Eliminatórias da EurocopaEuropa

San Marino voltou a fazer gol depois de dois anos e quase conseguiu feito inédito

Saco de pancadas do Grupo E das Eliminatórias para a Eurocopa de 2016, a seleção de San Marino teve o que comemorar e o que lamentar nesta terça-feira. Os samarineses voltaram a fazer um gol depois de basicamente dois anos sem balançar a rede. O tento da derrota por 2 a 1 para a Lituânia foi o primeiro desde o gol solitário no revés por 5 a 1 para a Polônia, em 10 de setembro de 2013, pelas Eliminatórias da Copa. Por algum tempo, San Marino ainda ficou perto de outras marcas interessantes.

VEJA TAMBÉM: Palestina finalmente joga em casa: mais uma vitória sobre Israel nos bastidores

O gol dos samarineses aconteceu quando a Lituânia vencia o jogo por 1 a 0. A bomba de Vitaioli deixou a partida em 1 a 1, e assim ficou o resultado até os 47 do segundo tempo, quando Spalvis recolocou os lituanos à frente. Se o duelo tivesse terminado em 1 a 1, seria a primeira vez que San Marino alcançaria dois pontos em uma mesma edição de Eliminatórias. A frustração de ver o resultado escapar dentro de um longo período de cinco minutos de acréscimo deve ter sido grande, mas não diminui a representatividade do gol feito na Lituânia.

Além de ter sido o primeiro gol em dois anos (ou dez jogos), o tento de Vitaioli encerrou um período de mais de 12 anos sem fazer gols fora de casa. Foi em agosto de 2003 a última vez que os samarineses haviam tido o prazer de balançar a rede do dono da casa, em um amistoso contra Liechtenstein, terminado em 2 a 2. Se colocarmos na conta apenas partidas oficiais, então, o tabu era ainda maior: 25 de abril de 2001, no empate por 1 a 1 com a Letônia, em Riga, pelas Eliminatórias da Copa de 2002.

Confira abaixo o histórico gol do atacante Vitaioli, em cobrança de falta. É verdade que ele contou com uma ajudinha do desatento goleiro da Lituânia, mas dê uma colher de chá para o samarinês, vai, ainda assim ele teve mérito no lance.

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo