Há um ditado famoso que afirma: “Atacante vive de fazer gols”. E, pensando nisso, fica difícil imaginar como Danny Ings conseguiu sobreviver durante os últimos 930 dias. O centroavante reserva do Liverpool atravessou um longo deserto desde outubro de 2015. Passou dois anos e meio na seca, sem conseguir balançar as redes. Já neste sábado, ao encerrar o longo período de penúrias contra o , não se esperava outra reação: uma comemoração explosiva do camisa 28, enquanto era abraçado por quase todos os companheiros de time. A tarde, porém, não coroou a perseverança do inglês. Ao final do segundo tempo, o West Bromwich arrancou o heroico empate por 2 a 2 em The Hawthorns. Ajuda, mas está longe de salvar os Baggies na Premier League.

Na última vez que Ings tinha ido às redes, no empate por 1 a 1 contra o Everton, Brendan Rodgers ainda era o técnico do Liverpool. Jürgen Klopp logo chegaria em Anfield e, justamente no primeiro treinamento sob as ordens do alemão, o centroavante rompeu os ligamentos do joelho. A partir de então, enfrentou uma longa batalha em sua recuperação. Voltou até antes do esperado, no início da temporada 2016/17, mas acabou sofrendo outra séria contusão no joelho direito. Resultado: mais um ano de molho, com aparições esporádicas no elenco principal a partir de outubro, enquanto ganhava ritmo no time sub-23 dos Reds.

Diante da exigência do fim da temporada, Klopp passou a escalar Ings um pouco mais nas semanas recentes. E o grito de gol ficou preso na garganta algumas vezes, sobretudo na Champions, em cabeçada magistralmente defendida por Iker Casillas no decidido confronto com o . Já neste sábado, o camisa 28 entrou como titular no time misto escalado pelo treinador. Colheu seu prêmio logo aos quatro minutos. A partir de uma jogadaça de Sadio Mané na ponta esquerda, Georginio Wijnaldum aparou e o centroavante encheu o pé na pequena área. O alívio pelo fim da espera.

Não seria, entretanto, uma exibição tão inspirada assim do Liverpool. Os Reds atuavam em ritmo lento e viam o West Brom chegar com perigo algumas vezes. O próprio Danny Ings poderia ter ampliado ao final do primeiro tempo, livre na área, mas batendo em cima de Ben Foster. Ainda assim, o jogo parecia morto aos 27 da etapa complementar, quando Mohamed Salah anotou o dele. O ataque se movimentou para criar espaços e Oxlade-Chamberlain enfiou a bola ao artilheiro, dando um sutil toque na saída de Ben Foster. O egípcio chegou a 31 tentos na Premier League, igualando o recorde da competição desde que passou a ser disputada por 20 equipes – compartilhado entre Alan Shearer, Cristiano e Luis Suárez.

O que poucos esperariam era o poder de reação do moribundo West Bromwich, à beira do . E aconteceu a partir dos 34 minutos. Aproveitando um rebote do goleiro Loris Karius, Jake Livermore alimentou as esperanças dos Baggies. Com isso, o time da casa cresceu, até arrancar o empate aos 43. Bola alçada na área por Chris Brunt, mandando na cabeça de José Salomón Rondón, que desviou. Para um time que pouco fez durante a maior parte da Premier League, o WBA tem surpreendido pela maneira como conseguiu peitar os gigantes nas últimas semanas. Uma reação que, de qualquer maneira, vem tarde demais.

O resultado não tira o West Brom da lanterna, com 25 pontos. Inclusive, o rebaixamento pode ser decretado ainda neste final de semana, a depender dos jogos que acontecem no domingo. Já o Liverpool chega aos 71 pontos. São oito de vantagem em relação ao , dando tranquilidade na zona de classificação à Liga dos Campeões. Em terceiro, os Reds também estão três pontos à frente do quarto colocado Tottenham.