Europa

Em jogo decisivo na Turquia, a torcida do Trabzonspor não pôde entrar, mas ergueu sua arte nas arquibancadas

O Campeonato Turco está entre as raras ligas filiadas à Uefa que mantêm suas atividades, mesmo com a pandemia de coronavírus. Até existia a possibilidade de que os jogos acontecessem com portões abertos neste final de semana, mas o mínimo de coerência preponderou e os estádios terminaram fechados – sobretudo pela realização do clássico entre Galatasaray e Besiktas, que costuma atrair torcedores de origem turca residentes em outros países. Já no duelo entre Trabzonspor e Istambul Basaksehir, a torcida marcou presença até mesmo com as tribunas esvaziadas.

O jogo tinha importância direta à liderança da Süper Lig. Trabzonspor e Istambul Basaksehir começaram a rodada igualados no topo da tabela, com o confronto direto servindo de primeiro critério de desempate. Assim, os torcedores mantiveram a coreografia preparada ao embate. Ergueram um bandeirão com os jogadores vibrando e a imagem do troféu, além de acenderem alguns sinalizadores. A arte ficou estendida enquanto a bola rolava no Estádio Senol Günes.

O empate por 1 a 1 não alterou a situação na tabela. Demba Ba abriu o placar ao Basaksehir no início do segundo tempo, mas Martin Skrtel anotou um gol contra logo depois e facilitou a igualdade ao Trabzonspor. Os dois times somam 53 pontos e, como também haviam empatado durante o primeiro turno, o Trabzonspor mantém a liderança graças ao saldo de gols. Galatasaray (50 pontos) e Sivasspor (49) são os outros que seguem no páreo. Resta saber até quando a Süper Lig seguirá em frente, com o governo turco também aumentando as medidas de prevenção ao coronavírus.

Classificações Sofascore Resultados

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo