Champions League

Vivendo um mês brilhante, Kimmich evidencia o seu potencial para o Bayern

Joshua Kimmich chegou ao Bayern de Munique como uma grande aposta. Os bávaros pagaram €8,5 milhões ao Stuttgart – que, por sua vez, havia ativado a cláusula de recompra junto ao RB Leipzig, onde o garoto, então com 20 anos, realmente teve espaço. A partir de então, a evolução do polivalente jogador tem sido notável. Desde a última temporada, o novato entrou em diferentes posições do meio de campo e da defesa. Conquistou a Bundesliga e foi convocado à Eurocopa. Mesmo assim, fica difícil comparar as emoções vividas desde o início de setembro. O mês tem sido mágico a Kimmich. No intervalo de dez dias, o alemão descobriu sua veia artilheira: marcou o primeiro gol pela seleção, o primeiro na Bundesliga e, nesta terça, os primeiros na Champions. Foi às redes duas vezes na goleada por 5 a 0 sobre o Rostov.

Natural que se esperasse um massacre do Bayern. O time de Carlo Ancelotti finalizou 19 vezes, contra cinco dos russos, e teve 77% de posse de bola. Durante o primeiro tempo, a vitória já estava encaminhada. Robert Lewandowski abriu o placar cobrando pênalti, enquanto Thomas Müller ampliou, completando o cruzamento de David Alaba. Só depois do intervalo é que veio o brilho de Kimmich.

Posicionado pelo lado direito do meio-campo no 4-3-3 dos bávaros, o camisa 32 participou de todo o lance do terceiro tento. Iniciou a jogada e apareceu na área para escorar o passe incisivo de Douglas Costa. Depois, mesmo com apenas 1,76 m, subiu sozinho para desviar o cruzamento de Bernat e marcar o quarto. Por fim, o próprio lateral espanhol fechou a conta, em outra jogada pela ponta esquerda.

Kimmich teve influência enorme ao longo dos 90 minutos. Foi o jogador que mais efetuou passes e mais recebeu a bola durante o jogo. Também apareceu como o segundo em finalizações e desarmes entre os bávaros. Segundo o site WhoScored, que calcula as notas dos jogadores conforme as estatísticas, o camisa 32 mereceu um 10. Contra o Rostov, o nível exigência não foi tão alto. Mas o jovem de 21 anos aponta para a sua evolução. Segue com deficiências a corrigir. Algo que ele pode superar, diante do potencial e da pouca idade. O momento tem sido brilhante.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo