Champions League

Thiago Motta derrubou o adversário com a nuca e cometeu pênalti pra lá de bizarro

O Paris Saint-Germain passou aperto nesta quarta-feira. Mesmo contra um adversário tão inferior como o Ludogorets, os franceses tiveram trabalho para sair com a vitória por 3 a 1 da Bulgária. Começaram atrás na partida e só abriram vantagem depois que o goleiro Alphonse Aréola defendeu um pênalti, que evitou o empate dos anfitriões. Salvou a pele de Thiago Motta, que cometeu uma das faltas mais bizarras dos últimos tempos. Depois de ter falhado no final de semana contra o Toulouse, o volante voltou a cometer um erro que quase custou caro.

O Ludogorets começou surpreendendo com um gol logo aos 15 minutos, em cobrança de falta do brasileiro Natanael Pimenta, que passou pelo meio da barreira. Pouco antes do intervalo, Blaise Matuidi conseguiu buscar o empate. Já na segunda etapa, Edinson Cavani virou, até o lance peculiar de Thiago Motta. O árbitro não teve dúvidas em punir o meio-campista, que, caído, calçou Marcelinho com a nuca – se é que isso é possível. Na cobrança de Cosmin Moti, Aréola defendeu. E a bola puniu os búlgaros rapidamente, com Cavani marcando mais um na sequência. Com a vitória, o PSG chega aos quatro pontos na Champions, liderando seu grupo ao lado do Arsenal.

Aréola, aliás, não foi o único goleiro a defender um pênalti na rodada. Em Rostov x PSV, Soslan Dzhanaev saiu como herói dos russos no empate por 2 a 2. Jogando em casa, o Rostov abriu vantagem no placar duas vezes, sempre levando o empate dos holandeses na sequência. Já no segundo tempo, Davy Pröpper teve a chance da virada, mas parou em grande defesa de Dzhanaev. É o segundo pênalti que os Boeren desperdiçam na Champions, depois que Andrés Guardado parou em Jan Oblak na estreia contra o Atlético de Madrid.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo