Champions League

Um toque de classe de Griezmann ajudou o Atlético a vencer a molecada do Monaco e se classificar

OFERECIMENTO: Spin Sports

Eliminado da Champions League e com chances meramente teóricas de chegar à Liga Europa, o Monaco entrou em campo, nesta quarta-feira, para enfrentar o Atlético de Madrid com uma equipe cheia de garotos. Facilitou a vida dos comandados de Diego Simeone, que resolveram a vitória por 2 a 0 nos primeiros 24 minutos, com direito a um bonito toque de Antoine Griezmann.

LEIA MAIS: A emoção de uma senhora de 93 anos, apaixonada pelo Atleti, ao conhecer o Wanda Metropolitano

“Peço para os jovens se divertirem. Todos nós gostamos de jogar. Eles não estão vivendo um sonho aqui. É a realidade. Não há problema, para mim, escalar jovens jogadores. Pode não ser ideal para eles, mas eles precisam começar jogando um dia”, disse o técnico Thierry Henry, antes do jogo. A média de idade do time titular foi de 23,6 anos, ampliada pelas presenças de Benaglio, 35, e Raggi, 34, os únicos trintões. Foram quatro jogadores com menos de 20 anos, inclusive dois de apenas 17.

Logo no segundo minuto, Koke bateu de fora da área. A bola desviou em Miknayi e enganou Benaglio. Aos 24, Correa fez a jogada pela esquerda e contou com o escorregão de Jemerson para ter espaço para encontrar Griezmann, que dominou com a perna direita e achou o canto do goleiro com os três dedos da perna esquerda. Falcao García teve a chance de descontar, depois do intervalo, em pênalti cometido por Savic, que acabou expulso no lance. Mas bateu para fora.

O resultado retira até mesmo a pequena possibilidade de o Monaco ficar em terceiro lugar e garante o Atlético de Madrid nas oitavas de final: são 12 pontos para os colchoneros, oito a mais do que o Club Brugge, que joga mais duas vezes.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo