Premier League

De Gea falha, Manchester United só empata com Chelsea e Champions fica distante de Old Trafford

O Manchester United teve uma atuação melhor do que nas últimas rodadas, mas não foi suficiente para vencer. O time ficou no empate por 1 a 1 com o Chelsea no Old Trafford e viu as esperanças de ir à próxima Champions League ficarem muito pequenas. Apesar de um jogo pouco inspirado, o Chelsea sai de campo com um ponto precioso que o deixa muito mais perto de terminar entre os quatro primeiros colocados.

[foo_related_posts]

Depois de dois jogos muito ruins, com derrota por 4 a 0 diante do Everton fora de casa e de 2 a 0 em casa para o Manchester City, o United ao menos mostrou algum futebol. O técnico Ole Gunnar Solskjaer fez algumas alterações no time. Levou ao time titular Ander Herrera, Lukaku voltou a ser titular e a principal novidade foi Juan Mata. O meia espanhol ficou próximo dos atacantes, Lukaku e Marcus Rashford.

Desta vez, o time começou o jogo em cima do Chelsea, tentando pressionar. E conseguiu um gol logo no início de jogo, premiando o bom início. Luke Shaw trabalhou com Pogba, a bola passou por Lukaku, que de camisa 9 deu uma de 10, colocou para o lateral ir à linha de fundo e cruzar para trás. Juan Mata completou no meio da área para marcar o gol, 1 a 0.

O Chelsea arrancou o empate mesmo sem jogar grande coisa. Aos 43 minutos, com o time no ataque, o zagueiro Antonio Rüdiger chutou forte de longe, o goleiro David De Gea foi mão de pau e espalmou para frente. A bola sobrou para Marcos Alonso, que aproveitou para marcar e empatar o jogo, 1 a 1.

O empate pareceu pouco merecido para um time que jogou mais do que o outro no primeiro tempo. Só que o United, efetivamente, criava muito pouco. Não faltou vontade ao time para chegar ao ataque, mas falta calma e um pouco de inteligência. Romelu Lukaku, por exemplo, ficou várias vezes impedido, matando ataques que poderiam ser perigosos.

Voluntarioso em campo, o United parecia ter poucas alternativas de jogo. E nisso, o técnico Solskjaer deixa a desejar. Suas mudanças normalmente não causam impacto relevante no time. Primeiro, tirou Rashford, que não fazia grande partida, embora esforçado como sempre, e colocou Alexis Sánchez. O chileno fez pouco em campo, seja em movimentação, seja em melhorar a criatividade. Depois, entrou Marcos Rojo no lugar de Eric Bailly, aí por uma questão física. Por fim, tirou Juan Mata e colocou Scott McTominay.

Já nos acréscimos, McTominay arranjou um escanteio em uma jogada perdida. Na cobrança, Maroc Rojo subiu de cabeça, tocou e Pedro, em cima da linha salvou o que era um gol certo. Nos minutos finais dos acréscimos, foi o Chelsea que teve a bola, criou chances e ficou muito perto de virar o jogo, especialmente em um lance que Gonzalo Higuaín recebeu em condições, finalizou, mas De Gea defendeu. A finalização também não foi muito precisa.

O futebol apresentado pelo Chelsea ficou muito aquém do que se espera do time. O resultado foi melhor do que o desempenho. Jogadores como Higuaín foram muito mal em campo. Jorginho fez a sua função, mas foi pouco efetivo para construir o jogo ou dominar a posse de bola – tanto que foi o United que teve mais a bola. Eden Hazard teve uma jornada pouco inspirada, mas ainda assim foi importante para segurar a bola. Destaque para Ruben Loftus-Cheek, que entrou e ajudou o time a segurar melhor a bola, mais do que Mateo Kovacic fazia.

No Manchester United, o problema é profundo. O time sobra em vontade de jogar, falta em ideias. O time muda jogo a jogo de esquema tático, buscando uma forma que seja mais eficiente. Os jogadores deixam a desejar também, com atuações muito abaixo da média. Poucos jogadores conseguem se destacar dentro desse contexto.

Até mesmo De Gea vai muito mal no momento e a sua falha acabou tendo um peso muito grande na partida. Solskjaer troca os jogadores no ataque em busca de alguma opção melhor, mas por enquanto o time sofre com todos os escolhidos. Lukaku, que tinha melhorado sob o comando do técnico, errou demais. Pogba participa muito do jogo, mas não consegue fazer a diferença que se espera que ele faça. Além disso, as funções de criação ficam comprometidas.

Será preciso fazer uma enorme reformulação no elenco do Manchester United para a próxima temporada se o time pretende iniciar como um favorito ao título. Há muitos jogadores que parecem ter chegado ao fim dos seus ciclos no clube. Solskjaer precisará de orçamento para comprar, além de muitos jogadores para vender.

Em termos de classificação, o Chelsea fica com 68 pontos, em quarto lugar. O Tottenham, terceiro, tem 70 pontos. O Arsenal, quinto, tem 66 pontos. O Manchester United fica com 65. Restam seis pontos em disputa. A classificação à Champions parece improvável para os Red Devils.

Nas duas últimas rodadas, o United ao menos tem jogos teoricamente muito mais fáceis: Huddersfield, já rebaixado, fora de casa, e fecha a participação contra o Cardiff, possivelmente já rebaixado também, na última rodada. O Chelsea tem o Watford pela frente na próxima rodada, antes de fechar a sua participação contra o Leicester, fora de casa.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo