Premier League

Antony ia salvando o Manchester United, mas pênalti de Onana dá empate ao vice-lanterna

Manchester United fica no 1 a 1 com Burnley, o vice-lanterna, em dia de gols perdidos

A torcida do Manchester United no Old Trafford neste sábado (27) viu outra atuação espetacular de Bruno Fernandes, mas também um ataque em péssima fase, desperdiçando tudo que o capitão criou. Foram oito passes decisivos e três grandes chances cridas em 90 minutos pelo meia português na 35ª rodada da Premier League. O time da casa só foi marcar porque Sander Berge vacilou ao recuar no meio-campo, o brasileiro Antony antecipou e invadiu a área para cravar em chute rasteiro aos 34 do segundo tempo. Parecia o caminho da vitória, mas, no fim, Casemiro recuou mal de cabeça e André Onana, ao tentar dar um soco na bola, acertou Zeki Amdouni, que converteu o pênalti que sacramentou o 1 a 1.

Foi um jogo muito agitado, com muitas chances para os dois lados. No total, foram 43 finalizações, sendo 27 só do United, que, segundo o SofaScore, perdeu quatro grandes chances, além de uma bola na trave justamente de Fernandes.

Os Clarets, penúltimos na tabela, não fizeram uma partida ruim e poderiam muito bem ter saído com a vitória. Apesar do pênalti, Onana salvou os Diabos em diferentes oportunidades.

No fim, é um empate ruim para ambos. Em sexto, o Manchester está com 54 pontos, seis a menos que o Tottenham, que ainda tem duas partidas a fazer em comparação ao rival. Já o Burnley, que se vencesse poderia ter empurrado o Luton Town para vice-lanterna, continuou na mesma posição.

United começa com tudo, depois é a vez do Burnley

É possível dividir o primeiro tempo em duas partes bem definidas que contam como foram esses 45 minutos iniciais. Nos primeiros 25, só o United jogou. Criou chance atrás de chance, especialmente pelos pés do craque Bruno Fernandes, e falhou demais no momento final de conclusão. Por isso, mesmo sofrendo 12 chutes contra seu gol, o goleiro Arijanet Murić só fez uma grande defesa em uma batida colocada de Antony após escanteio curto.

De resto, as finalizações foram sem direção, como de Alejandro Garnacho, logo no primeiro minuto, quando recebeu cruzamento na medida de Fernandes e pegou em baixo da bola, mandando por cima do gol. Bruno também teve sua chance no momento de pivô de Rasmus Hojlund, mas o meia português mandou uma bomba na trave. Quase todo mundo do ataque vermelho finalizou. Além dos citados, Christian Eriksen, Kobbie Mainoo e até Casemiro, hoje de zagueiro, tentaram. Talvez a oportunidade mais clara sobrou para Antony, que na cara do gol chutou torto na saída de Murić – novamente, colocado lá por Bruno Fernandes.

Bruno Fernandes fez um primeiro tempo mágico (Foto: Icon Sport)

Era um Manchester absoluto, criando muito e se defendendo de forma perfeita a evitar os contra-ataques adversários. Eis que aos 26 minutos tudo mudou e o cenário da partida pendeu ao lado visitante. Nesse momento, Wilson Odobert começou os trabalhos ao chutar colocado de longe e André Onana espalmar para fora. O goleiro camaronês também brilharia ao se esticar e tirar com um tapa uma forte cabeçada de Lyle Foster, quase na pequena área, após chute de Josh Cullen.

O mesmo Lyle ficou na cara do gol no fim, mas teve o ângulo fechado e finalizou em cima de Onana. Foi um amasso do Burnley, como tinha feito o United no início, mas o placar não mudou no primeiro tempo.

2º tempo é caótico e termina empatado

Como o primeiro tempo, o segundo foi lotado de emoção. O United começou bem melhor, novamente tendo chances na cara de Murić. Ambas estiveram nos pés de Antony, que desperdiçou as duas com menos de seis minutos no relógio. Na primeira, apenas recuou para o goleiro após jogadaça de Garnacho, enquanto na segunda Fernandes o colocou lá com um lançamento (que novidade), e o arqueiro fez uma defesaça.

O Burnley equilibrou e não foi apenas empurrado pelo rival. No entanto, não criou tanto como na etapa inicial. Tanto que só foi exigir de Onana quando o placar já estava 1 a 1. Já nos acréscimos, Odobert invadiu a área e bateu cruzado para boa intervenção do camaronês.

O final foi um tanto caótico, com os dois lados cedendo muito espaço. De toda forma, o placar ficou igualado.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de eSports no The Clutch. Além disso, atuou como assessor de imprensa no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo