Ligue 1

PSG doma o Olympique com autoridade, apesar do amargor pela lesão de Neymar

Existiam grandes expectativas sobre o jogo do Parc des Princes neste domingo. Afinal, o Paris Saint-Germain encarava os maiores rivais, e em um momento para se acreditar no Olympique de Marseille. Os celestes tinham feito boa partida no Vélodrome durante o primeiro turno, apesar de cederem o empate por 2 a 2 no final, e possuem perspectivas amplas na temporada. No entanto, os marselheses não conseguiram ameaçar os parisienses. Em jogo pegado, o time da casa resolveu sua situação logo no primeiro tempo e comemorou a vitória por 3 a 0. Lamento, apenas pela torção sofrida por Neymar nos minutos finais, com o craque deixando o campo de maca.

O Olympique iniciou a partida tentando provocar os erros do PSG, mas logo aos 10 minutos o primeiro gol saiu. Daniel Alves enfiou a bola para Kylian Mbappé, a zaga não conseguiu cortar e o garoto deu uma finta seca em Rolando antes de fuzilar. Mais seguro com a vantagem, o time de Unai Emery passou a criar oportunidades e contou com a colaboração do infeliz Rolando para ampliar aos 27. Desta vez a jogada aconteceu pela esquerda e, quando Neymar desviou o cruzamento de Adrien Rabiot, o zagueiro balançou as próprias redes.

Antes do intervalo, o Olympique gastou sua primeira alteração e melhorou, se lançando mais ao ataque. Arriscava mais vezes, sobretudo de fora da área, mas faltava pontaria. Porém, na volta para o segundo tempo, o sonho dos marselheses desmoronou de vez. Aos dez minutos, Edinson Cavani marcou o terceiro gol. Neymar arrancou pela esquerda e, sem que a marcação apertasse, cruzou para o uruguaio. O centroavante girou sobre o zagueiro e bateu cruzado. A partir de então, Unai Emery gastou suas alterações e os marselheses tentavam diminuir a diferença.

Aos 31, aconteceu a lesão de Neymar. O camisa 10 se machucou sozinho, virando o pé no gramado. Caiu chorando e precisou ser retirado de maca. Após a partida, Unai Emery confirmou a torção, embora não se saiba exatamente a gravidade da lesão. Como já tinha gastado as três alterações, o PSG terminou o clássico com um a menos. Ainda assim, segurou a diferença, com destaque a uma bola salva em cima da linha por Thiago Silva – que, aliás, foi um dos melhores em campo. Além disso, o duelo contou com seus focos de confusão, com muitas entradas duras. Terminou com 39 faltas e 11 cartões amarelos. Clima quente para o reencontro dos rivais na próxima quarta, também em Paris, pela Copa da França.

O resultado é mais importante ao PSG pelo moral do que pelos três pontos. O time ganha dos maiores rivais e recupera a confiança após a derrota para o Real Madrid. Chega aos 71 pontos na liderança da Ligue 1, abrindo 14 de vantagem sobre o vice-líder Monaco e 16 para o Olympique de Marseille, terceiro colocado. O problema fica por conta de Neymar, com a dúvida se estará apto para o reencontro com os merengues pela Liga dos Campeões, no próximo dia 6. O jogo que valerá a temporada aos parisienses, e no qual a presença de seu craque seria essencial.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo