Europa

Técnico do Shakhtar relata complicações de atletas com Covid-19 e alerta: “As pessoas não estão respeitando um vírus tão perigoso”

O Shakhtar Donetsk recentemente sofreu bastante com uma infecção por Covid-19 generalizada em seu elenco. Na partida contra o Real Madrid, em 21 de outubro, foram diversos os desfalques por causa do vírus, e o técnico da equipe ucraniana, o português Luís Castro, fez um alerta importante ao mundo ao revelar as complicações que alguns de seus atletas tiveram.

[foo_related_posts]

A declaração foi dada mais cedo nesta semana, enquanto falava sobre a falta de público na partida de terça-feira (3) contra o Borussia Mönchengladbach, que terminou em vitória por 6 a 0 para os alemães. Castro afirmou que três de seus jogadores tiveram complicações sérias mesmo sendo jovens, o que o fez pensar sobre o impacto da pandemia na população geral.

“Quando olho para os dez jogadores que tivemos infectados, três deles tiveram problemas pulmonares e um teve problemas de coração. Só nessa altura percebi a dimensão do que estava acontecendo no mundo. Jogadores com 20 e tantos anos, e isso ter acontecido me fez tomar consciência do perigo, pois quando é ao nosso lado ficamos mais sensíveis”, revelou o treinador, que afirma que, “infelizmente, as pessoas não estão respeitando um vírus tão perigoso como este”.

Luís Castro lamentou a ausência de público nas arquibancadas, mas afirmou entender a necessidade por precaução. Isso, no entanto, o leva a ficar surpreso com o que tem acontecido no restante da sociedade.

“As pessoas ainda não tiveram consciência disso, que nos leva a ter o futebol sem público. Eu estranho porque vejo os ônibus cheios, pessoas na rua sem máscara e alguns espetáculos com público, mas infelizmente o mundo está estranho”, completou.

A Europa vive uma segunda onda de infecções nas últimas semanas, com medidas fortes sendo tomadas em diferentes países, como França e Inglaterra, que reinstauraram lockdowns nacionais. O mundo se aproxima da marca de 50 milhões de casos, com mais de 1,2 milhão de mortes.

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo