Premier League

Guardiola se diz surpreso e impressionado com o Manchester City, 10 pontos à frente dos rivais

O Manchester City é o time da temporada na Inglaterra e só mesmo um milagre tira o título da equipe de Pep Guardiola na Premier League. A vitória sobre o Arsenal estabeleceu um novo recorde para a equipe, que chegou a 18 vitórias, contando todas as competições. São 13 só no Campeonato Inglês. O técnico da equipe ainda mantém os pés no chão, lembra a quantidade de pontos ainda a serem disputados, mas admite que é uma boa vantagem.

“Nós podemos ser vencidos. Hoje, se tivermos um jogo. Em todos os jogos que jogamos, todos os jogos, eu acho que podemos ser vencidos se não fizermos o que temos que fazer. Jogar todos os jogos, apenas para conquistar mais um bom desempenho e mais três pontos e vitórias, isso nos ajuda a ganhar confiança e acreditar que podemos fazer isso de novo e de novo”, analisou o técnico, logo depois da vitória sobre o Arsenal.

“Não me sinto satisfeito, nem completamente realizado. Nem para dizer ser o suficiente. Eu ainda sinto que nós temos margem para melhorar. E fazer isso de novo. Isso é a coisa mais difícil”, continuou Guardiola.

“Eu não irei negar que é uma boa sequência, uma boa distância, mas eu não posso negar também que mais alto, maior e mais forte que há 42 pontos em disputa e quando há 42 pontos a serem jogados, com 10 pontos à frente, não é muito”, analisou. “Dez pontos é muito, mas com 42 a serem disputados, não é. Você perde dois jogos, você pode ser alcançado, então temos que ter calma e pensar no próximo jogo. Isso é o melhor”.

“O recorde será quebrado um dia, nós iremos perder jogos”, afirmou o técnico. “Eu estou surpreso e impressionado quando todo mundo está sofrendo neste mundo, o que está acontecendo hoje, todo mundo perdendo pontos, e nós fomos consistentes nos últimos dois meses”.

“Não podemos esquecer que ganhamos em Anfield, contra o Tottenham, no Goodison Park e aqui [Emirates Stadium]: jogos incrivelmente duros nesse período. É por isso que eu estou mais do que satisfeito por vencer apenas por 1 a 0. As pessoas falam e falam sobre os recordes, mas para fazer isso, é preciso vencer esse tipo de jogos muitas, muitas, muitas vezes”, afirmou ainda Guardiola.

O City volta a campo nesta quarta-feira pela Champions League, contra o Borussia Mónchengladbach. O jogo será disputado em Budapeste, na Hungria, por restrições em relação à COVID-19 na Alemanha. No sábado, o time volta a campo contra o West Ham, que faz ótima campanha na Premier League.

O time de Guardiola já emplacou 13 vitórias seguidas no Campeonato Inglês. O calendário apertado faz com que o técnico precise rodar o elenco e utilizar mais jogadores para manter o time sempre em boas condições físicas.

“Nós temos que rodar o time e nós iremos fazer isso de novo e de novo. Nós não temos tempo para nada: apenas se recuperar e nos preparar, mentalmente, o mais forte como time quanto for possível”, analisou Guardiola.

Um dos mais elogiados pelo técnico foi o brasileiro Fernandinho. Aos 35 anos, ele é o capitão do Manchester City, mas vinha ficando mais no banco de reservas. Foi a primeira vez que ele foi titular nos últimos seis jogos e, desta vez, como volante, e não como zagueiro, como aconteceu muitas vezes na temporada passada. “Que jogo, que jogo”, disse Guardiola sobre o desempenho em campo de Fernandinho. “Ele é uma pessoa incrível, capitão e um jogador incrível”.

Um dos jogadores que mais chama a atenção nesta temporada do City é Ilkay Gündogan, que é, surpreendentemente, o artilheiro do time na Premier League. São 11 gols em seus últimos 12 jogos, algo que o próprio Guardiola admite que é uma surpresa.

“Sim, um pouco, é verdade [que é uma surpresa]. Nós conhecemos a qualidade de Gündogan, nós sabemos. Ele pode marcar gols para nós, mas é uma surpresa, uma surpresa bem-vinda. Isso aconteceu porque ele está jogando mais perto da área e ele tem um incrível senso para marcar um gol”, analisou Guardiola.

Standings provided by SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo