InglaterraPremier League

Como o Leicester, torcedor com câncer desafiou probabilidades e luta também para se ver campeão

Enquanto o Leicester brigava contra o rebaixamento, em março do ano passado, a oito rodadas do fim da Premier League e ainda se encontrava na última colocação, o australiano Tony Skeffington, de 51 anos, recebia a notícia do médico de que teria apenas mais quatro semanas de vida. Assim como o time, o torcedor fanático dos Foxes começou ali a desafiar as probabilidades e, um ano depois, ainda vivo, sonha ver o título de seu clube do coração. Neste meio tempo, ainda conseguiu faturar um bom dinheiro graças à campanha surpreendente do time.

VEJA TAMBÉM: Do roupeiro ao monge, como os homens por trás do Leicester ajudam na campanha histórica

Em janeiro deste ano, Skeffington virou notícia quando parte da imprensa, sobretudo a local de Leicester, ficou sabendo da história do torcedor dos Foxes. Mesmo morando em Adelaide, na Austrália, era fanático pelo time e, com uma doença crônica, tinha o desejo de, antes de morrer, assistir a uma partida do clube no Estádio King Power. Infelizmente para Tony, sua saúde piorou, e os planos de viajar para Leicester tiveram que ser cancelados.

Apesar da frustração, o sonho de ver o time campeão segue intacto. Segundo Donna, esposa de Skeffington, a campanha do clube na temporada é o que tem mantido o torcedor vivo. Ele confirma os aspecto positivo da fase dos Foxes em sua saúde, ao menos mentalmente. “Ver o Leicester retornar da luta contra o rebaixamento na temporada passada e ver como eles estão indo bem nesta temporada está me ajudando a lutar contra isso. Quando me deram quatro semanas de vida no ano passado, eles (jogadores do Leicester) se reergueram, e eu me reergui. Ter algo positivo sobre o qual se concentrar faz você se sentir bem. Ainda estou confiante de que verei o final da temporada”, comentou Tony, em declarações publicadas pelo jornal Leicester Mercury.

Desta vez, Skeffington voltou ao noticiário graças à homenagem que recebeu do próprio clube. Sabendo da adoração do torcedor por Andy King, o Leicester enviou a Tony uma flâmula autografada, além de uma foto do jogador predileto do australiano segurando o objeto antes de mandá-lo para a Austrália. “Não estou em boa forma no momento, mas me deu um ânimo quando a foto do Andy King segurando minha flâmula autografado chegou por e-mail. Comecei a gostar muito dele quando estávamos na terceira divisão. Ele trabalha duro, é um verdadeiro jogador de grupo, marcou alguns ótimos gols, tem sido leal. É, atualmente, o jogador há mais tempo no clube, e o número 10 é o meu favorito. Estou muito feliz e vou enquadrar a foto”, afirmou.

Andy King com a flâmula de Tony (Divulgação)
Andy King com a flâmula de Tony (Divulgação)

A flâmula, a foto e o êxtase com a campanha do time na Premier League não foram as únicas coisas que Tony conseguiu graças ao Leicester. Em agosto do ano passado, o torcedor apostou no título dos Foxes na Premier League. Um erro de sua esposa, que em vez de apostar A$ 2 (R$ 5,47) colocou A$ 20 (R$ 54,70) na conquista do Leicester, acabou rendendo ao casal uma pequena fortuna inesperada: A$ 35 mil (cerca de R$ 95.550). “Estou mais preocupado com o título do time do que com o dinheiro. É muito dinheiro, mas é essa quantia apenas porque a Donna pressionou o botão errado. Era para ter sido uma aposta de A$ 2.”

Assim como fez naquele março passado e nos meses seguintes, Tony espera continuar firme em sua batalha pelo menos até o título do Leicester e torce para que o sucesso do time caminhe lado a lado com o de sua batalha. “Minha situação é sombria agora. Se a última quimioterapia que eles tentarem agora não funcionar, eu posso ter apenas algumas semanas. Mas continuo o mais positivo possível e espero permanecer por aqui tempo suficiente para ver o Leicester vencer o título.”

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo