InglaterraPremier League

Golaços e uma boa notícia no jogo final do Arsenal: Walcott ainda pode fazer a diferença

O Arsenal entrou para a última rodada da Premier League já classificado para a fase de grupos da próxima Champions League. Contanto que não fosse uma derrota ou um empate muito feio, qualquer coisa que viesse seria lucro. E o 4 a 1 sobre o West Bromwich, no Emirates, com os quatro gols marcados ainda no primeiro tempo, saiu melhor do que a encomenda. Não apenas pelo empurrão que dá para a decisão da Copa da Inglaterra, na semana que vem, contra o Aston Villa, mas também pela boa nova: Walcott ainda pode fazer a diferença.

VEJA TAMBÉM: Lampard encerrou sua história na Premier League com gol e homenagem

O jogo coletivo do Arsenal funcionou muito bem. O ataque foi bastante fluído, e isso se refletiu no placar. Ainda assim, é inevitável puxar o destaque para a individualidade de Walcott. O inglês marcou três dos quatro gols, um deles um golaço, e passou a impressão de que, após tantas lesões e uma temporada quase nula, ainda pode ser uma ótima opção para o ataque, talvez com o mesmo impacto que teve em parte de 2012/13. Naquela temporada, por alguns momentos, esteve entre os destaques do time e, ao fim da campanha, acumulou 14 gols e 12 assistências apenas na Premier League.

Com contrato apenas até o fim da temporada seguinte, Walcott terá 2015/16 como a chance de reforçar seu valor no clube e dar motivos para a renovação. Encerrar a participação do time no Campeonato Inglês com três gols e uma boa atuação como a de hoje foi ideal para que pelo menos os Gunners mais desconfiados lhe deem uma oportunidade final de convencê-los.

O primeiro gol do hat-trick de Walcott:

A pintura de Wilshere:

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo