Ligue 1

Lille tropeça, PSG despacha Lyon e Monaco entra na briga por Champions: a 30ª rodada da Ligue 1

*Conteúdo oficial da Ligue 1

Nem o torcedor mais otimista do Paris Saint-Germain esperava que o clube terminaria a trigésima rodada da Ligue 1 Uber Eats 2020/2021 na liderança, mas foi isso o que aconteceu.

Enquanto o seu clube enfrentou e despachou o Lyon por 4 a 2, após abrir 4 a 0, os parisienses assistiram ao Lille, líder nas últimas oito rodadas, jogar e perder em casa por 2 a 1 para o Nîmes, vice-lanterna da competição.

Com o resultado, restando oito rodadas para o fim da competição, o PSG, que também contou com o retorno de Neymar, recuperado de lesão, caminha na ponta para conquistar mais um título. A afirmação pode vir na próxima rodada quando PSG x Lille se enfrentam, no Parque dos Príncipes, em 3 de abril.

A 30ª rodada ainda ficou marcada pela goleada do Monaco por 4 a 0 contra o Saint-Étienne, que o colocou definitivamente na briga pela vaga na Liga dos Campeões da Europa, já que um ponto separa o Monaco do Lyon. Além disso, Jorge Sampaoli provou o amargo sabor da derrota com o 3 a 0 imposto pelo Nice enquanto o Lens segue na quinta colocação da competição após derrotar o Estrasburgo fora de casa.

A rodada 30 foi maravilhosa para o Paris Saint-Germain. Antes de saber que a vitória carregaria o time de volta à liderança por conta da derrota do Lille, Neymar, um dos principais nomes do elenco, figurava no banco de reservas.

E a partida começou com um baile do PSG. Com facilidade, o time de Mauricio Pochettino abriu 2 a 0 com facilidade. Mbappé, aos 15 minutos do primeiro tempo, e Danilo Pereira, aos 32, marcaram. Do lado do Lyon, poucas chances criadas e uma passividade enorme já que a formação montada por Rudi Garcia, treinador do Lyon, visava três meias em linha. Com isso, o PSG aproveitava os espaços, principalmente pelas laterais e, com a posse de bola, trocava passes com eficiência e dominava o setor.

A segunda etapa começou com um PSG ainda mais incisivo e com sete minutos o time já havia chegado à rede mais duas vezes. Di María, aos dois minutos, e Mbappé, aos sete, após um lindo passe de Verratti, ampliaram a vantagem para 4 a 0.

O PSG reduziu o ritmo. Com isso, somado as mudanças feitas por Rudi, com Slimani no lugar de Depay, Kadewere no lugar do lateral-direito Dubois e Bruno Guimarães no lugar de Thiago Mendes, o Lyon até cresceu na partida. Islam Slimani, aos 17, e Cornet, aos 36, diminuíram o que seria uma goleada vexatória, mas a grande partida de Keylor Navas garantiu que a partida terminasse em 4 a 2.

Ainda houve o retorno de Neymar. O atacante brasileiro, que entrou aos 25 minutos da etapa final, no lugar de Mbappé, é um reforço importantíssimo para o clube da capital que almeja chegar ao seu quarto título seguido já que o Monaco, na temporada 2016/2017, quebrou a sequência de outros quatro títulos do PSG entre as temporadas 2012/2013 e 2015/2016.

Já o Lille pode ter entregado de bandeja o título que não conquista desde a temporada 2010/2011. A derrota por 2 a 1, em casa, para o vice-lanterna Nîmes não estava no roteiro e o preço foi caro: além do amargor da derrota, o time, de quebra, perdeu a liderança para o PSG, franco favorito para o título pelos especialistas e pelo montante de investimento realizado em seu time.

Na partida, o Lille foi surpreendido logo aos 12 minutos, com um canudo de Moussa Koné. Sem sustos, o time reagiu bem e chegou ao empate oito minutos depois. Aos 20, o meia português Xeka, de cabeça, empatou.

Nos minutos finais do primeiro tempo, o Nîmes voltou a surpreender com mais um belo gol. O meia Renaud Ripart chutou forte e Maignan, que vem realizando milagres para sua equipe, não conseguiu evitar: 2 a 1 Nîmes, placar final.

Na segunda etapa, o Lille até pressionou e chegou a fazer três gols, todos corretamente anulados. Dois por impedimento e um pela bola bater na mão do zagueiro Tiago Djaló.

A pressão não surtiu efeito e o Lille permanece com seus 63 pontos e na rodada que vem vai até Paris para a partida diante do PSG que vai definir sua real expectativa para essa temporada: título, Liga dos Campeões ou até mesmo Liga Europa, vide que o Monaco, agora, está apenas quatro pontos atrás.

O Monaco, por sua vez, reencontrou a vitória após um empate e uma derrota nos dois últimos jogos.

Com a melhor campanha em 2021, o Monaco atropelou o Saint-Étienne por 4 a 0, gols de Jovetic (13′ 1ºT), Tchouaméni (10′ 2ºT), Diop (19′ 2ºT) e Diatta (31′ 2ºT).

Em um jogo tranquilo, no qual aproveitou a proposta do adversário de atacar e deixar jogar, o Monaco, nos primeiros 15 minutos, já vencia por 1 a 0 e já tinha perdido uma cobrança de pênalti com Jovetic e outras chances claras de gol.

Sem conseguir sair da forte marcação do Monaco, o Saint-Étienne não conseguia ficar mais do que dez segundos com a posse de bola, o que facilitava o domínio do time de Niko Kovac.

Na segunda etapa, a substituição em que tirou Trauco, lateral-esquerdo peruano com passagem pelo Flamengo, fez com que o Monaco encontrasse ainda mais espaços no setor defensivo adversário: e assim saíram os gols derradeiros da goleada.

Com o resultado, o Monaco chega aos 59 pontos, cola no Lyon na briga pela vaga na UEFA Champions League e, de quebra, segue sonhando com um improvável título.

No meio de tabela, Lens, Rennes, Olympique de Marseille e Montpellier brigam pela quinta colocação. Nesse grupinho, apenas uma derrota: o Olympique, time de Jorge Sampaoli, foi atropelado por 3 a 0 pelo Nice, gols de Thuram-Ulien, Gouiri e Claude-Maurice.

Os outros três clubes venceram. No caso do Lens, 2 a 1 contra o Strasbourg fora de casa, gols de Haidara, aos cinco minutos, e Seko Fofana, aos 40. Bellegarde até chegou a empatar aos 20 da primeira etapa.

Já o Rennes, um 3 a 1 fora de casa diante do Metz, mesmo com um jogador a menos já que Jérémy Doku foi expulso aos seis minutos da segunda etapa. Os gols da partida foram assinalados pelo próprio Doku aos 18, Terrier aos 38 e Guirassy, aos 43 da 2ª etapa.

Por fim, o Montpellier venceu de virada, por 3 a 1, o Bordeaux com gols de de Sambia aos 35, Laborde aos 13 da etapa final e Mavididi aos 24 enquanto o sul-coreano Hwang Ui-Jo abriu o placar aos 20.

E na parte debaixo da tabela, a inesperada vitória do Nîmes sobre o líder Lille mexeu no tabuleiro.

A vitória levou o Nîmes aos 29 pontos – mesma pontuação do Lorient, que por sua vez, empatou por 1 a 1 com o Nantes em jogo de confronto direto na luta contra a degola.

Com os resultados da rodada, o Saint-Étienne, goleado facilmente pelo Monaco, permaneceu com seus 33 pontos enquanto o Lorient está livre, por enquanto, da zona de repescagem por causa de sua vantagem no saldo de gols contra o Nîmes (-18 x -26). Ambos estão com 29 pontos.

Já o Nantes vive seu calvário com 28 pontos na zona do rebaixamento enquanto o Dijon permanece com os mesmos 15 pontos após mais uma derrota: desta vez para o Reims, por 1 a 0 com gol de Boulaye Dia.

Kylian Mbappé disparou na artilharia com os dois gols marcados contra o Lyon. Com 20 gols até então, o atacante do PSG abriu seis de vantagem para Memphis Depay.

Quem desencantou na rodada foi Boulaye Dia. Em um jejum que já durava 10 jogos, o atacante do Reims enfim quebrou o tabu.

Nessa de quebrar tabus, quem conseguiu o improvável foi o Nîmes.

Vice-lanterna no início da rodada, a equipe foi até ao norte da França para enfrentar nada menos do que o líder Lille, que, até então, só havia sofrido dois reveses na temporada inteira.

E a equipe de Christophe Galtier deu mole diante da defesa mais vazada da competição. Ao todo, antes da partida, o Nîmes já havia sofrido 55 gols em 29 partidas, o que garantia uma média de quase dois gols sofridos por jogo.

Mesmo com 72% de posse, só a bola parada adiantou já que seu único gol saiu através de escanteio onde o volante português Xeka completou de cabeça.

Nem o retorno do artilheiro Burak Yilmaz, que já assinalou nove gols na competição, surtiu efeito. Mesmo com o atacante turco em campo, que voltou de lesão na panturrilha após dez rodadas – o Lille acertou apenas um chute no gol do vice-lanterna.

Ainda na etapa inicial, o Nîmes aproveitou a pouca objetividade do Lille para construir o placar através dos seus jogadores do lado esquerdo: o lateral Birger Meling e o ponta Zinedine Ferhat.

Enquanto Meling deu dois passes para uma finalização, Ferhat acertou três dribles, finalizou duas vezes e deu a assistência do segundo gol.

Após a derrota, o técnico do Lille, Galtier, falou sobre o que deu errado com sua equipe:

Após oito rodadas seguidas na liderança, o Lille, quem mais rodadas permaneceu nessa posição, enxerga o PSG reassumir a ponta.

A retomada da liderança passa pelos pés de Mbappé.

O atacante de 22 anos destacou-se com dois gols, três finalizações e 28 passes.

Aberto pelo lado esquerdo do campo, Mbappé foi constantemente procurado por seus companheiros e a prova disso foi o bonito passe de Verratti para o segundo gol dele na partida.

Quem também aproveitou os resultados da rodada foi o Monaco, que bateu o Saint-Étienne por 4 a 0.

Antes da partida começar, Niko Kovac tomou uma decisão importante: ele sacou Ben Yedder da equipe e promoveu a entrada de Stevan Jovetic.

E ele acertou…

Com uma movimentação constante, Jovetic foi o nome do primeiro tempo: ele acertou a trave aos sete minutos, perdeu um pênalti aos 12 e, se redimiu logo em seguida ao abrir o placar aos 13.

Feliz com o desempenho de Jovetic, Kovac explicou a sua decisão:

Outro atacante que brilhou na rodada foi Amine Gouiri.

Com 21 anos, o ponta ajudou o Nice a atropelar o Olympique de Marseille.

Posicionado no lado esquerdo do ataque, Gouiri terminou o jogo com um gol, uma assistência e seis passes que antecederam finalizações.

Seu gol, inclusive, foi determinante para encerrar as pretensões do Marseille. Após ele, o time comandado por Sampaoli finalizou somente uma vez depois que Gouiri marcou.

Com o 3 a 0, o Nice chegou ao quarto jogo sem derrota com três vitórias e um empate.

Frustrado, Sampaoli falou sobre a queda de rendimento da sua equipe.

Superior do início ao fim, o Monaco teve repertório para controlar e vencer o Saint-Étienne.

Dos jogadores que mais tocaram na bola durante toda a partida estão seus três zagueiros e dois volantes: Entre os zagueiros, Sidibé, com 101 passes, Disasi com 82 e Badiashile com 80 se destacaram no quesito. Já dos volantes, Fofana concluiu 85 passes e Tchouaméni 78.

E foi com a posse que Djibril Sidibé se destacou. O lateral, que desempenhou um papel de terceiro zagueiro pelo lado direito, obteve 93% de acerto no passe e realizou seis lançamentos com sucesso.

Coincidentemente, o lado direito do Monaco foi o mais ativo durante os 90 minutos.

Um dos fatores que influenciaram para esse desempenho foi a alteração que Claude Puel, técnico do Saint-Étienne, promoveu no início do segundo tempo.

Ele tirou Miguel Trauco, lateral esquerdo da equipe, e colocou o atacante Charles Abi. Com o espaço na lateral esquerda, o Monaco forçou a maioria de suas investidas por ali como pode-se notar na arte:

Se no ataque a facilidade reinava com muitos espaços cedidos, na defesa os monegascos também foram melhores.

A equipe de Niko Kovac venceu mais disputas de bola (67 x 56) e conseguiu mais desarmes (24 x 12).

Se o coletivo do Monaco brilhou, o Lille não pode dizer o mesmo contra o Nîmes.

O posicionamento do lateral direito Zeki Celik foi uma das chaves do jogo para o adversário.

Avançado taticamente, o turco deu espaço para os visitantes e o Nîmes abriu o placar após explorar suas costas:

Após a defesa afastar um cruzamento, o ponta Zinedine Ferhat (10) recuperou a bola no campo de defesa. O argelino dominou, levantou a cabeça e conduziu puxando para dentro.

Ao levar a bola para o meio, Ferhat confundiu a marcação e no momento certo e deu um passe açucarado para o ponta Niclas Eliasson (7).

O sueco ganhou a dividida contra a defesa e a sobra foi perfeita para que o atacante Moussa Koné (28) finalizasse. Com uma bomba, Koné superou Mike Maignan (1) e abriu o placar.

Para se proteger, o Nîmes, apesar de ter a pior defesa da competição, conseguiu realizar uma boa partida defensivamente e terminou com mais desarmes (19 x 11), mais interceptações (12 x 6) e mais cortes defensivos (34 x 4).

Já na vitória do PSG sobre o Lyon por 4 a 2, Mauricio Pochettino levou a melhor sobre Rudi Garcia.

A decisão do treinador argentino em escalar os volantes Danilo Pereira e Idrissa Gueye mostrou-se acertada. Os dois volantes dominaram o meio de campo contra o trio do Lyon, composto por Thiago Mendes, Maxence Caqueret e Lucas Paquetá.

Se Gueye foi quem terminou a partida com mais toques na bola (108), Danilo realizou três interceptações, deu três desarmes e ainda marcou o segundo gol do jogo.

No outro lado, Caqueret não conseguiu impedir o domínio do meio pelo adversário. Sozinho, o francês realizou nove desarmes e sua atuação foi discrepante da baixa produção de Thiago Mendes, que conseguiu apenas um desarme, e de Lucas Paquetá, que venceu somente sete das 16 disputas de bola que participou.

Taticamente, Idrissa Gueye também foi importante para liberar os laterais.

Ao recuar na saída de bola, o volante senegalês formava uma linha de três zagueiros ao lado de Marquinhos e Kimpembe. Com isso, os laterais Florenzi e Diallo podiam avançar, fato que ajudou o PSG a dominar o meio-campo vide que a formação inicial de Rudi Garcia, treinador do Lyon, tinha uma linha de apenas três jogadores no meio.

Na abertura da rodada, Caio Henrique foi titular e fez um bom jogo pelo Monaco.

O ala esquerdo interceptou três bolas, realizou dois desarmes, deu um passe para finalização e completou os três dribles que tentou no jogo.

Já Luis Henrique e Luiz Araújo não conseguiram ajudar suas equipes (Marseille e Lille) contra Nice e Nîmes, respectivamente. Ambos saíram do banco de reservas e pouco contribuíram.

Sem arriscar nenhum drible, Luis Henrique teve seu único chute bloqueado pela marcação, enquanto, Luiz Araújo acertou três dribles, mas sem efetividade alguma para alterar o placar final da partida.

Já em Lyon 2 x 4 PSG, vários brasileiros estiveram em campo.

Em uma análise comparativa por setor, Marquinhos levou a melhor sobre Marcelo.

O capitão do PSG realizou três cortes defensivos, sofreu apenas um drible e ainda deu uma assistência.

Já Marcelo realizou duas interceptações, recuperou uma bola e cometeu uma falta em toda a partida.

No meio-campo do Lyon, Thiago Mendes não foi bem e acabou substituído por Bruno Guimarães aos 11 minutos do segundo tempo.

Bruno acertou 91% dos passes que tentou, deu três lançamentos e conseguiu dois desarmes enquanto Thiago se limitou a dar somente 23 passes sem nenhuma finalização ao gol de Keylor Navas.

Completando a lista de brasileiros do time da casa, Lucas Paquetá jogou os 90 minutos, finalizou uma vez no gol adversário, deu dois passes que antecederam finalizações.

Quem, por fim, retornou de lesão, foi Neymar.

Aos 25 minutos da etapa final, ele entrou no lugar de Mbappé e com a goleada já construída não precisou demonstrar muito em campo.

Durante os pouco mais de 20 minutos em campo, Neymar chutou uma vez ao gol, deu 14 passes, foi derrubado duas vezes e acertou 79% dos passes que tentou.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo