França

Wijnaldum não está “completamente feliz” com tempo de jogo que recebe no PSG

O meia holandês de 30 anos completou 90 minutos apenas duas vezes pelo seu novo clube

Georginio Wijnaldum estava empolgado com a nova etapa da sua carreira, mas, embora não tenha sido exatamente preterido nestes primeiros dois meses como jogador do PSG, não está “completamente feliz” com o tempo de jogo que recebe sob o comando de Mauricio Pochettino na capital francesa.

Acostumado a jogar sempre, como na temporada anterior, quando disputou as 38 rodadas da Premier League pelo Liverpool, 34 desde o início, Wijnaldum está atuando menos. Se ficou completamente fora de apenas uma das partidas do PSG nesta temporada, também completou 90 minutos em apenas duas e foi titular apenas uma vez nas últimas cinco pelo Campeonato Francês.

“Não posso dizer que estou completamente feliz”, afirmou a repórteres na Holanda antes do jogo da sua seleção contra Gibraltar em Roterdã. Ele perdeu o duelo anterior, contra a Letônia, por suspensão. “Porque a situação não é a que eu queria. Mas isso é futebol e terei que aprender a lidar com isso. Sou um lutador. Tenho que ser positivo e trabalhar duro para mudar isso”.

Tentando encaixar Messi, Neymar e Mbappé no mesmo time, Pochettino procura equilíbrio no meio-campo. Wijnaldum foi titular nas quatro primeiras rodadas, ainda sem Messi e praticamente sem Neymar. Mais recentemente, Idrissa Gueye tem atuado bastante ao lado de Andre Herrera ou Marco Verratti – ou dos dois ao mesmo tempo.

“Joguei muito nos últimos anos, sempre estive em forma e também me dei muito bem. Isso é algo diferente e preciso me acostumar. Eu estava realmente ansioso para esta nova etapa e então isso acontece. É difícil”, disse.

Contratado do Newcastle em 2016, Wijnaldum se tornou um dos jogadores mais importantes do Liverpool nas conquistas da Premier League e da Champions League. Saiu ao fim do seu contrato após não conseguir as bases salariais e a duração que desejava.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo