Premier League

Chelsea destrói a forte defesa do Crystal Palace em segundo tempo avassalador

O Crystal Palace de Roy Hodgson é conhecido por ser um time carne de pescoço, que complica muito a vida dos adversários com uma defesa forte e uma marcação voraz. Foi assim contra o Chelsea em Stamford Bridge, mas só no primeiro tempo. Depois de se defender bem na primeira etapa, os visitantes sofreram e foram demolidos por um ótimo ataque do time de Frank Lampard. A goleada por 4 a 0 veio até com certa facilidade depois que o primeiro gol abriu a defesa dos adversários.

[foo_related_posts]

Lampard armou o Chelsea em um 4-2-3-1, com N’Golo Kanté e Jorginho como volantes e uma linha de meias com Callum Hudson-Odoi Kai Havertz e Timo Werner e Tammy Abraham no ataque. Werner, inicialmente usado como centroavante pelo técnico do Chelsea, agora atua como um ponta pela sua versatilidade.

O destaque mesmo ficou na defesa. Foi dali que saíram os gols que destravaram o jogo. Ben Chilwell, titular da lateral esquerda no lugar do questionado Marcos Alonso – que entrou em conflito com o técnico no jogo passado ao ser substituído e se recusar a ficar no banco com os companheiros. Contratado junto ao Leicester, Chilwell mostrou boas qualidades, ofensivamente muito participativo, a ponto de marcar o primeiro gol do jogo, aos cinco minutos do segundo tempo, aproveitando uma bola que sobrou dentro da área.

O segundo gol não demorou a sair. Aos 21 minutos, cobrança de escanteio de Chilwell para Kurt Zouma, dentro da área, cabecear para marcar 2 a 0. Zouma fez um jogo muito seguro na sua primeira partida ao lado de Thiago Silva na zaga. Os dois não tiveram problemas para conter o ataque do Palace, que normalmente não é lá muito produtivo, mas desta vez nem nos perigosos contra-ataques conseguiu assustar.

O terceiro gol veio aos 33 minutos. Tammy Abraham foi derrubado dentro da área por Tyrick Mitchell e o árbitro não teve dúvidas de marcar. Jorginho, cobrador oficial do time, teve tranquilidade para marcar 3 a 0.

O árbitro Michael Oliver seria chamado a mais uma decisão como essa aos 37 minutos. Kai Havertz recebeu na entrada da área, fintou Mamadou Sakho, que o derrubou. Abraham queria cobrar, mas Jorginho pegou a bola e coube ao capitão do time, César Azpilicueta, acalmar o atacante e convencê-lo que o batedor é Jorginho. O brasileiro, de nacionalidade italiana, cobrou mais uma vez bem e marcou 4 a 0.

Vale destacar também mais uma atuação segura do goleiro Edouard Mendy. O francês é reforço desta temporada e parece ter rapidamente ganhado a preferência de Lampard, depois de constantes falhas de Kkepa Arrizagalaga, que ficou no banco. Outro que merece a menção é Christian Pulisic. O americano voltou a jogar, depois de algum tempo se recuperando de lesão. Agora, o americano veste a camisa 10, não mais a 22 da temporada passada, já que o antigo dono, Willian, deixou o clube. É também o número que ele veste na seleção americana.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo