Premier League

Arsenal lava a alma com goleada sobre o Fulham, mas defesa ainda preocupa

O Arsenal entrou em campo para enfrentar o Fulham depois de uma sequência em que ganhou apenas uma partida da Premier League em quatro rodadas. Pior do que isso, o último encontro havia sido a pesada derrota contra o Liverpool, por 5 a 1, na partida derradeira do ano passado. Para lavar a alma, nada como golear a pior defesa da elite inglesa, embora o placar de 4 a 1 indique um jogo mais tranquilo do que foi.

Desde que levou 4 a 1 do Manchester United, a defesa do Fulham, que sofreu 47 gols em 21 partidas da Premier League, melhorou marginalmente. Havia sido vazada quatro vezes nas quatro partidas anteriores ao confronto contra o Arsenal. Mas mostrou novamente a sua fragilidade no Emirates, embora o Fulham tenha conseguido complicar a vida dos donos da casa, apesar do amplo placar.

Isso porque Ryan Sessegnon, jovem estrela do Fulham, teve duas claríssimas oportunidades de abrir o placar no primeiro tempo. Saiu cara a cara com Leno, e seu chute colocado passou a centímetros da trave. Em seguida, tinha tudo para completar o cruzamento de Schürrle, mas errou o tempo da bola e não conseguiu fazer contato com ela. Logo na sequência, Xhaka fez 1 a 0 para o Arsenal.

No começo do segundo tempo, uma bonita jogada coletiva terminou com o gol de Alexandre Lacazette. A vitória parecia encaminhada para o Arsenal quando Aboubakar Kamara, o homem que despertou os instintos homicidas de Claudio Ranieri ao exigir cobrar um pênalti contra o Huddersfield no lugar de Mitrovic, e errá-lo, completou o cruzamento de Sessegnon para descontar.

O Fulham passou a ameaçar o empate contra o Arsenal, até Ramsey pegar o rebote de um chute na trave e fazer 3 a 1. Aubameyang, com a ajuda de um desvio na defesa, fechou o placar. A preocupação foi, mais uma vez, a defesa. O Fulham teve muitas chances de marcar e conseguiu um gol, o 31º sofrido pelo time de Unai Emery na Premier League. É a oitava pior defesa do campeonato.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo