Champions LeagueEspanha

Caso Negreira: Barcelona disputará a Champions League 2023/24 – por enquanto

A Uefa admitiu o Barcelona provisoriamente na próxima temporada, mas aguarda o fim das investigações para tomar uma decisão definitiva

O Barcelona irá disputar a Champions League 2023/2024. Nesta quinta-feira (27), o Comitê de Apelação da Uefa anunciou que o clube catalão está provisoriamente admitido nas competições europeias da próxima temporada. Atual campeão espanhol, o Barça corria risco de não disputar o principal torneio de clubes do continente pelo ‘Caso Negreira’, no qual é acusado de corrupção e envolvimento em escândalo de arbitragem na Espanha.

Em comunicado oficial, a Uefa anunciou que o processo relacionado à admissão do Barcelona está suspenso, mas poderá ser retomado a pedido dos Inspetores de Ética e Disciplina encarregados do caso. Uma decisão final sobre a exclusão ou não do clube de competições futuras deverá ser tomada ao fim das investigações.

O Barça ainda é obrigado a manter os Inspetores de Ética e Disciplina atualizados sobre as investigações e a enviar todos os documentos e informações solicitados. Os responsáveis pelo caso enviarão um novo relatório à Uefa quando acreditarem que a admissão ou exclusão da equipe em torneios europeus deverá ser analisada.

Nas últimas duas edições da Champions, o Barcelona foi eliminado na fase de grupos e disputou o mata-mata da Liga Europa. Por ter vencido o Campeonato Espanhol 2022/2023, o time comandado pelo técnico Xavi Hernández será um dos cabeças de chave no sorteio dos grupos desta temporada, marcado para o fim de agosto.

O caso Negreira

Em março deste ano, a Justiça espanhola abriu um processo de denúncia contra o Barcelona e José María Enríquez Negreira, ex-vice-presidente da Comissão de Arbitragem de La Liga. De 2001 a 2018, Negreira recebeu pagamentos do clube catalão, o que virou um escândalo.

Todos os clubes de La Liga, além da própria entidade, entraram no processo como partes interessadas. O Barcelona justifica que os pagamentos, totalizados em € 7,3 milhões, foram pela contratação de Negreira como consultor externo, que enviava relatórios relacionados à arbitragem espanhola.

Alguns dos relatórios foram divulgados pela imprensa espanhola e só aumentaram as suspeitas de corrupção por trás do caso. Os papéis enviados por Negreira parecem mais um trabalho escolar mal feito, com erros de ortografia e informações rasas, e não passavam de duas ou três páginas.

A acusação é de que os relatórios serviam apenas como desculpa aos pagamentos destinados para garantir arbitragem favoráveis ao Barça. Negreira nega ter feito qualquer favorecimento ao clube catalão durante o período em que foi vice-presidente da Comissão de Arbitragem, mas declarou que recebia dinheiro para manter “arbitragens neutras” nos jogos da equipe.

Além de Barcelona e Negreira, também estão implicados no processo a empresa DASNIL 95 SL (que pertence ao ex-árbitro e recebeu os pagamentos), Sandro Rossell e Josep Maria Bartomeu, ex-presidentes do clube.

A Federação Espanhola de Futebol (RFEF) e o Alto Conselho de Esportes, órgão governamental, declararam que irão respeitar o processo legal antes de tomarem qualquer decisão sobre o caso. La Liga afirmou que as irregularidades prescreveram e, portanto, não poderá tomar medidas.

Na Uefa, por outro lado, não existe prescrição, e a entidade tem o direito de agir caso conclua que o clube infringiu suas regras.

Foto de Felipe Novis

Felipe Novis

Felipe Novis nasceu em São Paulo (SP) e cursa jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Antes de escrever para a Trivela, passou pela Gazeta Esportiva.
Botão Voltar ao topo