”.

“Este não é um adeus, mas um até logo, pois continuarei voltando a Manchester sempre que puder. Mas, por enquanto, do fundo do meu coração, muito obrigado por me deixarem fazer parte de sua história. Sou verdadeiramente honrado e orgulhoso, e sempre serei um de vocês”.

Foto de Leandro Stein

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreveu na Trivela de abril de 2010 a novembro de 2023.
Botão Voltar ao topo