Liga Europa

Benfica e Rangers fizeram um jogaço na Luz, com Darwin Núñez saindo do banco para salvar o empate aos encarnados

O Estádio da Luz recebeu nesta quinta-feira um encontro de camisas pesadas pela Liga Europa, com o embate entre Benfica e Rangers. Pois o encontro das equipes treinadas por Jorge Jesus e Steven Gerrard, mais do que nome, proporcionou um jogaço dentro de campo. Os lusitanos saíram em vantagem logo cedo, mas a expulsão de Nicolás Otamendi dificultou as coisas ainda no primeiro tempo. Os escoceses aproveitaram a vantagem e viraram o placar rapidamente, dominando o encontro em Lisboa. Contudo, Darwin Núñez justificaria outra vez sua contratação. O jovem centroavante saiu do banco e, nos minutos finais, anotou dois gols que valeram o suado empate por 3 a 3 aos benfiquistas.

Com Everton Cebolinha entre os titulares, o Benfica abriu o placar logo no primeiro minuto. Rafa ganhou a bola pela direita e chegou à linha de fundo. Desafortunadamente, Connor Goldson desviou o cruzamento contra as próprias redes. Apesar da vantagem dos encarnados, o duelo seguiu equilibrado, até que o lance capital ocorresse aos 19 minutos. Ryan Kent saía de frente para o gol após lançamento, quando Otamendi resolveu segurar o adversário fora da área. Por conta da chance manifesta de gol, o zagueiro recebeu o vermelho direto. Jorge Jesus optou por tirar Pizzi, recompondo a zaga com Jardel.

O Rangers nem demoraria muito para tirar proveito da situação. Aos 24, o placar estava igualado. James Tavernier recebeu um ótimo passe nas costas da marcação e cruzou rasteiro. No meio da área, Diogo Gonçalves tentou tirar e mandou contra as próprias redes. E a virada viria no ataque seguinte, aos 25. Num avanço rápido, Alfredo Morelos inverteu para Glen Kamara. O meia limpou a marcação na entrada da área e bateu no canto, contando também com a colaboração do goleiro Odisseas Vlachodimos.

A partida seguiu nas mãos do Rangers. A equipe de Steven Gerrard se mandava ao ataque e contava bastante com o apoio de seus laterais. Joe Aribo foi quem mais ameaçou pelo terceiro, enquanto Jan Vertonghen liderava a resistência do Benfica. Na volta do intervalo, Jesus logo promoveu duas trocas, tirando seus laterais titulares para mandar a campo Gilberto e Álex Grimaldo. Nada que adiantasse tanto, com o terceiro tento dos escoceses aos seis minutos. Em novo avanço pela ponta direita, Tavernier invadiu a área e serviu Morelos na pequena área. Cebolinha não via a sombra do lateral adversário.

Mesmo com a vantagem estabelecida, o Rangers buscava mais o gol. A equipe atacava com velocidade e poderia até assinalar o quarto, quando Kent acertou a trave de Vlachodimos aos 17. A esperança do Benfica era que seus atacantes substitutos funcionassem, com as entradas de Darwin Núñez e Luca Waldschmidt. Ambos seriam vitais, especialmente o uruguaio. Os encarnados voltaram ao jogo aos 32. Numa sequência de bobeiras da defesa escocesa, Darwin passou pelo goleiro Allan McGregor e só rolou para Rafa escorar à meta vazia.

O Rangers tentava esfriar a partida com a posse de bola no campo ofensivo e de novo poderia ter balançado as redes, mas Vlachodimos parou Morelos. Já nos acréscimos, um contra-ataque permitiu o suado empate lusitano aos 46. Waldschmidt enfiou a bola na medida e Darwin bateu na saída de McGregor. O centroavante, que já tinha marcado três gols em sua estreia no torneio continental, reforçou sua valia ao Benfica.

Benfica e Rangers dividem o topo do Grupo D da Liga Europa. Ambos os times somam sete pontos, com a vantagem aos encarnados no saldo de gols. Mais abaixo, o Lech Poznán é que mais ameaça. Os poloneses somaram seus primeiros três pontos nesta quinta, depois de derrotarem o Standard de Liège por 3 a 1.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo