Premier League

Guia da Premier League 2022/23 – Manchester City: Agora com um centroavante

Um dos melhores times do mundo contratou um dos melhores centroavantes do mundo - mas um período de adaptação será necessário

Este texto faz parte do Guia da Premier League 2022/23. Clique e leia sobre todos os times.

Cidade: Manchester
Estádio: Etihad Stadium (55.017 pessoas)

Temporada passada – campeão

Trivia: Nuno Espírito Santo ganhou do Manchester City pelo Tottenham antes de ser demitido? Acredite se quiser, a resposta é sim. Logo na primeira rodada do Campeonato Inglês. Os meses anteriores foram tomados pela negociação com os Spurs para contratar Harry Kane. Daniel Levy não cedeu. Colocou o preço lá em cima e no fim das contas o campeão inglês não quis pagar. Contentou-se com Jack Grealish e deixou a chegada de um novo centroavante para o mercado seguinte.

E teve um breve momento em que dava para pensar: será que fará falta? O Manchester City empatou com o Southampton e perdeu do Crystal Palace nas primeiras dez rodadas, além de um incrível 2 a 2 com o Liverpool. Mas depois chegou aquele momento, tão comum com Pep Guardiola, em que o City simplesmente passa o rolo compressor em cima de todo mundo. Doze vitórias consecutivas, e parecia que o bicampeonato viria com tranquilidade.

Não veio com tranquilidade, mais por causa de um adversário formidável do que por deméritos próprios. Curiosamente, perdeu pontos para os mesmos adversários novamente: empatou com Southampton e Crystal Palace, perdeu um jogo maluco para o Tottenham. Mas foram os únicos tropeços, com exceção do empate no confronto direto do Etihad Stadium, até a penúltima rodada, quando o 2 a 2 com o West Ham levou a definição do título ao último fim de semana

Para um clube que está em um momento especial da sua história, e que segundo o próprio Pep Guardiola está construindo tradição, a maneira como conseguiu virar contra o Aston Villa, após estar perdendo por 2 a 0, foi muito marcante. Ao contrário da temporada anterior, quando precisou se reinventar no meio do caminho, o City teve uma campanha mais homogênea e confirmou, novamente, que é o melhor time da Inglaterra.

A semifinal da Champions League foi frustrante? Bom… não precisamos falar sobre a semifinal da Champions League.

O mercado

Kalvin Phillips é anunciado pelo Manchester City (divulgação)

Principais chegadas: Erling Haaland (Borussia Dortmund), Kalvin Phillips (Leeds), Julián Álvarez (River Plate), Stefan Ortega (Arminia Bielefeld)

Principais saídas: Raheem Sterling (Chelsea), Gabriel Jesus (Arsenal), Oleksandr Zinchenko (Arsenal), Fernandinho (Athletico Paranaense)

Dois atacantes foram embora, dois chegaram, mas o Manchester City ainda está com um a menos no balanço geral porque não repôs Ferran Torres, negociado com o Barcelona em janeiro. Não parece preocupar Guardiola, cuja prioridade do momento é um lateral esquerdo. Deve perder Marc Cucurella para o Chelsea e buscará alternativas. O mercado trouxe o grande centroavante que, dizem, este time estava precisando. Rápido nas arrancadas e capaz de também trabalhar as jogadas, Erling Haaland dará ao City uma presença de área que lhe falta desde o começo da decadência de Sergio Agüero. Uma maior ainda, aliás, porque Haaland tem características diferentes.

A Supercopa da Inglaterra mostrou que uma pequena adaptação ainda está em andamento, mas com o técnico que melhor encontra soluções no mundo, não deve demorar para Haaland começar a empilhar gols. Com a saída de Jesus, Guardiola perdeu um atacante muito versátil, que executava uma série de funções táticas importantes. Para o seu lugar chegou Álvarez, do River Plate, que pelo menos por enquanto deve ficar no elenco para ser uma opção no banco de reservas. Também tem características diferentes.

Outra reposição direta aconteceu no meio-campo. Fernandinho, extremamente vencedor, capitão, saiu ao fim do seu contrato e acertou o retorno ao Athletico Paranaense. O City foi buscar um dos melhores volantes da Inglaterra para brigar por posição com Rodri – ou até formar o famoso duplo pivote. Apelidado de Pirlo de Yorkshire na sua época de Leeds, Kalvin Phillips tem o estilo e as qualidades que Guardiola gosta em seus primeiros volantes, com ótimo senso de posicionamento e passe apurado.

O City parece curiosamente disposto a vender jogadores diante da proposta certa. Nathan Aké e Bernardo Silva são alguns dos especulados. Se saírem, novas reposições podem chegar, mas a prioridade do momento parece ser um novo lateral esquerdo. Benjamin Mendy foi afastado enquanto responde a múltiplas acusações de estupro e Zinchenko também saiu para o Arsenal. Não dá para fazer a temporada com apenas dois laterais de ofício.

O elenco

Parece um pouco mais enxuto, o que não é bom sinal, considerando que por padrão os elencos de Guardiola já não são muito grandes. Mas ficou mais qualificado, com a chegada de um dos melhores centroavantes jovens (e de todas as idades) do mundo e Phillips para o lugar de Fernandinho – que por melhor que fosse, estava em idade avançada.

Houve uma substituição no departamento de goleiros. Zack Steffen foi emprestado ao Middlesbrough, e Stefan Ortega, 29 anos, chegou do Arminia Bielefeld para ficar ao lado do veterano Scott Carson e do titular Ederson. A zaga é praticamente a mesma: Rúben Dias é o principal especialista e foi acompanhado por Aymeric Laporte na maioria dos jogos da última temporada. John Stones perdeu espaço, e Aké nunca conseguiu deixar de ser a quarta opção.

Rodri se firmou como o sucessor de Fernandinho e está cada vez mais confortável em uma posição vital ao estilo de Guardiola, mas terá forte concorrência de Phillips. Kevin de Bruyne continua sendo o coração do time, com sua excepcional visão de jogo e qualidade de finalização. Teve uma temporada especialmente artilheira, com 19 gols marcados por todas as competições. Agora que Haaland chegou, talvez Bernardo Silva possa se concentrar apenas em ser meio-campista, em vez de quebrar galho como falso 9. Por outro lado, isso pode ser uma má notícia para Phil Foden.

O garoto inglês também foi muitas vezes utilizado no centro do ataque. Se perder esse espaço, terá que brigar no meio-campo, que ainda conta com Gündogan, o herói contra o Aston Villa, ou pelos flancos, onde concorre com Riyad Mahrez e Jack Grealish. A saída de Sterling deixou o City com poucos pontas. Se quisermos ser rígidos, apenas Mahrez. Mas Grealish, Foden e Silva, além de Álvarez, também podem ser usados por ali. Todo mundo municiando aquele norueguês altão lá que veio da Alemanha.

O técnico

Guardiola, técnico do Manchester City (Foto: Charlotte Tattersall/Getty Images/One Football)

O melhor do mundo, com uma fórmula quase infalível para conquistar ligas nacionais, com um estilo de futebol maravilhoso, mas a questão é: por quanto tempo? Guardiola está entrando no último ano do seu contrato e, a menos que isso se resolva logo, será uma dúvida que pairará sobre o Etihad Stadium durante toda a temporada. A cúpula de futebol do City disse que quer que Guardiola fique para sempre. Guardiola disse que está extremamente confortável no norte da Inglaterra e não se vê em outro lugar no momento. Mas, enquanto não houver caneta no papel, vai saber.

O futuro

O Manchester City tem um hábito: contrata jovens sul-americanos e os empresta. Inclusive fez isso com Julian Álvarez quando fechou sua compra em janeiro. Deixou que ficasse mais uns meses no River Plate, e havia a expectativa de que o direcionasse a algum clube europeu para ganhar mais experiência. Ao que tudo indica, Álvarez ficará no elenco para ser uma opção a mais em um setor ofensivo que está um pouco pequeno demais. Não é uma má ideia porque ele ainda tem 22 anos e uma experiência vasta pelo River Plate. Com a criação que o City é capaz, pode fazer muitos gols, mesmo que seja prioritariamente reserva de Haaland.

Expectativa para a temporada

Sir Alex Ferguson, entre 2006 e 2009, comandou o último time que conseguiu ganhar três vezes seguidas a Premier League. Guardiola bateu na trave em 2019/20, superado pela arrancada fenomenal do Liverpool e alguns problemas em seu próprio time. Conseguiu se reagrupar e modificar levemente as suas ideias para recuperar a coroa e resistiu a uma nova briga cabeça a cabeça com os Reds. A expectativa é ser campeão novamente e se transformar no quarto clube – United, Liverpool, Arsenal e Huddersfield – a conquistar o tricampeonato da liga inglesa. E se der para finalmente ganhar a bendita Champions League, melhor ainda.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo