O venceu o RB Leipzig por 1 a 0. Por um lado, foi uma vitória muito importante, obrigatória até, para não se complicar bastante na fase de grupos da League. Por outro, a atuação serve muito pouco para afastar as dúvidas sobre o trabalho de Thomas Tuchel ou à evolução do que pretende ser um dos principais candidatos ao título europeu todos os anos.

É verdade que foi finalista da última edição. Também é que Tuchel estava pressionado antes da pausa de março e que o PSG passou por apuros contra a Atalanta antes de vencer confortavelmente o RB Leipzig e ser derrotado com certa folga pelo Bayern de Munique, apesar do placar apertado. A liderança na Ligue 1 é de apenas dois pontos, incomum nesse estágio da temporada desde o início do seu domínio , e na sexta-feira levou a virada do Monaco após estar ganhando por 2 a 0.

O maior problema tem sido a Champions League. Perdeu duas vezes nas primeiras três rodadas e, se não ganhasse do RB Leipzig, em casa, ficaria a ponto de ser eliminado. Mesmo o empate o deixaria com quatro pontos, contra sete dos alemães, com desvantagem no confronto direto, e nove do Manchester United, a duas rodadas do fim. Por isso a vitória foi tão importante, mesmo que tenha vindo com uma atuação bem abaixo do esperado.

E com um pênalti bem controverso. A transmissão não mostrou um ângulo que afastasse a sensação de que Di María se jogou ou que Sabitzer realmente o tocou de maneira faltosa. O assistente de vídeo aparentemente não interveio, e a infração foi confirmada. Neymar bateu bem e abriu o placar para o Paris Saint-Germain, ainda aos 11 minutos do primeiro tempo.

A situação ficou perfeita aos franceses. Com Neymar e Mbappé no ataque, teria espaço para contra-atacar e matar a partida, mas nem isso conseguiu fazer. Teria algumas ações relativamente perigosas, porque com esses é impossível não ter, mas a segunda finalização certa no jogo sairia apenas aos 48 minutos do segundo tempo, quando Rafinha exigiu defesa de Gulácsi.

Até lá, suou para se segurar contra o monólogo do RB Leipzig, com 62% de posse de bola, 15 chutes e uma série de lances perigosos. Logo depois do gol de Neymar, Poulsen rolou para Sabitzer chegar batendo da entrada da área. A bola desviou e passou perto do gol de Navas. No escanteio, o goleiro espalmou a cabeçada perigosa de Upamecano.

O Leipzig chegava nessa mistura entre chutes de fora da área, cruzamentos e escanteios. Aos 37 minutos, Poulsen fez novamente o pivô, e Haidara chutou de média distância para defesa de Navas com as pernas. Ainda antes do intervalo, Dani Olmo cruzou da direita. Fosberg apareceu bem dentro da área, mas pegou mal de primeira e mandou para fora.

O sueco teria outra oportunidade similar no começo da etapa final. Agora, o cruzamento foi de Mukiele. Poulsen não o alcançou, e Fosberg chegou batendo de canela. Para fora. Sabitzer teve outro chute de fora da área com perigo. O Leipzig seguiu atacando com muito volume, muitos cruzamentos, mas com conclusões, a maioria de cabeça, que não conseguiram levar tanto perigo.

E o PSG, apesar da pressão, conseguiu se segurar. Agora, a situação do grupo é outra. O Manchester United lidera com nove pontos, e franceses e alemães estão empatados com seis. O Basaksehir, que pode ser o fiel da balança, tem três.

.

Standings provided by SofaScore LiveScore

.

 

.