Liga Europa

O Slavia Praga repete o impacto na Liga Europa e despacha o Rangers com um maiúsculo triunfo na Escócia

Pela terceira temporada consecutiva, o Slavia Praga causa impacto na Europa. Os tchecos dominam a liga local e começaram a apresentar suas forças além das fronteiras em 2018/19, quando alcançaram as quartas de final da Liga Europa. Naquela ocasião, foram capazes de despachar o hegemônico Sevilla e deram trabalho ao futuro campeão Chelsea, que os tirou do caminho. Em 2019/20, o sorteio da Champions não ajudou, mas os alvirrubros ainda foram um osso duro de roer no grupo contra Barcelona, Borussia Dortmund e Internazionale. Já nesta quinta, o Slavia repete seu alto nível na Liga Europa. Retorna às quartas de final, ao eliminar o Rangers no Estádio Ibrox, com uma vitória incontestável por 2 a 0.

VEJA TAMBÉM: A grandeza do Slavia Praga, um clube em constante mutação

O Slavia Praga, cabe lembrar, teria seu caminho desviado à Liga Europa nesta temporada, depois de uma improvável derrota por 4 a 1 para o Midtjylland na última fase preliminar da Champions – em partida na qual os tchecos eram melhores, até desabarem no fim. A recuperação na Liga Europa seria expressiva, com a classificação num grupo que ainda tinha Bayer Leverkusen, Nice e Hapoel Be’er Sheva. Nos 16-avos de final, outro resultado histórico ao Slavia, que desbancou o Leicester com uma vitória dentro do Estádio King Power, depois do empate em Praga. Pois o filme se repetiria contra o Rangers nas oitavas. O empate por 1 a 1 na República Tcheca parecia deixar o caminho aberto aos escoceses, mas foram os visitantes que triunfaram em Glasgow.

Era um começo de jogo aberto em Ibrox, mas o Slavia Praga se mostrava mais agressivo e conseguiria o primeiro gol com apenas 14 minutos. Jan Boril cruzou da esquerda e Peter Olayinka se antecipou para cabecear no primeiro pau, mandando a bola no canto inferior de Allan McGregor. Com a vantagem, os tchecos podiam esperar mais na defesa e aproveitar a velocidade de seu ataque. O Rangers pressionou no restante do primeiro tempo, sem acertar a pontaria, e ainda respirou aliviado quando a arbitragem não marcou um pênalti sobre Abdallah Sima pouco antes do intervalo, em jogada revisada pelo VAR.

O segundo tempo recomeçou equilibrado, até se tornar desastroso ao Rangers. O sonho ruiu aos 16 minutos, quando Kemar Roofe deu uma entrada criminosa no goleiro Ondrej Kolar e acertou uma solada no rosto do adversário. O meia, que tinha saído do banco pouco antes, recebeu o vermelho direto. Já Kolar ficou caído no gramado por alguns minutos e precisou sair, para receber pontos no rosto, substituído pelo reserva Matyas Vagner, de apenas 18 anos e em sua estreia pelo clube.

Mesmo com um a menos, o Rangers seguiu tentando, mas o jogo acabou de vez aos 28. Leon Balogun deu uma entrada dura e recebeu o segundo amarelo. Como se não bastasse, logo na sequência, o Slavia ampliou com um golaço de falta. Nicolae Stanciu cobrou com enorme capricho e mandou a bola na gaveta. Os alvirrubros ainda pareciam mais preparados ao terceiro, mas os minutos finais foram marcados mesmo pela confusão, com outro desentendimento entre os jogadores quase provocando mais cartões. Na bola, o Slavia foi claramente superior e mereceu a classificação.

O Rangers se despede com uma dose de melancolia, mas ainda assim uma ótima campanha europeia que reiterou a temporada histórica em Ibrox. Os Teddy Bears, afinal, sofreram apenas sua segunda derrota em 2020/21, somando todas as competições. Para levantar o ânimo, no final de semana acontece o clássico contra o Celtic, celebrando a reconquista do Campeonato Escocês após dez anos na casa dos maiores rivais.

A grande história desta quinta, todavia, é do Slavia Praga. Ao longo dos últimos anos, os tchecos deram provas mais que contundentes de sua força e não devem ser vistos como azarões durante o sorteio das quartas de final nesta sexta. Se a campanha repete o sucesso de 2018/19, o objetivo do Slavia é igualar o desempenho de 1995/96, quando o time estrelado por Karel Poborsky eliminou a Roma e alcançou as semifinais da então chamada Copa da Uefa, superado apenas pelo Bordeaux. O sonho parece palpável. O clube ainda está a ponto de ser tricampeão tcheco, com uma vantagem de 14 pontos na liderança da liga.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo