Ligue 1
Tendência

Lee Kang-In no PSG é aposta no talento que brilhou no Mundial Sub-20 de 2019

Bola de Ouro do Mundial Sub-20 de 2019, Lee Kang-In chega para a posição onde Messi brilhou e terá a chance de mostrar que seu talento ainda está lá

O Paris Saint-Germain anunciou a contratação do meia ofensivo Lee Kang-In, de 22 anos, que estava no Valencia e que foi o grande nome do Mundial Sub-20 de 2019, quando foi eleito o craque do campeonato. O jogador estava no Mallorca desde 2021, depois de uma passagem decepcionante pelo Valencia. É uma aposta no claro talento que tem Lee Kang-In, que chega para preencher uma lacuna com a saída de Lionel Messi do clube.

“É um prazer poder chegar ao Paris Saint-Germain, é um dos maiores clubes do mundo, com alguns dos maiores jogadores do planeta. Mal posso esperar para começar esta nova aventura”, afirmou o jogador, em entrevista ao site do clube. Ele é o primeiro sul-coreano a jogar pelo PSG.

Messi, evidentemente, é um craque que não pode ser substituído. A semelhança de características, porém, sugere que o PSG está repondo esse tipo de jogador no elenco. Curiosamente, concorrerá na posição por um jogador que foi seu companheiro de Valencia: Carlos Soler. E ainda tem outra semelhança com Messi: ele vestirá a camisa 19, um número que Messi vestiu nos seus primeiros anos de Barcelona.

Embora ele possa atuar nas pontas, Lee Kang-In é muito mais um meia, que encosta dos lados do campo, mas não é um jogador para fazer só jogadas de linha de fundo. Pode atuar pelos lados fazendo o ponta-armador, ou mesmo ser um segundo atacante, caso o time tenha uma referência.

Início como craque no Mundial Sub-20 de 2019

Lee Kang-In em atuação pela seleção da Coreia do Sul no Mundial Sub-20 de 2019 (Icon Sport)

O início de Lee Kang-In no futebol foi um sonho. Começou na coreia do Sul, pelo Incheon Flyings, mas ainda na base, com 10 anos de idade, chegou ao Valencia. Foi formado pelos Ches, passando pelas categorias de base da equipe até chegar ao time principal, em 2019. Aquele foi o ano que ele explodiu para o mundo.

Convocado para a seleção sul-coreana sub-20, ele foi para o Mundial Sub-20 da categoria naquele ano, disputado na Polônia. A Coreia do Sul faria história. Na fase de grupos, o time caiu no grupo da Argentina. Estreou perdendo de Portugal por 1 a 0, venceu a Coreia do Sul por 1 a 0 e, surpreendentemente, bateu a favorita Argentina por 2 a 1 na rodada final. Se classificou em segundo lugar, atrás dos próprios argentinos.

Nas oitavas de final, em um clássico contra o Japão, venceu por 1 a 0. Passou ainda por Senegal nas quartas de final, nos pênaltis, depois de um empate por 3 a 3 no tempo normal e prorrogação. Na semifinal, derrubou outra surpresa, o Equador. Na decisão, outro adversário que surpreendeu: a Ucrânia, que ficou com o título. Lee Kang-In fez o gol do time na derrota por 3 a 1, em um pênalti.

Lee Kang-Ing ganhou a Bola de Ouro como melhor jogador daquele torneio. Havia uma grande expectativa sobre ele, que já estava no futebol europeu.

Lee Kang-In não conseguiu brilhar em um bagunçado Valencia

Lee Kang-In no Valencia (Icon Sport)

Com Na temporada 2019/20, a primeira que era jogador do time principal, Lee Kang-In jogou 24 partidas e marcou dois gols. Atuou em várias posições: ponta pelos dois lados, meia ofensivo e também como segundo atacante. Não se firmou em nenhuma das posições. Sua juventude, porém, sugeria que era preciso paciência.

Só que o Valencia não permitia paciência e nem desenvolvimento de jogadores. Em um período em que o clube viveu uma turbulência. Tanto em 2019/20 e principalmente em 2020/21, os Ches não conseguiram fornecer uma boa base para um jovem que ainda buscava a sua formação e que não mostrou capacidade de liderar um time, tecnicamente, tão jovem.

Sem espaço no Valencia, ele foi colocado como transferível pelo clube em 2021. Sem conseguir encontrar um novo destino, encerrou o seu contrato com o clube no dia 29 de agosto, a dois dias do fim da janela de transferências.

Busca por recuperação no Mallorca

Lee Kang-In no Mallorca (Icon Sport)

No dia 30 de agosto de 2021, o Mallorca anunciou a contratação de Lee Kang-In, apostando no meia. Na sua primeira temporada pelo clube, foram 30 jogos disputados e marcou um gol, além de duas assistências. O seu gol foi logo no terceiro jogo de La Liga, contra o Real Madrid, mas o time foi derrotado por 6 a 1. Teve um papel de mais protagonismo do que vivia antes.

Na temporada passada, jogou mais vezes: 39, com a maior média de minutos em toda a carreira, de mais de 79 minutos por jogo. Um dos problemas do sul-coreano é que ele poucas vezes joga os 90 minutos. Na última temporada, foram apenas 12 jogos completos. Mesmo assim, foi uma evolução: foi quatro vezes maior do que suas primeiras três temporadas na carreira. Nos seus últimos oito jogos, foram três gols e duas assistências.

Canhoto, baixinho e que atua pela direita: lembra alguém?

Lee Kang-In vestirá a camisa 19 n PSG (divulgação)

Ainda que o talento seja incomparável, o estilo de jogo de Lee Kang-In é bastante sugestivo: um baixinho, canhoto, criador de jogadas, que gosta de puxar da direita para dentro e gosta de finalizar. As características lembram, sim, Lionel Messi, mas o sul-coreano sofreu para conseguir mostrar um pouco desse talento todo no dia a dia de um campeonato. Até aqui na carreira, ele mostrou sua capacidade de forma esparsa.

Sua capacidade de drible é bastante impressionante. O jogador é capaz de se livrar de marcadores com facilidade e, em determinado momento da temporada, logo após a Copa do Mundo, era o jogador de La Liga com mais dribles certos, superando até mesmo os estelares Vinícius Júnior e Samuel Chukwueze.

  • Marcou seis gols e seis assistências na temporada 2022/23
  • Uma das suas maiores qualidades é o drible
  • Formou uma dupla afinada com o atacante Vedat Muriqi
  • Consegue proteger bem a bola de pressão e explodir em velocidade em seguida
  • Faz cruzamentos perigosos das pontas
Foto de Felipe Lobo

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!). Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009, onde ficou até 2023.
Botão Voltar ao topo