Europa

Todos contra o Basel

Seis vezes campeão nas últimas dez temporadas (quatro delas com o artilheiro da competição), dono de um elenco com as principais estrelas do futebol suíço e único representante do país com vaga garantida na fase de grupos da Liga dos Campeões da Europa. O Basel é, definitivamente, o time a ser batido na Super League 2010-2011, que começa neste sábado, dia 16.

A desgastante competição terá 32 rodadas, terminando somente em 17 de maio de 2012. Os dez times jogarão entre si em quatro turnos, com interrupção entre 11 de dezembro e 11 de fevereiro.

Apesar de ser um campeonato longo, em que muita coisa pode mudar no meio do caminho, as campanhas recentes evidentemente credenciam o Basel como principal favorito ao título, que busca pela 15.ª vez. Não bastasse isso, o time investiu em reforços e manteve seus principais nomes.

Três estrangeiros chegaram ao St. Jakob-Park. Um deles é o zagueiro tcheco Radoslav Kovac, de 31 anos e com ampla experiência internacional. Defendeu a seleção do seu país em 30 jogos e atuou pelo inglês West Ham na temporada passada.

As outras duas contratações internacionais do time da Basileia são coreanas. Da Coreia do Sul, chegou o também zagueiro Joo Ho Park, 24 anos, que vinha atuando pelo Jubilo Iwata, do Japão. Da Coreia do Norte, o Basel importou o atacante Kwang Ryong Pak, de apenas 18 anos de idade, que apesar de novo já conhece de perto o futebol suíço, pois atuava no Wil, da segunda divisão.

Para o gol, uma solução caseira: Marcel Herzog, que já havia passado pelo clube entre 2001 e 2004 e estava no Duisburg, da Alemanha, chega para brigar pela vaga deixada pelo ídolo Franco Constanzo, transferido ao Olympiacos.

No comando de todos eles está Thorsten Fink, o técnico alemão atual bicampeão suíço pelo Basel, que parece saber bem o tamanho da responsabilidade que tem pela frente: levar o time à conquista do tri e a uma boa campanha na Liga dos Campeões.

Ele deixou isso bem claro na prestigiada conferência de imprensa realizada na semana passada, quando mais de 60 jornalistas acompanharam a apresentação do elenco do Basel para a temporada 2011-2012. “Qualquer um que por duas vezes tornou-se campeão, tem claramente o objetivo do hat-trick”, repetiu várias vezes.

Fink não conta somente com os reforços recém-chegados. A manutenção de estrelas é algo fundamental para que o Basel siga com sua hegemonia no futebol da Suíça. Nomes como Xherdan Shaqiri (principal revelação do país na atualidade), Granit Xhaka (outro que vem encantando nas seleções de base), Alex Frei (maior artilheiro da história da seleção suíça) e Marco Streller (que recentemente aposentou-se do selecionado, assim como Frei) permaneceram no clube. “Agora tenho mais alternativas em diferentes posições”, comemora o técnico.

Aliás, por lidar com um elenco tão cheio de atletas consagrados, ele sabe que usar o psicológico e não permitir briga de egos será de fundamental importância. A escolha de Streller como novo capitão (em substituição a Constanzo) pode ter sido um bom exemplo disso. Ao salientar que a opção foi “por ele e não contra outra pessoas”, Fink minimizou o risco de uma eventual polêmica, já que nomes como Alex Frei e Benjamin Huggel, por exemplo, também eram ventilados para assumir a braçadeira. “Strelleer doou-se para a equipe na temporada passada. Ele incorpora o Basel perfeitamente”, justificou.

Adversários

Por mais favoritismo que possa ter, é claro que o título está longe de ser “favas contadas” para o Basel. Nas análises feitas antes da bola rolar para valer – com base nos muitos amistosos que estão acontecendo na Suíça –, o próprio treinador Fink andou elegendo os adversários que considera mais perigosos na luta pelo tri.

“O Young Boys tem um novo treinador (Christian Gross) e pressão para ser campeão. O Sion já era um favorito na temporada passada. E o Zürich não preciso nem mencionar. Embora eles não tenham feito qualquer grande contratação, é uma vantagem manter o conjunto”, frisou.

O próprio Zürich, vice-campeão na temporada passada com apenas um ponto de desvantagem contra o Basel, tradicionalmente vem sendo o principal oponente do time da Basileia na disputa pelo título (juntos, os dois venceram as últimas oito edições do Campeonato Suíço).

Mas o time da maior cidade do país passa por um delicado momento financeiro e não conseguiu reforços de peso. Com uma dívida estimada em 8,6 milhões de francos, o clube aposta suas fichas em uma classificação para a fase de grupos da Liga dos Campeões (vai disputar a 3.ª pré-eliminatória) e nas recompensas financeiras que isso traria.

De qualquer forma, tradição é tradição e se os resultados dos amistosos na fase de preparação contam para alguma coisa, o Zürich tem no currículo um empate por 1 a 1 com o poderoso Borussia Dortmund, atual campeão alemão.

Terceiro colocado na temporada passada, o Young Boys é outro que tentará ficar no encalço do Basel. A julgar pela presença de 2,5 mil torcedores na apresentação do time, no Stade de Suisse, em Berna, a confiança existe. Aliás, quem apareceu por lá teve a chance de ver de perto, pela primeira vez, o novo uniforme, predominantemente amarelo, bem semelhante ao do Borussia Dortmund.

E viu, também, o novo treinador, Christian Gross, que chega ao clube depois de trabalhar no Stuttgart e traz consigo a esperança de melhores resultados. Afinal, o time não ergue o troféu de campeão suíço há 25 anos. Um bom prenúncio pode ter sido a vitória por 4 a 2 sobre o Hertha Berlim, recém-promovido à Bundesliga alemã, num torneio amistoso.

O curioso é que Gross dirigiu o Basel de 1999 a 2009 e foi o responsável por iniciar a iniciar a incrível sequência de títulos da última década e acabar com um jejum que vinha desde 1979-80. Mais curioso ainda é que a tabela marca o encontra entre Young Boys x Basel já na primeira rodada, em 16 de julho.

Grande expectativa

A expectativa pelo início do Campeonato Suíço é enorme no país. O jornal Blick chegou até a afirmar que a temporada que está para se iniciar promete ser “a mais quente de todos os tempos.”

Exagero? Pode até ser. Mas alguns números de ingressos vendidos antecipadamente dão sustentação à tese do periódico. O pequeno Luzern, por exemplo, que acaba de inaugurar seu novo estádio, já teve 7,8 mil torcedores preocupados em garantir seus lugares cativos na temporada.

Por enquanto, o número é até um pouco maior que o do Zürich, com 7 mil lugares vendidos, embora o clube pretenda chegar na casa dos 10 mil no decorrer do campeonato.

Quem também mostra apoio incondicional são os fãs do Young Boys: 14,9 mil deles garantiram seus lugares antes da temporada começar. Apesar de bastante expressivo, o número ainda é incapaz de superar ao proporcionado pela torcida do Basel, que de antemão garantiu a entrada de 23,7 mil pessoas por jogo em casa, 600 a mais do que os ingressos vendidos nesta mesma época na temporada passada.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo