Premier League

A redenção de Alexander-Arnold: com belo gol, arrancou a virada sobre o Aston Villa

O jovem lateral direito falhou contra o Real Madrid e vinha em uma temporada muito fraca

Nem precisamos considerar a temporada inteira, na qual a queda de rendimento de Trent Alexander-Arnold tem sido um dos motivos para os problemas do Liverpool, mas apenas esta semana o jovem lateral direito inglês foi do inferno ao céu. Após cometer um erro crasso na derrota para o Real Madrid na Champions League, marcou o gol de uma vitória essencial às pretensões dos Reds, por 2 a 1, neste sábado, contra o Aston Villa.

A oscilação de Arnold, ainda com 22 anos, tem que ser inserida dentro do contexto da sua juventude e de outros problemas do Liverpool, mas as falhas defensivas, sempre presentes, tem sido mais custosas porque todo o sistema de jogo do atual campeão inglês ainda está empacado. Ele não vinha conseguido compensá-las com a ótima chegada ao campo de ataque, que o tornou um dos jogadores da Premier League que mais colecionam assistências, mas neste sábado foi o herói do jogo que encerrou a péssima sequência do Liverpool em Anfield.

Eram seis derrotas seguidas em casa pela Premier League, após 64 jogos de invencibilidade, e sete partidas sem conseguir fazer um gol com bola rolando – o único era de Salah, cobrando pênalti, contra o Manchester City. A vitória não apenas tira essa zica, como também leva o Liverpool a 52 pontos, momentaneamente em quarto lugar. Pode ser ultrapassado ainda neste sábado pelo Chelsea, que enfrentará o Crystal Palace. No domingo, Tottenham e West Ham também terão a chance de passar à frente.

Ainda assim, o Liverpool vai pouco a pouco recuperando seus resultados no Campeonato Inglês e indicando que pode conseguir vaga na Champions League se mantiver uma reta final com alto aproveitamento. É a primeira vez desde setembro que emenda três vitórias consecutivas pela liga inglesa e teve uma atuação boa – pelo menos para os padrões desta temporada.

Houve volume de jogo ofensivo desde o primeiro tempo. Salah exigiu defesa de Emiliano Martínez aos cinco minutos e teve uma chance de ouro de abrir o placar, aos 13. Tyrone Mings errou ao tentar lidar com um passe de Jota, a bola sobrou para o egípcio, cara a cara com Martínez, que saiu correndo do seu gol. Em vez de tentar driblá-lo, Salah preferiu um toque de primeira com a parte de fora do pé esquerdo. Tirou demais e mandou para fora.

O Villa chegava pouco. Teve uma boa chance com Ezri Konsa, que cabeceou nas mãos de Alisson, mas ainda era o Liverpool quem dominava as ações. Arnold teve uma cobrança de falta perigosa, e Jota apareceu livre para cabecear uma cobrança de escanteio por cima do travessão.

Aos 43 minutos, porém, o Villa conseguiu chegar pelo meio da defesa do Liverpool. John McGinn acionou Ollie Watkins, que dominou e bateu de esquerda. Kabak não conseguiu bloquear, mas ainda era um chute relativamente fácil para um goleiro do calibre de Alisson. A bola, porém, passou por baixo do seu corpo.

Parecia que o prejuízo seria minimizado antes do intervalo quando Jota recolheu um lançamento na ponta esquerda e deixou com Salah. Robertson bateu cruzado na sequência da jogada, e Firmino teve tranquilidade para tocar no canto. No entanto, havia um impedimento milimétrico do português no começo da jogada.

Mas o empate não demorou muito mais para sair. Milner abriu com Firmino, que emendou de primeira para Robertson entrar na área e bater cruzado. Martínez fez uma boa defesa, mas Salah completou no rebote de cabeça. O Villa, que havia vencido o jogo do primeiro turno por 7 a 2, quase voltou à frente quando Trezeguet acertou a trave.

O Liverpool seguiu pressionando, mas marcaria apenas nos acréscimos. A jogada começou com Thiago, que abriu para Shaqiri e entrou na área para finalizar à queima-roupa. Martínez fez uma linda defesa. Arnold, sabe-se lá por que na esquerda, recolheu o rebote, abriu à perna direita e mandou um preciso chute no canto, um gol importante para o seu time e para ele próprio ganhar mais confiança para o restante da temporada.

.

.

.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo