Premier League

Confronto entre Manchester United e West Ham vale sexta posição (e alívio) na Premier League

Enquanto Manchester United precisa confirmar boa sequência mesmo diante dos problemas extra campo, derrota significaria o início de uma crise para o West Ham

A fase do Manchester United não é das melhores, e os torcedores dos diabos vermelhos estão cansados de saber disso. Na última semana, Rashford, um dos destaques do elenco, foi flagrado em uma balada em Belfast, na Irlanda do Norte, faltou a um treino e irritou Erik Ten Hag.

Em campo, o jovem se redimiu ao marcar o primeiro gol diante do Wolverhampton na surpreendente vitória por 4 x 3, com um gol marcado por Mainoo no apagar das luzes.

Aos trancos e barrancos, o time ocupa a sexta colocação na Premier League, e neste domingo, enfrenta o West Ham, adversário direto na briga pela zona de classificação da Conference League, tentando deixar os episódios – que só aumentam a polêmica em torno da gestão Ten Hag – para trás.

West Ham bateu United em dezembro, mas vem de sequência ruim

No último confronto entre Manchester United e West Ham, em dezembro de 2023, o clube de Londres levou a melhor, vencendo por 2 a 0. A situação agora é um pouco mais complicada.

Nos últimos cinco jogos, não venceu: empatou quatro vezes na Premier League e perdeu para o Bristol City, na FA Cup. O sinal de atenção está mais do que aceso, porque uma derrota significaria perder a sexta posição para o rival de Manchester – o West Ham tem 36 pontos ante 35 do United.

Parte dessa série de resultados ruins se deve as ausências de Lucas Paquetá e Michael Antonio, os principais destaques do time londrino na temporada. O brasileiro trata uma lesão na panturrilha esquerda, e deve retornar aos gramados apenas em meados de março, assim como o atacante jamaicano.

Antonio sofreu uma lesão no joelho direito durante a Data Fifa de novembro do ano passado, enquanto servia à seleção da Jamaica.

A expectativa está sempre em quem corresponde: Bruno Fernandes

Bruno Fernandes é o lampejo de criatividade no pouco organizado meio de campo do Manchester United, e é no português que os torcedores dos Red Devils acreditam neste domingo.

Apesar de não resolver todos os problemas da equipe sozinho – e nem poderia – ele é o cérebro do time, e teve uma grande atuação diante do Wolves – deu uma assistência, acertou 80% dos passes e criou duas grandes chances de gol.

Luke Shaw e Mainoo, que também jogaram bem, podem fazer a diferença no confronto deste domingo. Tyrell Malacia, Anthony Martial e Mason Mount seguem fora. A previsão era de que o inglês estivesse disponível já em janeiro, mas o treinador não espera o ver em campo antes do fim de fevereiro.

Mount foi titular em apenas nove partidas desde o início da temporada, e só completou os 90 minutos em uma delas.

– É muito frustrante para ele, eu sinto muito. Quero estar ao lado dele por que ele tinha grandes expectativas, e eu também tinha – disse Ten Hag.

– Tenho certeza que ele é um jogador muito bom para nós. O importante agora é que façamos tudo para que ele se recupere. Ter segurança no processo, passo a passo, não forçar, e então, com muita esperança, ele poderá estar de volta até o final da temporada, entrar em forma e lutar para voltar ao time. Com certeza espero que ele retorne [antes do final da temporada] – completou.

 

Foto de Denise Bonfim

Denise Bonfim

Denise Bonfim é jornalista e produtora de conteúdo. Participou da cobertura de duas Copas do Mundo e duas Olimpíadas e soma passagens por Estadão, CNN, Jovem Pan, UOL e Globo.
Botão Voltar ao topo