Liga Europa

O Olympiacos doutrinou o Fenerbahçe em Istambul e ainda contou com uma pintura de Masouras

Masouras foi o grande pesadelo do Fener na Liga Europa, com dois gols e uma assistência

Fenerbahçe e Olympiacos fizeram um duelo de peso na Liga Europa, seja pela tradição dos clubes ou pela rivalidade histórica entre turcos e gregos. A partida no Estádio Sükrü Saraçoglu, no fim das contas, teria uma vitória imponente dos alvirrubros. O Olympiacos conseguiu enfiar 3 a 0 sobre o Fener, por mais que os anfitriões também tenham criado suas chances. E o resultado categórico teve inclusive um golaço, anotado por Giorgos Masouras, que embelezou um pouco mais a fantástica noite dos visitantes em Istambul.

O Olympiacos abriu o placar na Turquia logo aos seis minutos. Os alvirrubros construíram um contra-ataque de manual, com Masouras servindo Tiquinho Soares, que deu um leve toque por cima do goleiro Altay Bayindir. O primeiro tempo seguiu aberto, com chances para os dois lados, mas pressão maior do Fenerbahçe. E a volta do intervalo guardou um bombardeio dos turcos, que chegaram até mesmo a carimbar a trave com Dimitrios Pelkas. Erros que custaram caro pouco depois.

O golaço de Masouras saiu aos 17 minutos, depois de uma grande defesa de Bayindir. Na sobra, o meia dominou a bola espirrada com muita qualidade e, sem deixar a criança cair, emendou um sem-pulo sensacional. A bola no alto não deu chances ao goleiro adversário. Seria de Masouras também o tento que concluiu o resultado. Seis minutos depois, o grego mandou no cantinho outro rebote na entrada da área.

O Olympiacos lidera o Grupo D da Liga Europa, com seis pontos. A segunda colocação é do Eintracht Frankfurt, que venceu o Royal Antuérpia por 1 a 0 na Bélgica, com um gol de pênalti de Gonçalo Paciência já no final. O Fenerbahçe aparece em terceiro, com um ponto.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo