Premier League

Na paciência, Liverpool busca virada contra Brighton e vai ao topo da Premier League

Após tomar gol com um minuto do Brighton, Liverpool vai atrás e pressiona Manchester City e Arsenal

Ter repertório tático ao atacar significa criar chances de várias maneiras. Há muito tempo, o Liverpool é um exemplo disso: ótimo em transições, mas também sabendo furar retrancas a partir de uma posse de bola longa. Foi assim que saiu do empate com o Brighton neste domingo (31), pela 30ª rodada da Premier League, para vitória por 2 a 1.

Após uma grande troca de passes, que teve participação dos zagueiros, a paciência dos Reds foi recompensada: Alexis Mac Allister, em dia de gênio, recebeu de fora da área e encontrou Mohamed Salah em um espaço que só ele viu. O Rei Egípcio dominou tranquilo e bateu colocado para confirmar a vitória que dá ao clube de Anfield a liderança temporária do Campeonato Inglês, enquanto Manchester City e Arsenal não entram em campo.

O Brighton só precisou de um minuto para movimentar o placar. A defesa vermelha foi muito mal ao tentar cortar e Danny Welbeck brilhou com um chute de primeira. O placar condicionou os primeiros 65 minutos do jogo, onde a equipe mandante dominou a bola e as ações ofensivas, enquanto os Seagulls não encontravam tantos espaços para contra-atacar, a não ser em tentativas pela esquerda com Simon Adingra. A igualdade em Anfield veio ainda aos 26 da etapa inicial, mas o Liverpool seguiu martelando até virar. Após isso, o time de Roberto De Zerbi pressionou até o fim dos seis de acréscimos, e Liverpool soube se segurar.

Gol no início dá a tônica do 1º tempo

Os 45 minutos iniciais foram absolutamente intensos e bons de se assistir, apesar das 15 faltas, número acima da média para jogos de Premier League. O gol do Brighton, marcado antes dos dois no relógio, ajudou para que o roteiro da partida ficasse mais para o lado dos Reds e até conta como seria a única forma do visitante atacar. A jogada iniciada por Simon Adingra em escapada rápida pela esquerda parecia que não traria muitos resultados quando Virgil Van Dijk tirou, mas a bola sobrou na medida para Welbeck tirar da cartola uma bomba, de primeira, sem chances para Caoimhin Kelleher. O setor onde joga o jovem marfinense foi a principal válvula de escaque para os Seagulls, que não voltaram a incomodar o goleiro da casa.

O Liverpool passou a monopolizar as ações, muito pela grande atuação de Alexis Mac Allister, que ditou o ritmo do meio-campo com uma visão de jogo apurada para dar passes e lançamentos na medida. Em um desses toques açucarados, Mohamed Salah ia fazendo um golaço de primeira dentro da área, mas colocou muita força na bola e passou por cima do gol. E não dá para dizer que o Rei Egípcio não tentou na etapa inicial. Metade das 14 finalizações dos Reds no primeiro tempo saíram dos pés do camisa 11. No entanto, foi bloqueado três vezes, falhou na eficácia em outras três e quando finalmente acertou o gol, foi apenas um recuo para Bart Verbruggen encaixar.

A quebra da fortaleza defensiva do Brighton veio a partir de bola parada. Após escanteio, a defesa visitante afastou muito mal, Salah tocou de cabeça de fora da área, Joël Veltman tentou cortar e acabou dando a assistência para Luis Díaz igualar o placar aos 26 minutos.

Mac Allister dá passe de gênio para Salah garantir vitória do Liverpool

O segundo tempo não mudou o que foi visto na etapa inicial. O lado vermelho era melhor, quase que absoluto no ataque, e tentava de todas as formas. Cruzamentos, chutes de fora da área e tudo mais. Só que a paciência seria o caminho, quando Szoboszlai, bem aberto pela esquerda, acionou Mac Allister por dentro, que viu Salah sozinho na área. O egípcio dominou e bateu de canhota tranquilo.

O Brighton decidiu dar as caras no ataque depois dos 20 minutos. Kelleher teve que trabalhar duas vezes seguidas em bolas paradas. Na primeira, uma falta, Dunk testou e o goleiro se esticou todo para afastar para linha de fundo. Logo neste escanteio, de novo o zagueiro inglês tentou, o dono da meta dos Reds saiu estranho do gol e quase soltou no pé do adversário, mas segurou. Teve também uma tentativa de chute cruzado de Lallana, que passou perto da trave.

O time de Anfield não abriu mão dos ataques e até levou mais perigo. Chegou a ampliar quando Salah deu um passe mágico para Díaz, impedido, mandar no meio das pernas de Verbruggen. Depois, o próprio egípcio obrigou o goleiro a se esticar todo em chute colocado.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de eSports no The Clutch. Além disso, atuou como assessor de imprensa no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo