Champions LeagueEuropa

O que eles esperam da final: Borussia Dortmund

É um dia especialíssimo para o Borussia Dortmund, que volta a uma final de Liga dos Campeões depois de 16 anos. Será a segunda oportunidade de título para os aurinegros, que venceram a Juventus em 1997 com dois gols de Karl-Heinz Riedle e Lars Ricken.

Os tempos agora são outros e um dos principais destaques do Dortmund naquela noite em Munique agora está do outro lado. Matthias Sammer se aposentou em 2001 e agora é assistente técnico de Jupp Heynckes no Bayern.

Vivendo a tensão de um confronto grandioso como esse, a turma do Borussia parece não estar assustada com o rival bávaro em Wembley. Confira as principais declarações pré-jogo.

***

Jürgen Klopp, treinador do Dortmund: “A melhor coisa que sentimos até agora é ter avançado para a segunda fase, pois foi especial como conseguimos fazer aquilo. A forma como o time jogou na fase de grupos foi surpreendente e o duelo contra o Manchester City serviu para nos abrir os olhos. Mostramos que podíamos competir contra as equipes mais fortes na Europa e até alcançar algo maior”.

Jürgen Klopp, treinador do Dortmund: “Nunca nos adaptamos aos nossos oponentes, nem o Bayern. Por que faríamos isso agora? Só porque uma final? A manobra é tratar isso como se fosse um jogo normal, mas executar de uma forma especial. Faremos isso e será decisivo”.

Jakub Blaszyczykowski, meia do Dortmund (sobre a imensa margem de pontos que o Bayern abriu na Bundesliga): “Temos muitas teorias que você poderia aplicar nesse caso, mas no fim veremos quem é melhor em campo, quem está num melhor dia. Nesse jogo em particular, o que vai decidir é a forma que você está na hora que a bola rolar. E mostramos que sabemos como jogar contra o Bayern, que os respeitamos. Certamente são um excelente time, mas sabemos das nossas habilidades e faremos tudo para mostrar nosso talento”.

Jakub Blaszyczykowski, meia do Dortmund (sobre Jürgen Klopp): “Não posso revelar todos os seus segredos, mas penso que ele é igual aos resultados que conquista. Todo esse trabalho é um reflexo de seu talento. O que ele fez aqui em Dortmund é incrível. Ganhamos a Bundesliga duas vezes e estamos na final da Liga dos Campeões, isso fala por si. Ele tem um contato muito próximo com os atletas, consegue dar um jeito em tudo, sabe como desenvolver cada jogador e levá-los ao nível mais alto.”

Sebastian Kehl, volante do Dortmund: “O termo gigante adormecido se encaixa muito bem. Tivemos tempos muito difíceis, sempre acreditei que há um poder incrível nesse clube para mostrar nossas forças financeiras e futebolísticas. Evidente que nos últimos três anos surpreendemos a todos. Houve um desempenho admirável num curtíssimo espaço de tempo. O Dortmund há de se tornar a segunda grande potência alemã”.

Sebastian Kehl, volante do Dortmund: “Estamos entrando no jogo com muito entusiasmo, mas também muita fé que conseguiremos vencer isso. Temos um plano e sabemos que podemos vencê-los. Eles [jogadores do Bayern] sabem que podem da mesma forma e é algo que tem de estar na mente deles o tempo todo.”

Mostrar mais

Felipe Portes

Felipe Portes é editor-chefe da Revista Relvado, zagueiro ocasional, ex-jornalista, cruyffista irremediável e desenhista em Instagram.com/draw.portes

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo