Liga Europa

O Rangers não teve piedade de um caótico Dortmund e deu uma pancada por 4 a 2 no Signal Iduna Park

Com muita personalidade e agressividade, o Rangers conquistou uma vitória inapelável, em mais um capítulo da temporada claudicante do Dortmund

O Borussia Dortmund faz uma temporada complicada. A equipe de Marco Rose custa para ter regularidade, segue com os velhos problemas na defesa e passa vergonha nas competições continentais. Não bastasse a queda precoce na Champions League, o BVB estreou nos mata-matas da Liga Europa tomando uma paulada do Rangers, que volta a se reafirmar internacionalmente. Erling Braut Haaland até fez falta no Signal Iduna Park, mas não dá para colocar as debilidades dos aurinegros na noite apenas na conta do desfalque. Os Teddy Bears, então, deitaram e rolaram. Partiram para cima da frágil defesa e venceram por um inesquecível 4 a 2, num resultado que aproxima a classificação para as oitavas de final, antes do reencontro em Ibrox na próxima semana. Alfredo Morelos e Ryan Kent, em especial, foram tormentos para os alemães.

O Rangers começou a partida num ritmo muito forte e intimidou o Borussia Dortmund. Os escoceses eram agressivos no ataque e logo começaram a rondar o gol adversário, deixando a defesa aurinegra em perigo. Aos dez minutos, Borna Barisic recebeu em ótimas condições na área e forçou grande defesa do goleiro Gregor Kobel. Só depois disso que o BVB começou a aparecer um pouco mais no ataque e a ameaçar o gol. Os alemães tinham mais posse de bola, sem acertar a conclusão dos lances. Dan-Axel Zagadou teve uma cabeçada livre que praticamente recuou ao goleiro Allan McGregor. Aos 27, um passe rasteiro cruzou pela pequena área, sem que Marco Reus ou Donyell Malen concluíssem. Já aos 33, Reus bateu fraco e Barisic rifou quase em cima da linha.

O Rangers estava bem mais contido na metade final do primeiro tempo, se defendendo com competência, e contou com sua força nas bolas paradas para abrir ótima vantagem. Aos 38, numa bola alçada, Dan-Axel Zagadou usou o braço. Pênalti que o capitão James Tavernier converteu. Os aurinegros pareciam sentir o baque e, aos 41, já veio o segundo gol. Depois de uma cobrança de escanteio, a bola foi desviada no primeiro pau e Alfredo Morelos completou sozinho na pequena área, quase em cima da linha. O Dortmund nem teria muito tempo para sinalizar qualquer reação. Os problemas eram claros, especialmente pela falta de proteção no meio.

O Borussia Dortmund voltou para o segundo tempo com necessárias mudanças. Youssoufa Moukoko e Giovanni Reyna entraram, com as saídas de Julian Brandt e Axel Witsel. Mas não que a melhora tenha sido imediata. Logo aos três minutos, o Rangers marcou o terceiro. Ryan Kent fez um carnaval para cima da marcação pela esquerda e, depois de enfileirar adversários, rolou para trás. John Lundstram bateu bonito na bola e acertou um tiro cruzado no canto, tirando do alcance de Kobel. Para sorte do BVB, o primeiro gol surgiu logo depois. Seria a vez de Moukoko infernizar a vida dos adversários com seus dribles e abrir um clarão na zaga. O corte foi apenas parcial e, na sobra, Raphaël Guerreiro ajeitou para Jude Bellingham chutar firme às redes.

Até parecia que o Dortmund tinha capacidade de reagir. Só que um novo banho de água fria veio aos nove minutos, com o quarto gol do Rangers. Em arrancada pela esquerda, Joe Aribo abriu com Morelos. O artilheiro tocou para o meio da área e Zagadou desviou com o bico da chuteira, marcando o gol contra. O BVB ensaiou um abafa na sequência, mas nada que durasse muito. O Rangers seguia com o controle do jogo, seja para fechar sua área ou para administrar a posse no campo defensivo. Quando os Teddy Bears voltaram a encaixar um contra-ataque, aos 21, Aribo mandou um míssil rente à trave que quase rendeu o quinto gol.

O Borussia Dortmund não dava sinais concretos de perigo. Em outra atuação ruim, Malen deu lugar a Steffen Tigges aos 23. O Rangers era mais direto quando subia ao ataque e adiantava sua marcação em certos momentos. Uma nova chance para os alemães surgiria só aos 32, mas Nico Schulz bateu fraco e facilitou a defesa de McGregor. O time precisava encontrar um coelho na cartola e ele veio aos 37, quando Guerreiro arriscou um chute cheio de efeito do meio da rua e encontrou as redes, deixando McGregor pregado. Com o segundo gol, o próprio Signal Iduna Park acordou.

Reinier entrou no lugar de Marco Reus nessa reta final, enquanto o Rangers teria Glen Kamara e Aaron Ramsey para ganhar mais qualidade no meio. As mudanças quebraram o ritmo do jogo e não permitiram que o Dortmund crescesse tanto. Apesar da necessidade, a equipe permanecia com uma dose grande de letargia e tinha problemas até para tentar forçar cruzamentos. Os Teddy Bears mantinham a segurança de sua meta. Os cinco minutos de acréscimos renderiam pouco. Ficaria a frustração alemã e a festa escocesa.

O Rangers vinha de duas classificações consecutivas aos mata-matas da Liga Europa e teve vitórias marcantes nessas campanhas com Steven Gerrard. O triunfo no Signal Iduna Park, no entanto, marca esse período histórico do clube e mostra como o legado do antigo treinador segue muito bem dirigido por Gio van Bronckhorst. Já o Borussia Dortmund chega num momento em que pensar a troca de Marco Rose parece plausível. As frustrações se acumulam com mais frequência neste início de 2022, com a eliminação na Copa da Alemanha para o St. Pauli e a goleada do Bayer Leverkusen na Bundesliga. Esse é mais um golpe forte, numa competição que poderia servir de alento ao restante do ano.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo