Liga Europa

O Arsenal flertou com a decepção, mas contaria com dois petardos e Gabriel Magalhães para superar o Olympiacos

O Olympiacos teve o gosto de ser o algoz do Arsenal na Liga Europa passada. Ainda nos 16-avos de final, os gregos perderam por 1 a 0 em Pireu, mas deram o troco em Londres e se classificaram na prorrogação. Os Gunners, no entanto, encaminham a possível revanche logo no duelo de ida das oitavas de final. Novamente no Estádio Karaiskakis, os ingleses entregaram um gol aos anfitriões, mas conseguiram buscar a vitória por 3 a 1 no fim. Odegaard e Elneny assinaram pinturas em pancadas de longe, enquanto Gabriel Magalhães também seria decisivo no ataque.

O Arsenal teve boas chances de construir o placar desde os primeiros minutos. Martin Odegaard bateu para fora na primeira chegada, antes que José Sá salvasse uma cabeçada de Pierre-Emerick Aubameyang com grande defesa. A bola ainda desviou em Sokratis e o português mandou contra o travessão. A partida se desenvolvia ao gosto dos Gunners, que contavam com muita participação de Bukayo Saka. Odegaard, por sua vez, tornaria responsável pelo primeiro gol, aos 34. Com espaço na intermediária, o meia mandou uma sapatada. A bola foi no meio do gol, com efeito, e José Sá não conseguiu espalmar.

O Arsenal, entretanto, cometia seus vacilos defensivos desde a primeira etapa. Antes do gol, Odegaard já tinha errado um passe e só não foi punido porque Bruma bateu em cima do goleiro. Depois, David Luiz quase entregou o empate. O zagueiro deu a bola no pé de Giorgos Masouras, que ficou de frente com Bernd Leno e acabou mandando para fora. O sinal de alerta estava ligado, por mais que os Gunners jogassem para construir um placar mais confortável. Willian ainda teria um chute desviado antes do intervalo.

O Arsenal ainda era melhor na volta ao segundo tempo, mesmo com duas mudanças no Olympiacos. Porém, os londrinos jogariam fora sua vantagem aos 13 minutos. O empate veio exatamente num erro de saída de bola, com Dani Ceballos dando o presente nos pés de Youssef El-Arabi. O atacante aproveitou Leno fora de posição e bateu de fora da área. Os Gunners sentiram o gol, com o Olympiacos aproveitando o momento. A virada poderia ter saído aos 22, com o próprio El-Arabi, mas sua chance na marca do pênalti acabou desviada para fora.

Com o passar dos minutos, o Arsenal voltou a dominar a partida, mas encontrava dificuldades para criar suas chances. A defesa do Olympiacos permanecia atenta para travar os adversários. Até que o segundo gol viesse aos 34. Depois de uma cobrança de escanteio, Willian cruzou e Gabriel Magalhães passou como elemento surpresa para concluir de cabeça, tirando do alcance de José Sá. Pouco depois, Mikel Arteta promoveu três mudanças. E um dos substitutos, Mohamed Elneny, fechou o placar com outro belo gol. O egípcio mandou um míssil de longe, no cantinho de José Sá. Depois disso, bastou administrar a vantagem, antes do reencontro na Inglaterra.

O Arsenal terá um compromisso fundamental no fim de semana, ao encarar o Tottenham no Estádio Emirates. Vale pela honra no clássico, já que a distância em relação ao G-4 é enorme. O melhor que os Gunners podem fazer é concentrar suas forças na Liga Europa, e a primeira vitória sobre o Olympiacos facilita o serviço nas oitavas, espantando o fantasma de 2019/20.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo