InglaterraPremier League

Ferguson e Hodgson debatem: Seleções são privilegiadas?

Sir Alex Ferguson e Roy Hodgson se colocaram em posições distintas de um debate que parece não ter um fim tão próximo. O técnico da seleção inglesa criticou a postura dos clubes da Premier League ao liberarem seus jogadores às convocações e afirmou estar preocupado com o tema. E o comandante recebeu uma resposta pública de Ferguson, defendendo a extinção de algumas datas Fifa para melhor planejamento dos clubes.

“Veja pelo lado oposto. Jogos de seleções interferem nas ambições dos clubes. Durante a última década, eles disputaram amistosos antes do início da temporada. Qual o sentido disso? Não importa a maneira como você olha para a questão. Técnicos de clubes sempre discordam do futebol internacional. Não tenho problemas com jogos competitivos. Os atletas precisam estar disponíveis sempre para a Eurocopa e para a Copa do Mundo. Mas não diga que isso também precisa acontecer nos amistosos”, declarou o técnico do Manchester United.

Em sua afirmativa, Hodgson indicou que o planejamento dos clubes não tem que depender das seleções:  “O futebol precisa de jogos de clubes e de seleções. É uma grande pena que algumas pessoas tentem reduzir o futebol internacional porque os clubes têm partidas importantes. Algo que me incomoda é que as datas Fifa estão sendo vistas como a perda de uma pausa de 10 dias que os clubes poderiam ter. É bastante fácil se planejar em relação aos amistosos. Se os seus jogadores precisam de descanso, não é obrigatório que seja nas datas Fifa”.

Já Harry Redknapp, comandante do Queens Park Rangers, também defendeu o lado dos clubes, afirmando a necessidade de menos datas Fifa: “Eu não sei qual o motivo para Roy dizer isso. Amistosos, na maioria das vezes, não tem sentido. Ele foi técnico de clube e estou certo que, quando havia uma pausa de dois ou três dias, ele gostava. Roy deu sua opinião, mas a maioria dos clubes tem a chance de mudarem a situação”.

Apesar do poderio econômico dos clubes, é difícil imaginar que a Fifa ceda espaço – e uma maneira de lucrar – no calendário a esta queda de braço. Os amistosos, de fato, nem sempre têm tanta serventia e acabam desgastando os jogadores não apenas pelas partidas a mais, mas também pelas viagens e pelas adaptações a um novo fuso horário e um clima diferente, muitas vezes.

Uma maneira de dar um novo rumo à questão seria aglutinar um maior número de jogos nas datas Fifa. As seleções seriam beneficiadas com um maior tempo para treinos, os jogadores sofreriam menos com as viagens e os clubes teriam que lidar com uma frequência menor de intervalos no calendário. Resta saber qual parte começará a ceder para um diálogo mais amistoso e inteligente do tema.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo