Champions League

Real Sociedad amarra Internazionale em empate chato e garante primeiro lugar do grupo na Champions

Partida de pouca emoção entre Internazional e Real Sociedad resultou na classificação dos espanhóis em primeiro no grupo D da Champions League

Pela última rodada do grupo D da Champions League, Internazionale e Real Sociedad ficaram no 0 a 0 nesta terça-feira (12). Sem emoção, a partida foi fraca, de duas equipes que pouco se arriscaram para vencer. Como já estavam classificados às oitavas de final, lutavam apenas pela liderança, que terminou com os espanhóis pela vantagem no saldo de gols (5 a 2), pois estavam empatados em pontos – 12 para cada.

Atual vice-campeã, a Inter pode se complicar no sorteio das oitavas por avançar em segundo. A boa Sociedad fez por merecer a primeira colocação da chave.

A estrutura tática das equipes

Já desfalcado pelas lesões de Denzel Dumfries, Benjamin Pavard e Stefan de Vrij, Simone Inzaghi decidiu poupar Nicolò Barella e Lautaro Martínez, que ficaram no banco de reservas para as entradas de David Frattesi e Alexis Sánchez, respectivamente. A defesa contava com o brasileiro Carlos Augusto, improvisado como zagueiro pela esquerda, ao lado de Francesco Acerbi e Matteo Darmin. Nas alas estavam Federico Dimarco e Juan Cuadrado, com Henrikh Mkhitaryan e Hakan Çalhanoğlu no meio, além de Frattesi. Marcus Thuram era o outro atacante, fazendo dupla com o chileno.

A Real Sociedad de Imanol Alguacil Barrenetxea utilizou um 4-3-3 que na saída de bola tinha o volante Martín Zubimendi aparecendo entre os zagueiros para dar superioridade numérica. Os laterais Hamari Traore e Aihen Muñoz jogavam mais por dentro, porque os pontas Takefusa Kubo e Mikel Oyarzabal ficavam bem abertos no momento avançado da construção ofensiva. O visitante também tinha ausências importantes, como o meia Brais Méndez e o ponta Ander Barrenetxea.

Real Sociedad encontra Inter fechada, que se solta no fim do primeiro tempo e assusta adversário

Apesar da Inter começar atacando no primeiro minuto, a Sociedad quase monopolizou a posse da bola por todo o tempo. Construindo desde a defesa, o time era pouco incomodado e conseguia fazer a transição defesa-ataque tranquilamente. Aparentemente, isso não era o que time espanhol queria. Em vários momentos, ficava claro que o objetivo deles era atrair os italianos para se aproveitar do espaço que abriria – não aconteceu.

Por outro lado, quando saia pelo chão, o clube nerazzurri conseguia atrair o adversário e dessa forma que Thuram causou o cartão amarelo de Igor Zubeldia em rápida transição. Mas a equipe de Inzaghi não conseguiu aproveitar a boa falta de fora da área.

Basicamente foi esse o roteiro da etapa inicial. A Real Sociedad com a bola, tocando normalmente entre os zagueiros ou no máximo na intermediária ofensiva, e a Inter rondando, pressionando muito pouco o adversário. Em meia hora, não houve nenhuma finalização correta, apenas três bloqueadas e uma para fora.

Imagem
Sociedad teve dificuldades para infiltrar na defesa da Inter, que levou perigo nos contra-ataques (Foto: Divulgação/Real Sociedad)

A partir dos 35, a Inter conseguiu encontrar espaços que não tinha antes. Em dois contra-ataques, quase marcou. No primeiro, Carlos Augusto recuperou e disparou para receber de novo na linha de fundo. O brasileiro cruzou, a bola desviou e Mkhitaryan cabeceou por cima do gol. Depois, Thuram carregou por dentro, tentou o passe e errou. A bola se ofereceu para Sánchez na direita da área, o chileno cruzou e Robin Ler Mand quase fez gol contra ao cortar o cruzamento. Na sobra, Traoré ainda tirou uma bola em cima da linha. No fim, o lance já estava irregular, segundo a arbitragem.

A resposta dos espanhóis veio em escanteio. Cobrança na segunda trave. Merino sozinho testou escorar para pequena área e Carlos Augusto conseguiu cortar. Mas a Inter estava on fire nos contra-ataques, encontrou mais espaços antes de acabar o primeiro tempo e pecou na tomada de decisão.

Etapa final até melhora, mas goleiros continuam sem trabalhar e jogo termina zerado

A Inter voltou para etapa final como terminou o primeiro: muito melhor e mais ligada. A pressão, não vista antes, era incessante e quase marcou em roubada de bola de Çalhanoglu, que dividiu, a bola veio no algo para Thuram tentar virar uma lambreta, mas a finalização foi por cima do gol. O árbitro marcou na origem da jogada.

A Real Sociedad soube superar o momento negativo ao rodar a bola e acalmar os italianos. Com 14 minutos, o meio-campista Beñat Turrientes entrou no lugar do centroavante Umar Sadiq, que foi pouquíssimo acionado. Com isso, Oyarzabal virou o atacante central dos espanhóis e Arsen Zakharyan o homem mais à esquerda.

No lado da Internazionale, Inzaghi colocou os titulares que pouco: Lautaro e Barella entraram nos lugares de Sánchez e Mkhitaryan, respectivamente. Ainda Thuram deu lugar a Marko Arnautovic.

Após as trocas, o jogo ficou interessante. Outrora ineficiente no ataque, o time visitante melhorou no jogo e começou a encontrar espaço. Zakharyan teve uma rara chance ao finalizar contestado na área, escanteio. Na cobrança, Oyarzabal recebeu quase na pequena área, mas não conseguiu chutar como queria porque foi agarrado – a arbitragem, no entanto, nada marcou. No lado Nerazzurri, Lautaro fez a primeira tentativa de cabeça e parou no goleiro Álex Remiro.

O japonês Take Kubo era um dos grandes destaques da Real Sociedad, o único que tentava algo diferente pelo lado direito. Antes dos 30 minutos, ele foi driblando todo mundo que via pela frente, deixou dois para trás e, quando chegou a marcação na área, caiu. O árbitro marcou o pênalti no campo, mas o VAR corrigiu o erro e deu simulação do atacante, que tomou cartão.

A anulação do pênalti tirou o ritmo bom que estava o jogo. Tiveram seis trocas, quatro da Real e duas dos italianos, e pouco mudou na partida, ainda nula em chances claras ou boas defesas dos goleiros.

Precisando vencer, a Inter finalmente arriscou e começou a pressionar. Muito tarde para o time de Inzaghi, que forçou cruzamentos nos minutos finais e não conseguiu marcar. Lautaro até teve boa chance na segunda trave e faltou pontaria para o argentino.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius AmorimRedator

Nascido e criado em São Paulo, é jornalista pela Universidade Paulista (UNIP). Já passou por Yahoo!, Premier League Brasil e The Clutch, além de assessorias de imprensa. Escreve sobre futebol nacional e internacional na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo