Liga Europa

Pogba saiu do banco para garantir a vitória do United e mais uma frustração ao Milan

Em seu primeiro jogo após seis semanas afastado por lesão, Paul Pogba saiu do banco de reservas para manter vivas as esperanças do Manchester United na Liga Europa, marcando o gol decisivo da vitória por 1 a 0 em San Siro contra um Milan que lutou bastante, mas soma esta eliminação à frustrações das últimas semanas.

Uma delas é o excesso de lesões, especialmente no ataque, o que obrigou Stefano Pioli a escalar uma linha ofensiva sem centroavante de ofício, com Saelemakers, Çalhanoglu, Rade Krunic e Samu Castillejo. De volta após duas semanas afastado, Ibrahimovic ficou no banco de reserva. Ante Rebic, Rafael Leão e Mario Mandzukic foram desfalques, junto com Davide Calabria e Alessio Romagnoli.

Ole Gunnar Solskjaer escalou o melhor que tinha à disposição, o que significa um time sem Edinson Cavani, Eric Bailly e Anthony Martial. Mason Greenwood ganhou a titularidade no comando de ataque, com Daniel James e Marcus Rashford pelas pontas. Solskjaer teve os retornos de Pogba e Van de Beek, mas nenhum deles começou jogando. O meio-campo teve Scott McTominay, Fred e Bruno Fernandes.

Com o empate por 1 a 1 em Old Trafford, o Manchester United começou a partida eliminado. Precisava marcar pelo menos um gol. Não deveria ser uma missão tão difícil, mas os últimos jogos foram de seca. O gol de Pogba no começo do segundo tempo foi apenas o quinto dos Red Devils em sete jogos por todas as competições.

Era mais cômodo ao Milan que, mesmo assim, foi o time mais perigoso do primeiro tempo. As duas equipes trocaram chutes de fora da área, com Bruno Fernandes e Fred para o United e Késsie e Saelemakers para o Milan. Apenas esse último exigiu uma boa defesa do goleiro adversário. Dean Henderson, mantido na Liga Europa apesar do retorno ode David de Gea, espalmou para o lado. Logo na sequência, Saelemakers disparou pela direita e cruzou para Krunic na segunda trave. Pressionado por Wan-Bissaka, ele não conseguiu finalizar direito.

Solskjaer colocou Pogba no lugar de Rashford no intervalo – e brilhou. Aos três minutos, Bissaka recebeu a inversão de jogo pela direita e acionou Daniel James. O chute bloqueado sobrou no outro lado da área. Çalhanoglu e Soualiho Meïté tiveram a chance de afastar e não conseguiram. No fim, Pogba encontrou um espaço mínimo para acertar um chute alto e balançar as redes pela única vez no jogo.

O Milan lutou para tentar pelo menos forçar a prorrogação. Henderson fez outra boa defesa em jogada de Saelemakers e uma ainda melhor quando Ibrahimovic subiu mais alto que Luke Shaw para cabecear o cruzamento de Çalhanoglu à queima-roupa. O jovem goleiro inglês mandou por cima do travessão com apenas uma mão.

Apesar da pressão no fim, o Milan teve que engolir a eliminação e a quarta derrota em seus últimos dez jogos por todas as competições. A temporada que parecia tão promissora, e chegou a projetar até um possível título italiano, começa a fugir do seu controle. Ganhou apenas duas dessas dez partidas e viu a Internazionale abrir nove pontos na liderança. Mesmo a vaga na próxima Champions League está ameaçada, com o Napoli podendo ficar a apenas três pontos caso ganhe o jogo que tem a menos.

Enquanto isso, o United segue em frente na Liga Europa.

.

.


.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo