Inglaterra

Acidente de carro deixou George paralítico, mas não matou seu sonho de viver o futebol

George Dowell tinha 22 anos e um sonho: ser jogador de futebol profissional. Todo jovem que se preze tem essa aspiração, mas tinha dado passos importantes para realizá-lo. Era zagueiro do Worthing FC, um clube das divisões inferiores da Inglaterra (atualmente está na sétima), quando um acidente de carro encerrou a sua carreira precocemente. Mas não matou o sonho. Cinco anos depois, Dowell comprou o Worthing FC.

LEIA MAIS: Jornal inglês elegeu a seleção dos jogadores brasileiros com nomes bizarros

Ele não lembra muitos detalhes do acidente. Apenas que o carro capotou e dos dez meses de reabilitação. Dowell ficou paralisado do peito para baixo. Mas mantém a mente afiada e o sonho de viver o futebol vivo no coração. Um tempo depois de se recuperar, fundou um clube chamado Worthing Borough. Quando ficou sabendo que o Worthing FC estava passando por problemas financeiros, decidiu comprá-lo.

“Nada é melhor que jogar, pergunte a qualquer jogador aposentado”, afirmou em entrevista à BBC. “Mas você tem que encontrar a segunda melhor coisa, e a segunda melhor coisa é ser técnico ou ser proprietário. Eu vi que o Worthing estava com problemas financeiros. Eu ainda conhecia algumas pessoas no clube, me reuni com quem estava no comando e achei que poderia ajudar”.

Dowell usou o dinheiro da indenização do acidente para comprar o clube e investir. Já construiu um novo gramado para o clube e tem um plano humilde de fazê-lo subir para a Conference South, a sexta divisão inglesa. O ainda garoto de 22 anos preferia ajudar o seu clube dentro de campo, mas quando a vida joga pedras, você tem que se adaptar. Dowell fez isso de um modo brilhante.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo