Champions League

Richarlison decidiu e se emocionou numa estreia dos sonhos pela Champions, com dois gols contra o Olympique

O Tottenham tinha dificuldades para abrir o placar contra o Olympique, mesmo depois de uma expulsão dos franceses, mas Richarlison desequilibrou nos 15 minutos finais

Disputar uma Champions League é um objetivo da maioria absoluta dos jogadores profissionais. Richarlison não tinha experimentado essa oportunidade, até finalmente ser contratado pelo Tottenham nesta temporada. E o brasileiro tratou de tornar sua estreia em uma noite inesquecível, ao estrelar uma dura vitória no norte de Londres, num momento em que ainda perseguia seu primeiro gol pelo clube. Depois de um primeiro tempo morno, os Spurs tinham dificuldades para furar a defesa do Olympique de Marseille, mesmo com uma expulsão do lado celeste. A solução veio apenas nos 15 minutos finais, com dois gols pelo alto. Duas cabeçadas fulminantes de Richarlison, herói no triunfo por 2 a 0. No primeiro tento, a emoção estava expressa no rosto do atacante. E ele desabou de vez nas lágrimas após o apito final, quando se encontrou com familiares nas arquibancadas. Seu sonho de Champions se cumpriu da forma mais bonita.

Richarlison era exatamente uma novidade na escalação do Tottenham, mantido no ataque ao lado de Harry Kane e Son Heung-min. Antonio Conte também optava por Ivan Perisic na ala esquerda, enquanto Clément Lenglet era um dos reforços na zaga. O Olympique de Marseille reunia contratados recentes como Eric Bailly, Jonathan Clauss, Nuno Tavares, Jordan Veretout e Luis Javier Suárez. Gerson também compôs no 11 inicial, como um meia de ligação no 3-4-2-1 de Igor Tudor.

O primeiro tempo em Londres não tinha muitas emoções. O Olympique de Marseille tinha mais a bola e controlava a partida no campo de ataque. Entretanto, faltava penetração diante das linhas de marcação do Tottenham. Não que os Spurs fizessem tanto para responder, sem encaixar seus contragolpes. Somente depois dos 20 minutos é que os marselheses assustaram, numa batida de longe dada por Nuno Tavares. De qualquer maneira, era uma partida sem muita ação.

Nos 15 minutos finais do primeiro tempo, as equipes passaram a fluir e a arriscar mais. Foram alguns chutes travados, mas o Tottenham finalmente conseguiu conectar o seu ataque. Numa combinação entre Richarlison e Son Heung-min, Harry Kane teve a oportunidade de arriscar o tiro para fora. Já nos acréscimos, Mattéo Guéndouzi exigiu a primeira defesa de Hugo Lloris. De qualquer maneira, as duas equipes precisavam melhorar.

A história do jogo mudou logo no início do segundo tempo, com um cartão vermelho para o Olympique de Marseille aos dois minutos. Chancel Mbemba deu um carrinho sobre Son Heung-min e, por matar o contra-ataque na entrada da área, foi expulso. Gérson seria substituído logo depois, para Leonardo Balerdi recompor a zaga. A segunda etapa teria a bola nos pés do Tottenham, que encontrava dificuldades para destravar a defesa celeste. Não à toa, Antonio Conte deu muito mais agressividade ao time com 16 minutos, ao colocar Dejan Kulusevski na vaga de Emerson Royal. Mesmo assim, o time demorou a funcionar e abusava dos cruzamentos. Na primeira vez em que Ivan Perisic conectou com Richarlison, o atacante errou a cabeçada.

O Olympique botou Amine Harit e Sead Kolasinac na sequência do segundo tempo, enquanto o Tottenham renovou sua zaga com Ben Davies e Japhet Tanganga para evitar os contragolpes. Mesmo assim, quase Harit puniu os londrinos num lance em velocidade. E até por isso a presença de Richarlison se tornou tão providencial. O primeiro gol do brasileiro saiu logo na sequência, aos 31 minutos. A bola pelo alto deu certo e o atacante subiu bonito, sozinho, numa cabeçada perfeita após o passe de Perisic. A emoção era expressa no rosto do herói da noite, que cobria sua face sob as mãos. Seu primeiro gol pelo clube saiu em grande estilo.

O gol esfriou ainda mais os ânimos do Olympique de Marseille. O Tottenham aproveitou o momento e ampliou cinco minutos depois, aos 36. De novo Richarlison apareceu no alto para desferir a cabeçada, agora a partir de uma bola alçada por Pierre-Emile Hojbjerg. Diante da vitória assegurada, Conte preservou o resultado com as entradas de Matt Doherty e Yves Bissouma. O trabalho estava feito e, com um a menos, os marselheses não passaram de algumas tentativas travadas na reta final.

O Tottenham é favorito no Grupo D, um dos mais equilibrados nesta Champions. Entretanto, o esforço contra o Olympique de Marseille indica que a equipe não terá vida fácil. Pesa a qualidade do elenco dos Spurs e também as novas opções garantidas pelo clube. Brilha Richarlison, num início fantástico pela competição e, afinal, vivido à flor da pele. Será uma noite para levar para sempre na carreira.

Foto de Leandro Stein

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreveu na Trivela de abril de 2010 a novembro de 2023.
Botão Voltar ao topo