Premier League

Entregando o melhor jogo possível, Manchester City e Liverpool empatam e Premier League segue em aberto

Intensidade foi a tônica dos dois times em campo, com muitos lances de perigo nos 90 minutos

A partir do primeiro segundo de bola rolando no Etihad Stadium, já se sabia que Manchester City e Liverpool iriam entregar entretenimento de qualidade pela Premier League. Neste domingo (10), os líderes da competição se enfrentaram e empataram em 2 a 2, mas o placar poderia ter sido bem mais movimentado em um grande espetáculo do esporte.

Não é só porque os dois times representam um modelo de futebol de encher os olhos, mas também pelo que está em jogo nesse duelo. O City, que liderou grande parte da temporada com folgas, perdeu a gordura que tinha em relação aos Reds, e isso ajudou a tornar a reta final da liga em algo bastante emocionante, ponto a ponto. É justamente essa a diferença entre eles: um mísero ponto separa os postulantes ao título e quando temos um duelo direto entre eles, as coisas ficam mais apimentadas.

 

A porrada que vale

Fazendo valer o mando de campo, o time de Pep Guardiola amassou na primeira etapa e fez boa partida na metade inicial, explorando bastante os espaços deixados pela defesa rival e com agressividade para infiltrar na área em passes nas costas da defesa. Nesse ponto, a velocidade dos atacantes do City de fato trouxe problemas para a dupla Virgil van Dijk e Joel Matip.

O primeiro golpe veio dos pés de Kevin De Bruyne, um cara que entende o seu papel no time, como capitão e liderança técnica. Aos cinco minutos, recebeu passe de Bernardo Silva e chutou. A bola, que saiu mascada, bateu em Matip e traiu Alisson, que caiu para fazer a defesa mas não pôde impedir o pior. A ricocheteada na trave tornou o lance ainda mais especial. Mesmo quando tudo joga contra, De Bruyne marca.

Como o jogo era entre cachorros grandes, o Liverpool não se assustou com o gol e respondeu à altura. Subiu as linhas, sufocou a saída dos Citizens e tentou forçar um erro para empatar. E conseguiu, aos 13′: na bola infalível de Trent Alexander-Arnold, Diogo Jota deixou tudo igual, e a festa estava só começando. Pelo que produziam, City e Liverpool poderiam facilmente empatar em 5 a 5 ou 6 a 6.

O contexto do jogo era bastante parelho, mas o City estava conseguindo ser superior, ficando mais com a bola e colocando o Liverpool em apuros para se defender das investidas de Raheem Sterling e Riyad Mahrez. Ao todo, dos sete chutes dados pelo City na primeira etapa, quatro foram na meta de Alisson, que precisou trabalhar bastante. E evitou que o sangramento fosse maior até o intervalo.

O que o goleiro não conseguiu evitar foi a rapidez de raciocínio de Gabriel Jesus. Em uma bola longa que pingou na área, Alisson hesitou na saída e quando tomou posição, viu Jesus dar um toque por cobertura para colocar os donos da casa em vantagem, um golaço que ajuda a restaurar a confiança de Gabriel na temporada.

O clima extasiante e elétrico no Etihad Stadium fez com que a torcida ficasse um pouco aliviada quando o apito anunciou o fim da primeira etapa. A conversa teria de ser bastante séria nos vestiários do Liverpool, já que o adversário estava dominando e merecia inclusive ampliar o marcador. Jürgen Klopp mexeu em algumas peças, mudou a estratégia e a resposta veio pouco após a retomada do jogo. Sadio Mané, o aniversariante do dia, completou um passe formidável de Mohamed Salah na diagonal para deixar tudo igual, no primeiro lance da etapa final.

Embora não tivéssemos mais um gol, não faltaram emoções: no tento anulado de Sterling por impedimento, nas defesas de Alisson, na bola bloqueada por van Dijk dentro da área e nas defesas de Ederson para evitar a virada dos Reds.

Todos os ingredientes de um clássico memorável estiveram presentes no Etihad e, no fim das contas, todo mundo saiu satisfeito de campo. O reconhecimento no olhar de Klopp para Guardiola e o abraço deles ao fim da partida mostra como o espetáculo foi priorizado em uma partida tão aguda para as pretensões dos clubes na temporada.

O título, restando sete rodadas para o final, não está nas mãos de ninguém. Um só jogo pode mudar completamente o roteiro de uma Premier League que parecia fadada a permanecer na sala do City. Com determinação e reação rápida, o Liverpool se recolocou na disputa e ainda terá outro confronto decisivo com os Citizens: no próximo sábado, valendo vaga na final da Copa da Inglaterra. Por ora, não há favorito nesse tiroteio de dois times que primam pela ofensividade e capricham no número de gols marcados. Esperemos para saber quem levará a melhor no tira-teima desse novo clássico (até agora, dois empates em 2 a 2) que determina quem manda no futebol inglês.

Mostrar mais

Felipe Portes

Felipe Portes é zagueiro ocasional, cruyffista irremediável e desenhista em Instagram.com/draw.portes

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo