Champions League

Torcida do Celtic faz protesto pela Palestina em jogo contra clube de Israel na Champions

Não é de hoje que a torcida do Celtic costuma usar as arquibancadas como espaço para manifestações políticas. Em outras oportunidades, mesmo na Champions League, os ultras alviverdes já levantaram faixas defendendo a independência da Escócia e criticando a gestão da Uefa. Renderam multas e punições ao clube. Já nesta quarta, durante o confronto com o Hapoel Beer Sheva, a mensagem foi contundente, diante das circunstâncias. A Green Brigade ergueu dezenas de bandeiras da Palestina – o que soa como provocação aos israelenses, mas também é um posicionamento político e uma demonstração de solidariedade em relação aos palestinos.

VEJA TAMBÉM: Cinco momentos em que o futebol uniu palestinos e israelenses

Esta não foi a primeira vez que os torcedores do Celtic defenderam a causa palestina. Em 2014, durante um jogo da Champions contra os islandeses do Reykjavík, os ultras ergueram bandeiras do país árabe, assim como ocorrera dois anos antes, diante do Barcelona. “Por causa da identificação aberta com a luta irlandesa por independência, um torcedor politizado do Celtic quase que inevitavelmente irá estabelecer correlações com outros que consideramos sofrer injustiças análogas ao sofrimento do povo irlandês. Neste caso, olhamos a Palestina como um paralelo óbvio: a confiscação das terras, a legislação repressiva e a força militar excessiva para defender essas injustiças”, explica Sean O’Congaile, ex-membro do IRA e torcedor do Celtic, em entrevista à Vice. Vale ressaltar que o Celtic tem suas origens em imigrantes irlandeses, que haviam fugido da Grande Fome na década de 1840 e viviam marginalizados na Escócia.

celtic

Assim, diante do movimento óbvio, as autoridades escocesas já haviam advertido a Green Brigade sobre a presença de bandeiras da Palestina, ameaçando-os até mesmo de detenção. Não adiantou. A mobilização entre os demais torcedores aconteceu através de uma página no Facebook, intitulada “Erga uma bandeira pela Palestina, pelo Celtic, pela Justiça”, clamando contra o “Apartheid” realizado pelo estado de Israel.

Diante da manifestação no setor da Green Brigade, o Celtic deverá ser punido pela Uefa. Nos últimos cinco anos, o clube já sofreu oito sanções sobre o comportamento de seus torcedores nas competições europeias. Não deverá ser diferente desta vez. Os Bhoys venceram o duelo com o Hapoel Beer Sheva por 5 a 2, mas ainda terão que enfrentar a volta em Israel. Curiosamente, no segundo tempo entrou em campo o volante Nir Bitton. O jogador nascido na cidade israelense de Ashdod atua no clube desde 2013 e já chegou a sofrer com um pedido formal de torcedores para que seu contrato fosse terminado, depois que, em seus primeiros meses em Glasgow, se posicionou a favor dos exércitos de seu país lutando em Gaza. A situação, contudo, acabou contornada.

Trivela1

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo