Champions League

Talento do Sevilla, Joaquín Correa protagonizou uma assistência deslumbrante na Champions

Uma das principais virtudes do Sevilla nos últimos anos é servir de vitrine a talentos sem muito nome, mas que se impulsionam através dos andaluzes. Nesta terça, quem figura nas manchetes é Wissam Ben Yedder. O centroavante não tem muita altura e possui um porte físico um tanto quanto robusto, mas sabe fazer gols. Foi assim em sua longa passagem pelo Toulouse, até que os rojiblancos o tirassem de lá. E o francês se encarregou de fazer os três gols na vitória por 3 a 0 sobre o Maribor, no Estádio Ramón Sánchez-Pizjuán. Entretanto, além do destaque óbvio, também vale mencionar Joaquín Correa. O argentino fez mágica na assistência para o primeiro gol.

Revelado pelo Estudiantes, Correa chegou à Europa através da Itália, contratado pela Sampdoria. Atuou pelos blucerchiati por uma temporada e meia, até que o Sevilla resolvesse apostar em sua compra. Os €13 milhões desembolsados pelos andaluzes, hoje, soam como pechincha. O camisa 11 já tinha ascendido como uma grata surpresa sob as ordens de Jorge Sampaoli. Acumulou oito gols e uma assistência, cavando seu lugar entre os titulares principalmente no primeiro semestre de 2017. Agora, sob as ordens de Eduardo Berizzo, faz a diferença na Liga dos Campeões.

Correa teve papel importante nas preliminares, quando deu a assistência para o primeiro gol na vitória sobre o Istambul Basaksehir. Ganhou destaque também na abertura da fase de grupos, buscando o empate por 2 a 2 contra o Liverpool. E fez o que quis nesta terça, diante do Maribor. Tudo bem que a defesa eslovena foi excessivamente frouxa. Ainda assim, driblar três com tamanha facilidade também demonstra o talento do camisa 11. Na saída do goleiro, apenas rolou para Ben Yedder. Já na comemoração, o gol parecia do próprio argentino, que abriu os braços diante das arquibancadas, antes de ser abraçado pelos companheiros. Terminou com um dos destaques do baile dos andaluzes – que ficou até barato, considerando as 26 finalizações da equipe e o 68% de posse de bola.

Aos 23 anos, Correa ainda precisa se aprimorar em certos pontos. Nem sempre escolhe a melhor jogada, por vezes erra demais nos cruzamentos. Mas possui muita qualidade técnica, especialmente nos dribles e nos passes. Amadurecendo, pode evoluir ainda mais no Sevilla. Tornar as boas atuações ainda mais frequentes.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo