Liga Europa

O Barcelona até buscou o empate, mas o Frankfurt merece reconhecimento pela ótima atuação na Alemanha

O Eintracht Frankfurt soube amarrar o jogo do Barcelona e até saiu em vantagem, com a melhora dos espanhóis só depois das entradas de Dembélé e Frenkie de Jong

O Barcelona, por tamanho e também por fase recente, é o favorito ao título da Liga Europa. Isso não quer dizer que os blaugranas poderão ligar o piloto automático na competição. Prova disso aconteceu na ida das quartas de final, num jogo em que o Eintracht Frankfurt complicou bastante na Alemanha. O clima inflamado no Deutsche Bank Park empurrou o time da casa, que travou muito bem os espanhóis no primeiro tempo e abriu o placar com um golaço no início do segundo. O Barça voltou para o jogo apenas a partir das entradas de Ousmane Dembélé e Frenkie de Jong, inicialmente poupados, mas que deram outra cara ao time depois que saíram do banco. Ainda assim, prevaleceu o empate por 1 a 1, que ressalta a competência do Frankfurt e exigirá uma resposta do Barcelona no Camp Nou.

Quem imaginava uma grande partida nem precisou esperar muito. Logo aos três minutos, Ferran Torres chutou de fora e buscou o ângulo. Acabou frustrado por uma defesa gigantesca de Kevin Trapp, que desviou com a ponta dos dedos. Com velocidade pelos lados, o Eintracht Frankfurt deu o troco antes dos cinco. Numa bola rasteira dentro da área, ninguém conseguiu chutar e Ansgar Knauff acabaria bloqueado na hora da batida. Pouco depois, Filip Kostic exigiu a primeira defesa de Marc-André ter Stegen, com segurança. E o lance mais perigoso nessa sequência viria num passe de Jesper Lindström para Djibril Sow, que chutou com espaço e mandou muito perto da trave. Os dois times vinham de peito aberto.

Com o passar dos minutos, a poeira baixou um pouco. O Barcelona tinha mais a bola, mas o Frankfurt trancava sua marcação e fazia um excelente trabalho, especialmente para conter os meio-campistas blaugranas. Quando Pierre-Emerick Aubameyang escapou pela direita, após uma bola roubada, seu chute com pouco ângulo acabou repelido por Kevin Trapp. E uma má notícia para os catalães veio aos 24, quando Gerard Piqué saiu lesionado, dando lugar a Clement Lenglet. A partida seguiu equilibrada, com as Águias controlando o Barça na defesa e ainda conseguindo avanços esporádicos ao ataque.

O Barcelona voltou a dar um susto com 30 minutos, em lance no qual Pedri ficou a centímetros de completar diante do gol, embora estivesse impedido. Seria um espasmo, antes de um momento no qual o Frankfurt conseguiu desfrutar de uma posse ofensiva maior e incomodava. Aos 38, as Águias ganharam um pênalti. Numa jogada pela esquerda, Ter Stegen rebateu o cruzamento rasteiro de Kostic, mas Sergio Busquets derrubou Rafael Santos Borré no rebote. Porém, a marcação seria revertida após revisão no monitor, com Busquets tocando antes a bola. Apesar da frustração, os alemães seguiram melhores até o intervalo e pressionaram mais, mesmo sem oportunidades cristalinas.

O segundo tempo começou e o Barcelona mal conseguiu sentir o jogo. O Eintracht Frankfurt abriu o placar aos três minutos, na sequência de um escanteio. Knauff pegou a sobra na entrada da área e deu uma sapatada. A bola pegou um lindo efeito e, saindo do alcance de Ter Stegen, morreu no ângulo. Um golaço, que aumentava a pressão sobre os blaugranas. E quase saiu o segundo na sequência, em contra-ataque puxado por Kostic. Lindström teve a chance de bater, mas arrematou para fora. Os blaugranas sentiram o gol e sofriam com os contragolpes dos alemães. Aos dez minutos, a equipe da casa teria uma sequência de finalizações bloqueadas, com os espanhóis se safando no limite.

O Barcelona demorou a ficar um pouco mais no ataque. Quando conseguiu, não tinha penetração. Aos 17, Frenkie de Jong e Ousmane Dembélé reforçaram a equipe, saindo Adama Traoré e Gavi. A primeira chance depois disso veio com Ferran Torres, que cortou a marcação e isolou o chute na área. O crescimento do Barça com os substitutos permitiria o empate aos 20. Foi uma tabelinha belíssima, com a participação de Dembélé e De Jong. O holandês trocou passes com Ferran Torres e o ponta bateu rasteiro dentro da área, para o barbante. O momento da partida parecia virar.

Apesar dos temores, o Eintracht Frankfurt voltou a encaixar sua marcação e a sair para o jogo. Todavia, Tuta deixaria os alemães com um homem a menos aos 33, quando recebeu o segundo amarelo. Antes que a diferença numérica fizesse efeito, quase as Águias retomaram a vantagem com Evan Ndicka, que passou no meio de dois com um drible de letra e arrematou cruzado muito perto do poste. Os minutos finais, ainda assim, seriam jogados nos arredores da área do Frankfurt. O Barcelona trocava passes e tentava encontrar uma brecha, mas os anfitriões resistiam. Os espanhóis também não conseguiram efetuar suas finalizações e tiveram que se contentar mesmo com o empate. De certa forma, era um prêmio à consistência dos anfitriões.

O favoritismo do Barcelona permanece para o reencontro no Camp Nou. Entretanto, não foi a equipe dominante sob as ordens de Xavi que se viu nas últimas semanas. O Eintracht Frankfurt teve um ótimo plano de jogo e merece elogios por sua atuação no Deutsche Bank Park. Não sair com a vitória deixa a classificação mais difícil para os alemães, mas as Águias possuem virtudes para engrossar o caldo e, quem sabe, surpreender os blaugranas.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo