Ligue 1

Lucas Moura disse que não deve ficar no PSG e elogia Premier League, mas onde ele seria útil?

Lucas Moura está disponível no mercado. O ponta, ex-jogador do São Paulo, quase não jogou nesta temporada pelo Paris Saint-Germain. O clube que gastou os tubos para trazer Neymar por € 222 milhões e já passou o cheque de € 180 milhões ao Monaco por Kylian Mbappé, que será descontado ao final da temporada, precisa fazer caixa e Lucas está claramente sobrando no elenco do técnico Unai Emery. A questão então é: onde o brasileiro pode ser útil?

LEIA TAMBÉM: Em poucas horas, árbitro que revidou trombada e expulsou jogador do Nantes é suspenso na França

Contratado em 2012, chegou ao clube francês em janeiro de 2013 como uma grande contratação, mas mesmo tendo alguns bons momentos, nunca entregou o que se esperava dele como um companheiro de Neymar, que nasceu no mesmo ano.

Em 2011, os dois fizeram parte da seleção brasileira sub-20 que ganhou o Sul-Americano da categoria. Vestindo a camisa 10, Lucas brilhou, um ano depois de ter se destacado na Copa São Paulo de juniores. Se tornou protagonista do São Paulo também e teve três anos de explosão que o colocou como um dos jovens desejado por grandes times europeus. Chegou a ser especulado em times como Internazionale e Manchester United, mas foi o PSG que pagou € 40 milhões pelo jogador.

Embora tenha se empolgado com a contratação de Neymar, Lucas teve pouco espaço no time. Até aqui na temporada, Lucas entrou em campo apenas seis vezes, sendo cinco jogos pela Ligue 1 e um pela Copa da Liga. Em todos, veio do banco de reservas. Em muitos jogos, sequer foi relacionado para o banco de reservas. O seu espaço no time se esvaiu e, com a necessidade do Paris de vender jogadores para fazer caixa, tentando fugir de uma virtual punição da Uefa pelo Fair Play Financeiro, Lucas é um jogador valioso para se transformar em dinheiro no cofre.

“Se há alguma chance de eu ficar neste inverno [a janela de janeiro, que fecha dia 31]? Eu acho que não”, afirmou Lucas depois da vitória do PSG por 1 a 0 sobre o Nantes, no domingo à noite. “Com o que o técnico [Unai Emery] disse, parece que é o fim da minha história em Paris”.

“Eu tenho propostas, mas eu não posso falar sobre elas. Eu gosto muito do futebol inglês, é verdadeiramente uma das melhores ligas do mundo. Eu sempre disse que eu quero continuar na Europa. Eu ainda tenho objetivos para atingir aqui”, declarou o jogador, abrindo as portas para uma transferência.

Quando Neymar e Mbappé chegaram no início da temporada 2017/18, Lucas já parecia fora dos planos. Sua saída foi especulada na época, mas ele acabou ficando em Paris. Segundo o correspondente da ESPN americana em Paris, Jonathan Johnson, Lucas tinha proposta do Monaco, mas preferiu continuar em Paris porque a sua esposa estava grávida. Isso, somada a uma esperança que a chegada de Neymar e Dani Alves pudessem criar uma boa situação para ele, o fizeram negar a ideia de trocar de clube. Mas se havia alguma esperança, ela se foi.

A permanência de Lucas não se tratava só de uma esperança vazia. O brasileiro tinha feito a sua melhor temporada pelo clube em 2016/17, com 19 gols e 11 assistências em 53 jogos. Já havia inclusive pedidos para a sua convocação para a seleção brasileira, com a boa fase que vivia.

O seu jogo, porém, parecia seguir baseado apenas em velocidade e habilidade e pouco em criatividade e um jogo mais pensado. Algo que o time ganhou com nomes como Ángel Di María, Julian Draxler e principalmente Neymar. A chegada de Mbappé, um jogador mais jovem, com as mesmas características de Lucas, mas em um nível acima, acabou decretando a sua falta de espaço no time de Emery.

O problema para Lucas neste momento é que o PSG quer vende-lo para conseguir dinheiro, mas há desconfiança e o valor pedido, mais de € 30 milhões, ainda dá uma certa desconfiança em quem pensa em tê-lo no elenco. A questão passa a ser: quem mais precisa do jogador?

A opção doméstica: Nantes

O Nantes, adversário de domingo do PSG, quer Lucas, mas por empréstimo. A favor desta mudança está continuar na Ligue 1 e trabalhar com Claudio Ranieri, técnico que vem fazendo bom trabalho no clube. Além disso, certamente teria chance de jogar mais, praticamente todos os jogos, e poderia mostrar isso.

O problema é que o Nantes, claro, barganha o preço e prefere um empréstimo a uma compra. Além disso, o Nantes está longe dos holofotes e é um time apenas médio em uma liga que está longe da visibilidade – e do nível técnico – das mais badaladas, como La Liga e Premier League.

O time que precisa de reforços: Arsenal

Com Alexis Sánchez de saída, o Arsenal é um dos clubes que especulou a contratação do brasileiro. Com o dinheiro do chileno em mãos, Arsène Wenger podetrazer uma reposição, mas o que fica claro que é que Lucas não é a primeira opção. Quem parece mais próximo é Malcom, ex-Corinthians e destaque do Bordeaux.

No Arsenal, Lucas teria que se adaptar a um time que toca muito a bola e precisará pensar o jogo. Muitos o compararam a Theo Walcott quando ele foi para a Europa. O inglês se tornou um reserva pouco utilizado no time de Wenger e está especulado para deixar a equipe rumo ao norte do país para defender o Everton. Lucas conseguiria se adaptar a esse estilo? Seria um desafio para ele e uma aposta para o Arsenal.

A reposição: Bordeaux

Malcom negocia para ir ao Arsenal como substituto de Alexis Sánchez. E quem chegaria para o lugar de Malcom no Bordeaux? Lucas surgiu como opção, especulada por veículos de imprensa franceses. Poderia herdar inclusive a camisa 7 que atualmente é do ex-corintiano para exercer inclusive o mesmo papel tático: jogar pela direita do ataque.

Mais uma opção caseira, em um clube sem pressão intensa e ainda na cidade que tem alguns dos melhores vinhos do mundo. Como nem tudo é só vantagem na vida, teria pouca visibilidade, assim como no Nantes.

O desafio: Betis

Um dos clubes que tenta a contratação de Lucas é o Betis, que quer o empréstimo, mais do que a compra. Se o PSG aceitar a ideia, pode ser interessante para o brasileiro: chegaria em um clube precisando de resultados, em uma liga que costuma ser boa para jogadores ofensivos brasileiros e com boas chances de jogar com frequência.

Entre as vantagens está também atuar em uma liga de mais visibilidade e de melhor nível técnico se comparada à francesa. Teria que mostrar o que sabe e o que pode em um time que precisa muito disso.

O renascimento: Nice

O Nice tentou recuperar alguns jogadores nos últimos anos e contratou nomes como Mario Balotelli. O atacante se tornou uma boa contratação, ainda que com alguns momentos de tensão e alguma instabilidade. Balotelli tem ido bem nesta temporada. Será que o mesmo pode acontecer com Lucas?

O Nice vendeu Wesley Sneijder, que não vinha rendendo, e pode ter caixa para buscar um novo jogador, ainda que de característica diferente. Seria uma aposta do Nice e do próprio Lucas em recuperar o seu futebol.

O velho sonho: Manchester United

Um dos clubes especulados para levar Lucas é o Manchester United, comandado por José Mourinho. Lá reviveria o interesse que o clube já tinha no seu futebol desde 2012 e teria um time com um estilo de jogo mais próximo do que parece mais adequado ao seu estilo: veloz, que sabe aproveitar bem os contra-ataques e que gosta de usar jogadas de linha de fundo.

Lucas pode fazer pelo lado direito o que Anthony Martial faz pelo lado direito, emborra o francês esteja claramente em um nível superior ao brasileiro. Poderia ser uma opção de banco para os lados do campo com Mourinho, e uma opção interessante em jogos que for necessário chegar à área adversária com velocidade.

O problema é que o United está tentando a contratação de Alexis Sánchez, um jogador de muito mais calibre, com velocidade e um jogo mais completo em todos os quesitos. Ao menos por enquanto. É possível que o United contrate os dois, mas é improvável. Seria um excesso de opções em um ataque que já tem muitos nomes para disputarem vagas.

A oportunidade: Chelsea

Antonio Conte frequentemente reclama da falta de contratações e, embora os relatos nos últimos dias indiquem que o Chelsea entrou na briga por Alexis Sánchez, é bem provável que o chileno vá mesmo para Old Trafford. Com isso, Conte pode se virar ao que há de opção no mercado e Lucas é um deles.

Em novembro, Lucas era especulado para chegar a Stamford Bridge e aumentar as opções de ataque pelo lado do campo. Pedro Rodríguez é um jogador que não tem brilhado na temporada e não há outras opções de ataque com essa característica. Com Lucas, Conte poderia varia o esquema para um 4-3-3, ou mesmo um 3-4-3 como usou na temporada passada, já que o 3-5-2 atual não tem funcionado.

O banco: Tottenham

Outro clube inglês que especulou-se ter interesse em Lucas foi o Tottenham. Um time ofensivo e com muito uso das laterais do campo para atacar, os Spurs seriam uma opção bastante atraente para Lucas, se o interesse existir. Ele tem característica que pode ser bem explorada por Mauricio Pochettino para o ataque, diferente de Delle Ali e Christian Erikssen e mais próxima de Son Heung-Min.

O problema, neste caso, seria que o time parece estar muito ajustado coletivamente e precisaria entrar em um time funcionando bem. Chegaria apenas como uma opção de banco – e aí tem que ver se o Tottenham quer mesmo comprar um jogador só para preencher o seu banco.

Estes são os clubes que mais se especulou o brasileiro, já que a volta ao São Paulo, como muitos torcedores do tricolor paulista certamente sonham, não é a vontade do jogador. E aí, onde você acha que Lucas poderia ser mais útil?

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo