Champions League

Villarreal mostrou suas qualidades para segurar a Atalanta e se classificar às oitavas da Champions League

Em um jogo que chegou a abrir 3 a 0, Villarreal mostrou qualidades defensivas, conseguiu ser preciso no ataque, ainda sofreu dois gols, mas sai de campo classificado

O Villarreal esteve à altura da ocasião e conseguiu uma vitória das maiores dentro do Estádio Gewiss, em Bérgamo, diante da Atalanta. Com uma atuação precisa no ataque e segura na defesa, o Submarino Amarelo venceu por 3 a 2, fora de casa, e vai às oitavas de final do principal torneio de clubes da Europa. Um jogaço que os espanhóis chegaram a abrir 3 a 0, viram uma reação forte da Atalanta, que reduziu o placar para 3 a 2, mas a vitória ficou mesmo com o time comandado por Unai Emery.

O jogo foi adiado de quarta para quinta-feira pelas condições climáticas. O gramado estava completamente coberto de neve e mesmo com o aquecimento subterrâneo o estado do gramado ainda parecia difícil. Assim, a Uefa decidiu adiar o jogo paras esta quinta-feira, dia reservado normalmente aos jogos da Liga Europa e Conference League.

Foi um jogo como o previsto: a Atalanta esteve em cima a maior parte do jogo, tentou o ataque, mas o Villarreal foi preciso em contra-ataques, conseguiu seus gols e conquistou uma vantagem que seria grande demais para ser revertida, mesmo com uma Atalanta que não desistiu até o final e pressionou muito no segundo tempo.

Como era de se esperar, o início do jogo teve a Atalanta tomando a iniciativa do jogo, se colocando no ataque e tentando agredir desde os minutos iniciais. Só que nem deu tempo de aquecer na fria Bérgamo. Tomaram um balde de água fria no primeiro ataque do Villarreal.

Logo a dois minutos de jogo, Merih Demiral perdeu a bola no meio-campo, Dani Parejo tomou e lançou rápido para Arnaut Danjuma nas costas da defesa e foi até a área, tocou por baixo do goleiro Juan Musso e saiu para o abraço: 1 a 0 para o Submarino Amarelo.

O gol foi um dos poucos moimentos que o Villarreal chegou até a área da Atalanta. O primeiro tempo foi todo assim, com Duván Zapata brigando muito contra a defesa dos espanhóis. Particularmente o duelo com Pau Torres foi daqueles de encher os olhos. O zagueiro espanhol mostrou qualidade em fechar os espaços, enquanto o colombiano sempre se mostrou perigoso, mas não conseguia finalizar de forma limpa.

Só que no final do primeiro tempo, o Villarreal aproveitou outra chance para ampliar. Desta vez, foi Capoué que recebeu dentro da área, girou e bateu forte, no alto, para marcar um golaço: 2 a 0 para os visitantes em pleno Estádio Gewiss. Um resultado incrível.

Para o segundo tempo, a Atalanta voltou já com duas mudanças de cara. O técnico Gian Piero Gasperini colocou em campo Berat Djimsti e Ruslan Malinovskyi nos lugares de Demiral e Hateboer. A ideia, evidentemente, era ir ao ataque e tentar reverter o resultado. Com um time ofensivo, não dava para duvidar da capacidade dos bergamascos, mas era uma missão bem difícil.

Ficou ainda mais difícil logo a seis minutos da etapa final. Em uma jogada de raça de Gerrard Moreno, ele passou pela marcação, perdeu o ângulo, tomou para o meio para Danjuma receber, girar e chutar: 3 a 0 para o Villarreal em plena casa da Atalanta. A essa altura, só um milagre salvaria a Dea, que precisava vencer o jogo.

Gasperini colocou Luis Muriel em campo e jogou para os céus. O Villarreal ia bem em campo, mostrava organização e, apesar de defender bem atrás, por vezes dentro da própria área, não dava chances ao adversário. A Atalanta pouco conseguia criar e raramente conseguia finalizar sem pressão. A marcação era forte e segura.

As coisas esquentaram aos 25 minutos. Malinovskyi, de fora da área, chutou forte, a bola desviou e matou o goleiro Gerónimo Rulli: 3 a 1 e uma pequena ponta de esperança para os italianos. Ainda havia tempo, mas faltavam muitos gols.

Empolgada, a Atalanta seguiu pressionando. Conseguiu diminuir mais o placar em um passe de Ilicic para Zapata, que saiu na cara do gol. O colombiano deu um sutil toque por cima do goleiro e viu a bola entrar lentamente: 3 a 2, aos 35 minutos. Como diz o narrador Everaldo Marques, enquanto tem bambu tem flecha. E a Atalanta seguiu em cima.

A pressão foi enorme e a Atalanta fez o goleiro Rulli trabalhar. Eram cruzamentos, bola no bate-rebate dentro da área e muita pressão. Muriel chutou forte e a bola passou muito perto do gol. O goleiro do Villarreal não chegaria na bola.

Logo depois, Tolói teve a chance dentro da área, mas não conseguiu direcionar bem a finalização. Muriel novamente com um chute perigoso que acertou a trave e não entrou. A esperança existia, mas faltavam dois gols e a missão já parecia impossível. Com 45 minutos no relógio, o Villarreal tentava gastar o tempo.

Com a vitória, o Villarreal chegou a 10 pontos, deixando a Atalanta com seis. O único jeito da Atalanta se classificar era vencendo. Com a derrota, o time italiano termina em terceiro lugar, à frente do Young Boys, que ficou com cinco pontos, e vai à Liga Europa.

No fim, o placar ficou mesmo 3 a 2 para o Villarreal, o que consolidou a classificação dos espanhóis às oitavas de final. Se une a Atlético de Madrid, Benfica, Chelsea, Internazionale, PSG, Red Bull Salzburg e Sporting como times do pote 2, de segundos colocados. O pote 1 tem Ajax, Bayern de Munique, Juventus, Liverpool, Lille, Manchester City, Real Madrid e Manchester United.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo